A voz das mulheres negras toma conta do Festival Latinidades

Flora Matos, A Dama, BellaDona, Buika, DJ Beat Milla e Letícia Fialho são atrações do Festival Latinidades, amanhã, no Museu Nacional da República

No próximo dia 25 celebra-se o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana Caribenha no Brasil, e em homenagem à data, desde esta sexta (7/7) até domingo (9/7), está acontecendo a 16ª edição do Festival Latinidades. Neste sábado (8/7), Flora Matos Dama, BellaDona, Buika, DJ Beat Milla e Letícia Fialho se apresentam a partir das 19h no Museu Nacional.

Considerado o maior festival de mulheres negras da América Latina, é uma iniciativa contínua de promoção de equidade de raça, gênero e plataforma de formação e impulsionamento de trajetórias de mulheres negras nos mais diversos campos de atuação. O evento é também um grande palco de discussão do tema e conta com a presença das ministras Margareth Menezes e Anielle Franco. Participam, ainda, Beth de Oxum, Carla Akotirene, as artistas Bixarte, Brisa Flow como palestrantes durante esses quatro dias de programação. No domingo, a Mestra Martinha do coco fecha o o Festival Latinidades.

O tema deste ano é a noção de Bem Viver, que tem a ascendência mais conhecida nos povos originários Aymara e Kichwa, povos da floresta e povos tradicionais da América Latina. O conceito de bem viver vem ganhando força em toda a região nos países latinos por confrontar diretamente o modelo vigente desenvolvimentista e exploratório da natureza e dos seres humanos. Para representar uma luta por representatividade, a celebração do costume latino americano original, o festival escolheu a dedo artistas negras do Brasil para festejar.

A headline Flora Matos era apenas uma garotinha que dormia embaixo da bateria para não precisar dormir no Fusca do pai, Renato Matos. Sempre levava a filha, ainda bebê, para participar dos shows de sua banda Acarajazz, em Brasília. Antes dos quatro anos, a menina já tocava instrumentos e cantava. E foi a partir dessas experiências que decidiu ser cantora. O Rap e o Afrobeat são os ritmos que a artista brinca e encanta. Com rimas de ancestralidade, pertencimento e empoderamento, Flora anima a festa.

O pagode baiano também é destaque na festa, a cantora A Dama leva toda sua energia ao palco do Latinidades. Moradora do bairro de São Marcos, na periferia de Salvador, como a maioria das garotas do subúrbio da cidade faz, começou a frequentar ainda na adolescência os bailes das favelas onde o pagodão dominava. O gênero nasceu no início da década de 90 com É o Tchan. A cantora ressalta que o gênero é dominado por cantores homens, e levantar suas bandeiras para o Latinidades é uma forma linda de dar visibilidade às mulheres pretas. “Espaços como esse mostram que estamos ganhando cada vez mais força e avançando no debate de nossas pautas. E é muito importante que a nossa diversidade cultural e artística esteja presente, por isso estou preparando um show especial e incrível, para colocar todo mundo para balançar ao som do pagode baiano”, promete a artista.

A brasiliense Cinthia Santos trabalha há sete anos como produtora cultural. É a assistente de direção geral do festival e comenta sobre a importância dos shows deste ano. “A programação como um todo, com as palestras, talkes, mesas e debates, acaba tocando em assuntos sensíveis, mas, no festival, mesmo em meio à dor, o povo negro celebra a vida e a existência com festa, todos juntos.” Sobre a ideia de bem viver, ela destaca. “Quando fala de bem viver, a gente tá falando dessa busca de retomar tudo que era nosso que não nos foi permitido”, finaliza Cinthia

Serviço


Festival Latinidades
De 6 a 9 de julho no Museu Nacional, Brasília-DF. Entrada Gratuita. Evento livre para todos os públicos.
Noite de shows no sábado, a partir das 19h.

Leia também:

Julho das Pretas: mês de valorização do protagonismo de mulheres negras na cultura, ciência e política do Piauí

Festival Latinidades celebra existência das mulheres negras e a promoção do bem viver

+ sobre o tema

Mulheres dão um basta no machismo velado

Elas são interrompidas quando falam e têm suas ideias...

“Na cultura patriarcal, as pessoas aprenderam a odiar a si mesmas”, por Claudio Naranjo

O psiquiatra chileno Claudio Naranjo tem um currículo invejável....

para lembrar

Boletim III CONAPIR – Discurso de Dilma é bem recebido por mulheres negras

COMUNICADORAS NEGRAS NAS REDES SOCIAIS A cerimônia de...

Nova avenida de Salvador terá uma estátua de Mãe Stella de Oxóssi

Obra foi encomendada ao artista plástico Tatti Moreno   Por Vinícius Nascimento,...

O que a branquidade tem a ver com o caso de Marielle Franco?

Marielle Franco era uma jovem negra, além e acima...

Mulheres negras vestem o empoderamento em coleção de designer mineira

A marca Lolita az avessas lança a coleção Protagonista...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=