Festival Latinidades celebra existência das mulheres negras e a promoção do bem viver

Enviado por / FonteDo Brasil de Fato

Em Brasília, evento acontece de 6 a 9 de julho no Museu Nacional da República, de graça, confira a programação

Com mesas de debates, oficinas, vivências e apresentações culturais, o Festival Latinidades Edição Brasília começa nesta quinta-feira, 6, e segue até o domingo, 9. Pela primeira vez, o maior festival de mulheres negras da América Latina acontecerá em quatro estados do país, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Brasília, com programação que compreenderá todo o mês de julho.

A abertura do evento, será em Brasília com entrada gratuita, para celebrar as mulheres negras e a promoção do bem viver. A ideia do festival é marcar o  25 de julho, data em que se comemora o Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha – e tem como objetivo fortalecer a identidade, a formação política e estimular a produção cultural, artística e intelectual das mulheres negras

“O Festival Latinidades tem uma grande importância por ter sido um projeto que popularizou o 25 de julho, Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, em Brasília e em muitos outros lugares do Brasil. É um projeto continuado de 16 anos que articula ações de promoção da igualdade de raça e gênero, por meio do potencial transformador da arte e da cultura, dialogando com todos os setores da sociedade. O Festival provoca, monitora e propõe políticas públicas de equidade para mulheres negras, ao mesmo tempo que mostra para o Brasil que no Distrito Federal existe muito mais do que a Esplanada dos Ministérios – há 58% de população negra, que é potente, contribui para sociedade e que precisa ser visibilizada”, afirmou Jaqueline Fernandes, idealizadora do Festival Latinidades e presidenta do Instituto Afrolatinas.

Criado em 2008, o Latinidades se consolidou como uma plataforma que incentiva e dá visibilidade à produção dessas mulheres nas mais diversas áreas, gerando emprego e renda. De acordo com a organização do festival, em dezesseis anos o projeto alcançou mulheres de todo o mundo com formações, arte e temas importantes para o bem viver. 

Este ano, o Festival Edição Brasília recebe nomes como Carla Akotirene de Salvador, Joyce Cursino de Belém e Ravena do Carmo de Planaltina DF, mulheres negras que se destacam pela potência em suas trajetórias.

“Eu tô bem feliz de estar participando deste espaço que abrange tanta gente e proporciona visibilidade para que a gente apresente nossos trabalhos e nossas produções artísticas. Vou participar dentro do eixo de conhecimento e vamos fazer uma formação dentro da roda cultural que acontecerá no Museu da República. Vamos lançar a pesquisa ,”Vozes e Escritos do Gueto: Trilhas e Trajetórias da Literatura Marginal no DF”, conta Ravena do Carmo que é poetisa, pesquisadora e pedagoga e participará da Roda Cultural na sexta (7), às 19h.

Outra convidada é a jornalista, produtora e cineasta negra Joyce Cursino, que entende essa edição do evento como necessária para mostrar a força, criatividade e a preparação das mulheres negras para a reconstrução do Brasil. Ela participará da conversa “Produtoras Negras – Quem cuida de quem produz?” na sexta (7) às 15h.

“Entendo essa oportunidade como um  momento de encontro e reencontro onde poderemos nos ver umas as outras. Isso tem uma força ancestral muito poderosa, pois nos mostra para onde estamos caminhando, relembra nossos propósitos, trajetória e missão. Falar de produção para mim é falar de cuidado, acolhimento, materialização do sonho”, diz Joyce.

Na edição de 2022, ano em que completou 15 anos, o Festival teve como tema Mulheres Negras – todas as alternativas passam por nós e homenageou 50 mulheres negras, com diferentes trajetórias a fim de reconhecer a importância de seus fazeres na construção do país.

Abertura

A abertura desta edição contará com o bloco afro Afoxé Oxum Pá e Cintia Guajajara realizando uma benção ancestral e tem como tema o conceito de Bem Viver e a importância de construir o bem viver por meio da artística, ativismo e intelectualidade de mulheres negras e também com as mulheres indígenas.

A programação reúne painéis com nomes como as ministras Anielle Franco e Margareth Menezes, debates sobre a promoção do cuidado entre as mulheres negras, feiras e shows.

Os ingressos para as atividades poderão ser adquiridos gratuitamente. A programação completa está disponível pelo site do evento latinidades.

