Resultados da pesquisa por 'racismo'

    Imagem: Geledes

    Racismo: mulher é condenada após chamar segurança de ‘macaco’ e ‘urubu’

    Uma mulher terá de pagar R$ 10 mil por danos morais após cometer o crime de injúria racial contra o segurança de um restaurante na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. A condenada chamou o funcionário de “urubu”, “negro”, “safado” e “macaco”. A decisão é da 16º Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais. A vítima relatou que fazia a vigilância de um restaurante no Bairro Funcionários, próximo a uma tradicional feira que acontencia aos sábados, em frente ao Colégio Arnaldo. Segundo o funcionário, era comum que frequentadores da exposicão utilizassem o banheiro do restaurante. Com isso, a administração do estabelecimento decidiu cobrar uma taxa de R$ 0,50 por pessoa. Ainda de acordo com o relato, a mulher foi ao banheiro sem consumir nada do restaurante e, quando foi informada da taxa, ficou revoltada. A condenada jogou o dinheiro no balcão, “proferindo impropérios que, segundo a ação de danos ...

    Leia mais
    Dado Galdieri/The New York Times

    Racismo e segurança: para além da ponta do iceberg

    Assim como diversos outros sistemas de poder, o racismo possui distintas expressões. Como pesquisador preto e favelado que atua na área da violência e segurança pública, sempre foi muito evidente para mim que o racismo é central para compreendermos como a violência por parte do Estado funciona. As estatísticas levantadas pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostram que 75% das pessoas mortas em “intervenções policiais” entre 2017 e 2018 eram negras, e que entre 2007 e 2017 os homicídios de negros cresceram 33,1%, enquanto os de não negros aumentaram 3,3%. Os dados sobre homicídios são a ponta do iceberg quando o assunto é racismo e segurança pública, e os números são uma aparição bastante evidente da conexão entre os dois. Irei contextualizar uma outra expressão do racismo, mais sutil, mas tão relevante quanto aquela apresentada pelos dados estatísticos. Eu espero que ela fique bem escura no decorrer desse texto. Sobre os dados, acredito que pesquisadores e ...

    Leia mais
    Imagem retirada do site SOS_Corpo

    Antirracismo no Brasil: uma tarefa inadiável às pessoas brancas

    “O colonialismo é uma ferida que nunca foi tratada. Uma ferida que dói sempre, por vezes infecta, e outra vezes sangra”. Grada Kilomba   Estamos vendo acontecer neste mês de junho de 2020 uma revolta popular contra o racismo, num primeiro olhar, desencadeada a partir da ação do movimento Black Lives Matter, nos Estados Unidos, e que tem irradiado grandes manifestações de pessoas que têm se levantado para a luta racial ao redor do mundo. A morte de George Floyd foi o estopim para as mobilizações de massa em quase todos os estados daquele país, numa ação articulada e liderada por mulheres negras. No Brasil, movimentos sociais e organizações populares voltaram às ruas, em manifestações puxadas especialmente pelas torcidas antifascistas dos principais clubes de futebol, em defesa da democracia e contra os atos antidemocráticos, reanimando as forças da resistência para continuar a luta no enfrentamento ao bolsonarismo e contra o fascismo que molda ...

    Leia mais
    Foto: Sérgio Lima/Poder360

    76% veem racismo no Brasil, mas só 28% admitem preconceito contra negros

    Pesquisa DataPoder360 mostra que 76% dos brasileiros dizem haver preconceito contra negros no Brasil por causa da cor da pele. Para 12% da população, o racismo não existe no país. Outros 12% não souberam responder. A pesquisa do DataPoder360, divisão de estudos estatísticos do Poder360, foi realizada de 22 a 24 de junho com 2.500 pessoas em 549 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto. A morte de George Floyd, homem negro, depois de ação de policiais brancos nos Estados Unidos provocou uma onda de manifestações antirracismo pelo mundo. Ele havia sido detido pela polícia de Mineápolis (Minnesota) acusado de ter tentado pagar uma compra com nota falsa de US$ 20 em 1 supermercado. Floyd teve o pescoço prensado com o joelho por 1 policial branco por 8 minutos e 46 segundos e morreu. ...

