Para Mia Couto, Brasil é um tio rico, mas distante de Moçambique

Um tio rico, mas distante culturalmente. É assim que Moçambique enxerga o Brasil, na opinião do escritor Mia Couto.

Aos 56 anos, o autor de “Terras Sonâmbulas” (considerado um dos 12 melhores livros africanos do século 20), “O Voo do Flamingo” e outras 24 obras retorna ao País para participar de alguns eventos. Nesta quarta-feira (dia 3), comandou uma aula-palestra para alunos do 3º ano do ensino médio do colégio São Luiz, em São Paulo.

“Já me sinto um morto!” Com um misto de brincadeira e espanto, Mia Couto fala ao iG sobre ter seus livros lidos em escolas brasileiras, que normalmente reservam seus currículos para os cânones da literatura. “Fico feliz que esses livros possam chegar a pessoas mais novas. Mas, por outro lado, o que deveria ser feito são aulas de literatura, de expressão criativa, como suporte para o ensino de uma língua. Quando eu estudei os autores, eu os odiava. Era algo frio, pouco literário, não era um convite a ler e a escrever.”

Couto diz que perdeu a conta de quantas vezes veio ao Brasil. Mas, questionado sobre o número de livrarias existentes em seu país, ele não titubeia: “Dá para contar nos dedos de uma das mãos”.

Não é de espantar que Moçambique tenha tão poucas livrarias e que Mia Couto seja (muito) mais lido em Portugal e no Brasil do que em sua terra natal.

A língua oficial de Moçambique é o português, mas fala-se pelo menos outras 20 nesse país de 22 milhões de habitantes que vive de exportações de camarão, algodão e caju. No relatório do Índice de Desenvolvimento Humano de 2010 da ONU, Moçambique aparece na 165ª posição, à frente apenas de Burundi, Níger, República Democrática do Congo e Zimbábue (o Brasil está em 73º).

“Mas a situação está melhorando”, diz o escritor, sobre o país na costa leste da África que foi colônia de Portugal até 1975 e que logo após a independência sofreu com uma violenta guerra civil que durou até 1992. Moçambique sabe o que é ser democracia há apenas 19 anos. “A democracia é um regime que não pode ser imposto, então há uma cultura democrática que está nascendo ans cidades. Isso não pode ser induzido artificialmente.”

Leia abaixo a entrevista que Mia Couto concedeu ao iG.

iG: Quando foi a primeira vez que o sr. veio ao Brasil?

Mia Couto: Foi em 1987, em função do livro “Sonha Mamana África”, uma antologia de autores africanos feita por Cremilda de Araújo Medina. Mas quando cheguei foi como se já estivesse vindo várias vezes. O Brasil é um território imaginário que povoou a minha infância. Então quando cheguei parecia um reencontro.

iG: Após tantos livros, a vontade de escrever, a intensidade ainda são as mesmas?

Mia Couto: Ainda. O que mudou foi a relação não tão adolescente de, por exemplo, querer dizer tudo num só livro. Ficou mais madura a relação com a escrita, de não querer fazer bonito. Agora ela acontece mais natural. Não há uma busca imediata pelo bonito. O resto é a mesma coisa. Me ajuda a não pensar na idade que eu tenho.

iG: Sente diferença em como seus livros são recebidos em Moçambique, em Portugal e no Brasil?

livro de mia coutoMia Couto: Sim, há algumas diferenças, mas no geral o que conta é a história, é a relação das pessoas com a possibilidade de se evadir, de encontar na literatura um convite para repensar o mundo, para reinventar o mundo. Isso é comum. O que muitas vezes percebo é um certo reencontro com uma África que foi idealizada como um lugar de redenção por alguns brasileiros. Reencotnrar na África tudo aquilo que foi perdido e que se acumula como frustração de seu dia a dia. Essa África não existe.

iG: O sr. já disse que sua geração sofreu influências de Guimarães Rosa, de Jorge Amado, mas que, hoje, os africanos conhecem pouco ou nada do Brasil. Estamos culturalmente afastados?

Mia Couto: Sem dúvida. Há um distanciamento. Há proximidades, que manifestam-se em áreas que não correspondem ao que o Brasil realmente é. Por exemplo, na área da novela, o Brasil está presente como nunca esteve. É pela via das novelas que os moçambicanos conhecem o Brasil. Mas é apenas uma ideia do Brasil. Na literatura houve um empobrecimento, os africanos não sabem o que está acontecendo no Brasil, sobretudo em relação aos novos autores.

iG: O Brasil atualmente é tido como uma força emergente no mundo. Isso é bom ou ruim para Moçambique?

Mia Couto: É principalmente bom. Um membro da nossa família que tem esse peso no mundo, com suas políticas externas, pode ser uma voz alternativa. É como ter um tio rico: encontramos nisso uma possibilidade de estarmos presentes no mundo, por via do outro.

iG: Como o senhor situa a narrativa dos seus livros com a tradição oral africana e moçambicana?

Mia Couto: Não faço como uma missão, não me atribuo essa bandeira. Acontece porque não há outra maneira. Para falar daquilo que quero falar, tem de ser daquela maneira. É algo dominante.

iG: A identidade e o deslocamento permeiam os seus livros. Isso é fruto do contexto moçambicano ou africano?

Mia Couto: De um contexto mundial. Hoje há uma opção pela busca de identidade, embora na África se manifeste de maneira mais dramática. Me preocupa porque normalmente essa procura é objeto de manipulação. De repente é uma identidade que se funde na ilusão de haver uma pureza, de sermos nós próprios sem sermos os outros. A identidade só existe no plural.

iG: Há críticos que dizem que sua literatura é mais intelectual do que física, que trata menos da miséria africana e mais de questões existenciais. O que acha disso?

Mia Couto: Não aceito essas críticas, não é verdade. Esse lado mais físico, povoado de gente real está presente nos meus livros. A miséria está presente. Abordo de uma forma muito mais sensorial do que intelectualizada.

iG: O sr. não encerra os seus livros com um desfecho impactante, com alguma surpresa. Eles vão terminando aos poucos. Qual é a razão?

Mia Couto: O final tem de ser construído pelo leitor. É um final em aberto porque a própria vida é assim, não?

iG: Moçambique foi colônia de Portugal até 1975, depois passou por uma violenta guerra civil e tornou-se uma democracia há menos de duas décadas. Como o sr. define a atual situação do país?

Mia Couto: Está melhorando. O que foi feito é um esforço enorme para se abrir ao mundo, às tendências do mundo. Um país com exercício democrático verdadeiro. A democracia é um regime que não pode ser imposto, então há uma cultura democrática que está nascendo ans cidades. Isso não pode ser induzido artificialmente.

Fonte: IG

+ sobre o tema

Funai alerta para risco de genocídio de índios isolados no Acre

Por: João Fellet O avanço da exploração econômica na...

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

A inteligência de cada um

Estudos mostram que a genética é crucial. Outros fatores...

Peritos das Nações Unidas avaliam condições de vida dos africanos em Portugal

Por: António Pereira Neves Genebra, 14 mai...

para lembrar

As primeiras nomeações do novo Procurador-geral da República

    Através da portaria no 646 de ontem,...

São Paulo de Kassab: Cidade em crise

Índices de desaprovação de Kassab evidenciam o esgotamento de...

Até quando a sabotagem conservadora poderá resistir?

por Saul Leblon A Folha quer ser...

Pastor pede R$ 21 milhões a fiéis para pagar multa da igreja

Com voz chorosa e cabisbaixo, Valdemiro Santiago iniciou...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=