Programação 

Quinta-feira – 6 de julho

Local: Museu Nacional da República

Auditório I

13h30 | Abertura: Bênção Ancestral com apresentações artísticas de Afoxé Ogum Pá e Cintia Guajajara

14h | Painel: Bem Viver, políticas públicas e urgências sociais

Painelistas: Anielle Franco – Ministra da Igualdade Racial; Margareth Menezes – Ministra da Cultura; Marina Silva – Ministra do Meio Ambiente (a confirmar); Rita Cristina de Oliveira – Secretária Executiva do Ministério dos Direitos Humanos. Mediação de Carmela Zigone – Inesc

16h | Painel: Macroeconomia da igualdade

19h30 | Espetáculo Engasgadas – Grupo Zona Agbara (SP)

Espaço Universidade Afrolatinas | Anexo do Museu

Jornada Produção Cultural

10h às 12h | Produção Executiva de festivais com Michelle Cano, Festival Coma

14h às 16h | Produção de bandas/artistas com Ana GB

16h30 às 18h30 | Empresariamento artístico, com Ciça Pereira, Zeferina Produções

Espaço Bem Viver | Área externa do museu

14h às 19h | Feira de produtos e espaço lounge

Sexta-feira – 07 de julho 

Local: Museu Nacional da República

Auditório II

0h | Painel: Mulheres Negras em Defesa da Vida e da Floresta

14h | Painel: Feminismo Antiproibicionista Afrofuturista para o Bem Viver (atividade realizada em parceria com a Renfa)

15h30 | Vida Afrolatina: Investindo nas mulheres negras para acabar com a violência sexual

17h | Painel: Bem viver com equidade, representação e participação política

19h | Roda Cultural: as desigualdades do Distrito Federal e a construção do Mapa do Bem Viver por suas juventudes

Espaço Bem Viver | Área externa do museu

15h | Talk: Solidariedade transnacional para amplificar vozes de mulheres negras, com Stephanie Holguin – Fullbright, EUA

4:20 | Talk: Alimentação ancestral e sistema endocanabinóide – uma confluência para o bem estar, com Natalia Ferreira

Espaço Universidade Afrolatinas | Anexo do Museu

Jornada Produção Cultural

14h | Aula Magna: O algoritmo da imagem e a indústria cultural, com Bira

15h | Produtoras Negras – Quem cuida de quem produz?

17h | Vozes e escritos do gueto: Trilhas e trajetórias da Literatura Marginal no Distrito Federal

Sábado – 08 de julho 

Local: Museu Nacional da República

Espaço Literário | Anexo do museu

14h | Lançamentos literários

16h às 19h | Espaço literário Julho das Pretas que escrevem no DF

Espaço Bem Viver | Área externa do museu

16h | Talk: Sexo, prazer e bem viver, com Dandara Pagu

Auditório II

15h às 17h30 | Universidade Afrolatinas apresenta Oficina: “Saberes populares e acadêmicos de mulheres negras”, com Matilde Ribeiro

Shows | Área externa do museu

Necessário retirada de ingressos

19h | Dj Beatmilla (DF)

20h | Letícia Fialho (DF)

21h | Buika (Espanha)

22h30 | BellaDona (DF)

23h20 | DJ Aisha Mbikila (DF/SP)

00h30 | A Dama (BA)

01h40 | Flora Matos (DF/SP)

Domingo – 9 de julho

ILÊ ASÈ OYA BAGAN – Paranoá

15h | Gira de conversa: Bem Viver Ubuntu

+ sobre o tema

Não é coisa da sua cabeça, é racismo

-Toda vez que eu entro, eu tenho a impressão...

Mulheres da Independência: 3 mulheres são heroínas do 2 de Julho

Costureiras, esposas, mães, filhas, negras ganhadeiras que trabalhavam para...

Novo racismo e velha homofobia – Por: Juremir Machado da Silva

O racismo é ardiloso. Inventa maneiras de ressurgir. Finge-se...

Bahia lidera ranking de assassinatos de homossexuais

Campeã de crimes homofóbicos por seis anos consecutivos, a...

para lembrar

As Bruxas que somos hoje!

O estigma social das bruxas, como seres maléficos, feios...

Mulheres negras vão à luta

Projeto 'Avança Nega' oferece rede de apoio e aconselhamento Do...

Brasil é segundo país da América Latina com menos mulheres no comando

Brasil é segundo país da América Latina com menos...

Obrigada Heleieth Saffioti pela vida e obra dedicadas a emancipação das mulheres

(1934 2010) "Obrigada Heleieth I.B. Saffioti pela vida e obra dedicada...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=