    Leia mais
    Ilustração: Linoca Souza

    Enquanto houver racismo, não haverá democracia

    Quando o joelho de um policial branco norte-americano sufocou e matou George Floyd, muitos de nós por aqui pudemos sentir o peso daquele corpo sobre o pescoço e também os últimos suspiros deste, agora símbolo contemporâneo eterno contra a brutalidade racial e do combate ao racismo. No Brasil, conhecemos bem o significado da violência policial contra a população negra, jovens negros, moradores de nossas favelas, periferias e alagados. Não há entre eles quem não tenha dezenas de histórias como essas para contar e, muitas vezes, em protesto, grite: “Basta!”. Sim, as comunidades reagem, as mães e os familiares gritam por justiça e não são ouvidos. O Mapa da Violência 2019, elaborado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), é categórico. Entre 2007 e 2017, mais de 420 mil pessoas negras – mulheres e homens – foram vítimas de homicídio sob incontestável violência policial, ...

    Leia mais
    SILVIA IZQUIERDO / AP

    Campanha lança manifesto ‘Vidas Negras Importam’ e propõe 10 metas para reduzir impacto do racismo

    A Universidade Zumbi dos Palmares e a Afrobras, com apoio da Agência Grey, lançaram nesta terça-feira (30) em São Paulo um plano de ações práticas para o combate ao preconceito e à discriminação racial no Brasil, pedindo ações concretas das autoridades do país para a melhoria de vida da população negra brasileira. O manifesto "Vidas negras importam: nós queremos respirar" também é um movimento nacional proposto por diversas personalidades do meio jurídico, político, empresarial, artístico, do esporte e da comunicação, que se mobilizam para debater a diversidade racial brasileira e ajudar a implementar políticas públicas e privadas contra o racismo no país. Chamado de "Movimento AR", o nome do grupo é uma alusão ao caso do norte-americano George Floyd, homem negro que foi morto por asfixia com o joelho por um policial branco em Minneápolis, nos Estados Unidos. "George Floyd foi assassinado porque queria, precisava, mas foi impedido de respirar. ...

    Leia mais
    Nova Mercedes passa a ser pintada de preto na Fórmula 1 — Foto: Divulgação

    Mercedes passa a ter carro pintado de preto na F1 para marcar posição contra o racismo

    Atual hexacampeã mundial de pilotos e construtores, a Mercedes revelou nesta segunda-feira que vai correr com um carro todo pintado de preto na temporada 2020 da Fórmula 1. O novo layout já estreia no próximo fim de semana, no GP da Áustria, prova que abre o campeonato. Em nota, a equipe explicou que trata-se de um combate ao racismo: "Vamos competir de preto em 2020, como um compromisso público para melhorar a diversidade de nossa equipe - e uma declaração clara de que somos contra o racismo e todas as formas de discriminação." We will race in black in 2020, as a public pledge to improve the diversity of our team – and a clear statement that we stand against racism and all forms of discrimination. 👇 — Mercedes-AMG F1 (@MercedesAMGF1) June 29, 2020 Chefão da Mercedes na Fórmula 1, o austríaco Toto Wolff exaltou a iniciativa da equipe alemã ...

    Leia mais
    Logotipo da iniciativa que pede mudança no nome da rua Barão de Cotegipe, em Porto Alegre (Reprodução/Imagem retirada do site Folha de São paulo)

    ‘Contra o racismo na rua’, moradores de Porto Alegre se unem para alterar nome da r. Barão de Cotegipe

    Um grupo de amigos se reuniu no WhatsApp para conversar sobre as manifestações antirracistas que varrem o mundo. Formado por historiadores como Maria do Carmo Aguilar e Marçal de Menezes Paredes, o bate-papo evoluiu para a decisão de agir contra o racismo coletivamente a partir das suas vidas cotidianas. Virou o manifesto “Porto Alegre contra o racismo na rua”, petição recém-criada que já ultrapassa 600 assinaturas e que ganhou o apoio de diversas entidades unidas ao propósito de alterar o nome da rua Barão de Cotegipe, personagem da história brasileira que batiza várias localidades brasileiras e também um logradouro no bairro São João, área nobre da capital gaúcha. O objetivo é eliminar a homenagem a “um barão, um senador, isolado em um contexto cultural que já reconhecia a brutalidade da escravidão, e que votou contrário à sua abolição”, explica o manifesto. “A Porto Alegre que reconhece Abdias do Nascimento, que ...

