O Brasil se movimenta a partir das mulheres negras

Com acesso a direitos e oportunidades, são a expressão da potencialidade

Pela primeira vez celebramos o julho das pretas num Brasil com quatro ministras de Estado negras —e não vamos simular normalidade. É histórico, uma ventania de força e esperança redemocratizada com o governo Lula, uma oportunidade concreta de ressignificar a agenda de direitos, especialmente das pessoas negras, que representam 57% da população brasileira. Não é prêmio, é conquista.

Celebrar, reconhecer e valorizar a existência das mulheres negras no mês de julho, em comemoração do Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, nesta terça-feira (25), é um movimento tripartite: de fortalecimento da potência feminina negra que sustenta historicamente este país; de denúncia das desigualdades de gênero e raça; e de promoção de políticas públicas para enfrentar essa realidade de exclusão.

A partir do governo federal, importantes insumos da mudança estão postos: institucionalização de recursos e infraestrutura, conhecimento específico acumulado e poder de ação. Uma trajetória não linear que envolve memória, reparação, reconhecimento e incidência para o futuro.

Olhar para frente é construir coletivamente, cada uma em seu espaço de luta e sempre inseridas nos debates e na construção das soluções no campo da política econômica e social, de metas e indicadores de redução de desigualdades, numa agenda intrinsecamente associada ao enfrentamento do racismo e à promoção da igualdade racial. É sobre a dignidade do viver. Melhorar as condições de vida da população e promover a igualdade são empreendimentos de grande porte, com função estratégica para a prosperidade econômica do país.

As mulheres negras têm a transversalidade como método de diálogo, ação conjunta e entregas concretas. A forma como as políticas públicas são construídas é tão relevante quanto a política em si, e temos essa perspectiva como fundamento. As pastas sob nosso comando atuam em sinergia temática —nós trabalhamos em permanente conexão umas com as outras, entre as 10 ministras nesta gestão, e em consonância com todas as 37 pastas.

A habilidade de enxergar a importância da parte e do todo não é exclusividade de mulheres ou de pessoas negras. No entanto, as mulheres negras são as que mais encontram barreiras para explorar suas potencialidades e serem reconhecidas por seus talentos e competências. Essa é uma das perversidades do racismo que o julho das pretas também denuncia, lembrando que ciência e tecnologia, inovação, cultura, meio ambiente, economia, saúde, educação, arquitetura urbana, negócios, esportes, comunicação, transporte e criatividade também nos dizem respeito. “Trazemos conosco a marca da libertação de todas”, afirma Lélia Gonzalez.

As mulheres negras brasileiras, latinas e caribenhas são formuladoras, executoras e beneficiárias de políticas públicas, são múltiplas, com demandas complexas, e fazem a economia do país girar. São ministras, cientistas, astronautas, faxineiras, gestoras, professoras, caixas, estudantes, economistas, artistas, médicas, eletricistas, políticas, inventoras. Com acesso a direitos e oportunidades, são a expressão da potencialidade.

Queremos muitos avanços neste julho das mulheres negras. Participação de todas as pessoas nas políticas públicas, da elaboração à execução, ampliando e potencializando a democracia que reconquistamos com nossa luta. Queremos atenção e disponibilidade para nossas pautas em todas as instâncias do poder público: Executivo, Legislativo e Judiciário. Queremos igualdade de gênero e raça em todos os empreendimentos, empresas, organizações, instituições. Queremos atenção e reconhecimento do país que, nos últimos 500 anos, parimos, amamentamos, ensinamos, cuidamos e trabalhamos para sustentar. Queremos, hoje e no futuro, a Justiça que tantas vezes nos foi e ainda nos é negada.


*

Anielle Franco
Ministra da Igualdade Racial

Luciana Santos
Ministra da Ciência, Tecnologia e Inovação

Margareth Menezes
https://www.geledes.org.br/tag/margareth-menezes/Ministra da Cultura

Marina Silva
Ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima

+ sobre o tema

‘Mudei minha cor no RG’: mulheres contam como se reconheceram negras

Alice Melo tinha 32 anos quando decidiu atualizar seu...

Mulheres negras ainda são prejudicadas no desenvolvimento profissional

Dados do IBGE indicam que a parcela de mulheres...

Virgínia Leone Bicudo: quem foi a psicanalista negra pioneira homenageada pelo Google

Ela foi a primeira não-médica a ser reconhecida como...

SEPPIR pretende reverter suspensão dos editais do MinC feitos para negros

A SEPPIR-PR (Secretaria de Políticas de Promoção da...

para lembrar

Definida a programação para o Dia Municipal da Mulher Negra, em Campos

A programação do Dia Municipal da Mulher Negra, da...

As origens do Dia da Mulher Negra Latina e Caribenha

A população negra corresponde a mais da metade dos...

ONU lembra lutas antirracistas e feministas no Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha

Esse encontro ficou marcado na história e foi reconhecido...

Hoje começa o Seminário Mulheres Negras No Foco: Mídia, representação e Memória

Seminário Mulheres Negras No Foco: Mídia, representação e Memória Para...
spot_imgspot_img

Fórum da ONU em Genebra discute desenvolvimento econômico dos negros

No terceiro dia do 3º Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes, promovido pela ONU, em Genebra, a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, destacou a importância...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU em Genebra, na Suíça, com três principais missões: avançar nos debates...

Projeto Kiriku busca apoio do Ministério da Igualdade Racial para construção de novas afrotecas

A convite do Ministério da Igualdade Racial (MIR), o coordenador do projeto Kiriku e do Grupo de Pesquisa em Literatura, História e Cultura Africana,...
-+=