    Leia mais
    Moçambique foi um dos antigos territórios colonizados pelos portugueses visitados pelo fotógrafo César Fraga (autor destas fotografias) e pelo historiador Maurício Barros de Castro (Imagem retirada do site Visão)

    À procura das raízes do racismo no país onde “morrem Georges Floyds todos os dias”

    Dois brasileiros confrontaram-se com o papel dos portugueses na escravatura ao percorreram nove países africanos em busca da herança negra do Brasil. Perante as manifestações antirracistas que varrem o mundo, o fotógrafo César Fraga e o historiador Maurício Barros de Castro denunciam o “negacionismo racial” do governo de Bolsonaro Quando era criança, o afro-brasileiro César Fraga, 47 anos, ouviu a mãe contar-lhe que a sua bisavó materna só não foi escrava graças à Lei do Ventre Livre. Também conhecida como Lei Rio Branco, esta legislação, aprovada em 1871, previa que as crianças nascidas de mães escravas seriam livres no Brasil. “A minha bisavó morreu quando eu tinha 10 anos, nunca soube pormenores muito específicos, mas sei que ela sentiu um enorme conflito interno por ter direitos que os pais não tinham, por serem escravos. Ela achava isso muito injusto”, conta o fotógrafo. Sentindo o peso da escravatura na história da ...

    Leia mais
    Os movimentos sociais que estão pedindo o fim do racismo nos EUA estão gerando a reação de grandes corporações contra o Facebook (Crédito: AFP)

    Inatividade contra o racismo pode custar caro ao Facebook

    A falta de atividade contra o racismo e o discurso de ódio nos posts do Facebook está fazendo com que aumente o número de empresas que não querem anunciar na maior mídia social do planeta. Uma coalizão de grupos que lutam pelos direitos civis nos Estados Unidos lançou a campanha #StopHateforProfit na semana passada, quando instou as principais empresas do país a interromperem a publicidade no Facebook. A reação no mundo dos negócios foi imediata e em poucos dias, redes como a The North Face e Patagonia disseram que apoiariam o movimento contra o Facebook. Outras empresas famosas nos Estados Unidos, como Upwork e Dashlane, além de marcas globais como a Coca-Cola, Hershey’s, Honda, JanSports, Levi Staruss, Verizon, Bem & Jerry’s e Unilever também aderiram. A preocupação dessas empresas vai de encontro ao movimento de combate ao racismo nos Estados Unidos e, principalmente, o reflexo da polarização que a eleição ...

    Leia mais
    © Getty Images

    O corpo negro masculino: uma reflexão sobre hiperssexualização e racismo dentro da comunidade LGBTQIA+

    Nem tudo é óbvio e perceptivo quando se entra em um site pornográfico, nas redes sociais ou em grupos de mensagens e tenta estabelecer uma conexão com o que está sendo visto e consumido na sua mente e categorizados pela plataforma ou pelo seu clique. No entanto, faz-se necessário um olhar mais observador a fim de refletir os significados e significantes desse consumismo. O presente artigo tem como objetivo refletir o negro na comunidade LGBTQIA+, explorado especificamente em torno de sua sexualidade. O gênero masculino, sempre esteve em uma posição de poderio patriarcal em nossa sociedade. Tentar compreendê-lo, faz-se necessário enquanto ser social no contexto histórico-cultural, onde é possível também visualizar a construção do indivíduo e de sua identidade. Principalmente quando esta identidade se torna frágil na visão do outro, afinal sua construção social não pode se adequar ao adjetivo; nem permitindo que um igual haja da mesma forma, até ...

    Leia mais
    Foto: SILVIA IZQUIERDO / AP

    ‘Esquerda e direita brasileira são inábeis em incorporar o debate sobre o racismo’

    As manifestações antirracismo que tomaram conta do mundo desde o assassinato de George Floyd têm suscitado muitas reflexões acerca das comparações das realidades de Brasil e Estados Unidos. Há pontos que se cruzam e outros que se distanciam, mas o professor Cristiano Rodrigues chama atenção de que uma análise tanto da ascensão política de Donald Trump quanto de Jair Bolsonaro pode revelar uma espécie de revés no que para muitos chegou a ser considerada uma nova era ‘pós-racial’. “O governo Obama foi muito importante simbolicamente e no campo mais superficial da vida política, mas as disparidades raciais históricas permaneceram”, aponta, na entrevista concedida por e-mail. “Esse período de relativo otimismo foi também o palco para a ascensão de contramovimentos ultranacionalistas”, analisa. E conclui: “esses contramovimentos foram bastante importantes para a eleição de Trump em 2016, que recebeu votação expressiva do eleitorado branco, masculino de todas as classes sociais”. Analogicamente observando ...

    Leia mais
    Criança participa de marcha no Central Park West em celebração ao Juneteenth em Nova York (Foto: Reuters/Andrew Kelly)

    O racismo deixará de existir quando quem o sente disser que já não existe – Amnistia Internacional

    "Fazer uma manifestação para provar que não há racismo não tem sentido. O racismo não se sente numa manifestação. Quer dizer, sente-se se for uma manifestação de ódio e espero que não seja o caso", disse Pedro Neto. À pergunta se vê a manifestação marcada para sábado em Lisboa pelo partido Chega como uma provocação, o responsável da AI respondeu: "Não queria dizer isso, dar-me-ia protagonismo, mas não ajudaria muito ao debate". Considerou, no entanto, que não é com uma manifestação que se prova que não há racismo, mas sim com políticas públicas de inclusão, que não permitam discriminação. "Não haver racismo é também não haver discursos xenófobos no parlamento que instiguem ao ódio contra a comunidade cigana", defendeu, numa alusão às posições do líder do Chega, André Ventura, que tenciona reunir 1.500 participantes numa manifestação destinada a afirmar que "Portugal não é racista". "Quando quem o sente disser que ...

    Leia mais
    Milton Nascimento (Foto: Divulgação/Prefeitura de Sorocaba)

    ‘É a nossa força que tá aí’, diz Milton Nascimento sobre a união contra o racismo

    "Todo artista tem de ir aonde o povo está", diz a letra de Nos Bailes da Vida, um dos grandes sucessos de Milton Nascimento. Mantendo-se fiel a essa convicção, o cantor e compositor recorre ao único espaço em que os admiradores de sua obra podem vê-lo nesses tempos de pandemia, com teatros e casas de shows fechados: a internet. Por conta disso, amanhã não será um domingo qualquer. A partir de 18h30, Milton faz a primeira live transmitida em seu canal no YouTube, interpretando canções escolhidas pelo público. O estímulo para fazer a live veio do filho do artista, Augusto. Resguardado em Minas, na cidade de Juiz de Fora, Milton conta que passa o tempo tocando violão, vendo filmes e programas de TV. Recentemente, teve uma bela surpresa ao ler pela primeira vez o roteiro de Jules e Jim - Uma Mulher Para Dois (1962), de François Truffaut. Foi depois ...

    Leia mais
    Sauanne Bispo sofreu diversos episódios de racismo, desde a infância em colégio particular até a vida adulta, como dona do próprio negócio. Hoje, dá palestras sobre inclusão racial. (Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo)

    A jornada contra o racismo de uma mulher negra nascida na elite da Bahia

    Nasci em Salvador, na Bahia, tenho 34 anos e sou filha de Celeste Bispo, professora graduada em letras e investigadora da Polícia Civil baiana. Meu pai é um artista plástico, faz esculturas em madeira. Eles nunca se casaram, mas ele sempre esteve presente em minha vida. Sou filha única. Cresci num bairro central de Salvador, o Garcia. Durante minha vida toda, estudei no Colégio Antônio Vieira — uma tradicional escola particular. Apesar de eu viver num estado com cerca de 82% da população preta ou parda, na escola toda havia no máximo 20 estudantes negros. Na minha sala eram eu e mais dois, na melhor das hipóteses. Eram comuns as panelinhas na sala de aula. Um colega me deu o apelido de Melanina e depois ele abreviou para Mel. Quando alguém perguntava “Por que Mel?”, ele ria para explicar. Certa vez eu estava na fila da cantina e uma menina ...

    Leia mais
    Divulgação

    Jornalistas baianxs oferecem 2ª edição de minicurso sobre semiótica e racismo na mídia brasileira

    A Semiótica como ferramenta de análise do racismo midiático é o tema do minicurso Racismo e Mídia no Brasil: uma abordagem semiótica, cuja segunda edição acontecerá nos dias 11 e 12 de julho.  A primeira edição do curso teve 300 pré-inscritos e vagas esgotadas em três dias. Com emissão de certificado e carga horária de 4h, o minicurso é composto por duas aulas na modalidade à distância, em uma plataforma de reunião on-line. A proposta é uma iniciativa dxs jornalistas Bruna Rocha e Cássio Santana, pesquisadorxs do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas (PósCom) da Universidade Federal da Bahia (UFBA).      O minicurso tem o objetivo de fornecer, de maneira introdutória, instrumental teórico-metodológico para a análise de discursos midiáticos a partir de uma perspectiva antirracista. Tomando como ponto de partida uma discussão sobre noções gerais de Semiótica, estudos da imagem e Análise do Discurso, pretende-se fomentar um olhar crítico ...

    Leia mais
    Jamiel Law/NyTimes

    Racismo estrutural no Brasil

    No Brasil, desde o dia 25 de maio do corrente ano, nunca havíamos assistido tanto as grandes emissoras de televisão se reportarem com tanta frequência ao racismo, quanto temos presenciando desde então.  O que será que as emissoras de televisão querem dizer aos telespectadores/as com tantas reportagens sobre o racismo? Não existe racismo no Brasil? O racismo no Brasil estava silenciado? O debate sobre o racismo está pautado na sociedade brasileira? O racismo está na agenda da grande imprensa? A sociedade brasileira resolveu admitir a existência do racismo e enfrentá-lo, ou tudo não passa de um jogo de cena?  Em meio ao bombardeio das reportagens, à primeira vista, a impressão que o/a telespectador/a tem é a de que não existe racismo no Brasil e os primeiros casos surgiram recentemente. Para os/as desavisados/as, desinteressados/as e desinformados/as no assunto, racismo não é coisa de negros/as, é coisa de brasileiros/as; se trata de ...

    Leia mais
    Bubba Wallace (Getty Images)

    Nascar confirma caso de racismo contra Bubba Wallace em Talladega e inicia busca pelos responsáveis

    Foi encontrado dentro da garagem do carro de Bubba Wallace em Talladega Superspeedway uma corda de enforcamento, uma clara ameaça ao piloto após manifestações anti-racistas feitas por ele nas últimas semanas, as quais ocasionaram o banimento das bandeiras confederadas dos EUA na categoria. “Estamos com raiva e indignados, e não podemos afirmar com força suficiente o quão seriamente lidaremos com esse ato hediondo. Lançamos uma investigação imediata e faremos todo o possível para identificar a(s) pessoa(s) responsável(is) e eliminá-la do esporte. Como declaramos inequivocamente, não há lugar para o racismo na NASCAR, e esse ato apenas fortalece nossa determinação de tornar o esporte aberto e acolhedor para todos.”, afirma a categoria em nota oficial. A resposta da categoria veio em seguida de um depoimento do piloto em seu perfil oficial no Twitter, onde Bulla Wallace desabafou contra o racismo. “Hoje, um ato de racismo me deixou bastante triste e serviu ...

    Leia mais
    Thallita Flor foi uma das fundadoras do MAV – Movimento Afro Vegano (Imagem retirada do site Folha de São Paulo)

    O que é racismo ambiental

    Mais um fim de semana se passou no Brasil. Mais gente preta morreu. Seja de Covid-19 ou por violência urbana, para citar duas mazelas que matam duas vezes mais pretos do que brancos. Também, nas comunidades pobres, lugar que o livre mercado designou para viverem descendentes de escravos, gente preta se reuniu para beber a sua cerveja, comer o seu churrasco, linguicinha esturricada na brasa. Gente preta reunida para comer e beber veneno. Algo que nos mata tanto quanto a Covid e a violência policial. Produtos hiper-industrializados e hiper-embutidos são baratos. São os únicos que estão ao alcance do bolso da maioria dos brasileiros. E, assim, vão todos morrendo. Simplesmente porque interessa. Dá dinheiro. Como as queimadas na amazônia. A diferença: Queima de gente preta pelo estômago. Racismo ambiental. Thallita Flor, uma das fundadoras do MAV – Movimento Afro Vegano, explica, em artigo para o Quadro-negro, o que é seu impacto em ...

    Leia mais
    Erika Januza (Foto: Rafael Cusato/Reprodução/Instagram)

    Erika Januza diz que está entalada após história de racismo: “Não posso colocar para fora”

    A atriz Erika Januza, que está esperando a volta da novela Amor de Mãe, conversou com a jovem ativista Ndeye Fatou Ndiaye e deu um depoimento forte sobre um caso recente de racismo que sofreu. "No trabalho, não vai dar para eu te contar, mas eu já passei. Sou doida para contar essa história. Ela está aqui (faz gesto apontando pra a garganta), mas não posso colocar ela para fora. Digo: neste momento, como atriz, já passei. Mas antes também. Eu trabalhava como secretária, mas sempre tinha uma coisa de olharem: “Quem é essa menina que está aqui na recepção, na porta de entrada do lugar?”, relatou ela em uma conversa franca. A atriz também contou como lida com o preconceito. Ela relata que participou de muitos concursos de beleza e que chegou a ser chamada de "horrorosa" pela mãe de uma das concorrentes. Agora, atriz da TV Globo, os ...

    Leia mais
    Página 5 de 727 1 4 5 6 727

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist