domingo, outubro 2, 2022
InícioQuestão RacialCasos de RacismoPolícia indicia suspeita por ofensa racial contra vereadora de Campinas em sessão...

Polícia indicia suspeita por ofensa racial contra vereadora de Campinas em sessão da Câmara

Paolla Miguel (PT) foi chamada de 'preta lixo' enquanto discursava durante sessão em 8 de novembro. Suspeita e duas testemunhas foram ouvidas na manhã desta quarta-feira (17), na DIG.

A Polícia Civil confirmou na tarde desta quarta-feira (17) que indiciou uma mulher por suspeita de injúria racial contra a vereadora de Campinas (SP) Paolla Miguel (PT), durante sessão da Câmara realizada em 8 de novembro. Segundo a Delegacia de Investigações Gerais (DIG), ela e duas testemunhas foram ouvidas por aproximadamente duas horas, no período da manhã, e a instituição está convicta, com base em depoimentos e análise de materiais, que somente ela praticou o crime.

A parlamentar foi chamada de “preta lixo” quando discursava sobre um projeto que trata do Conselho de Desenvolvimento e Participação da Comunidade Negra e um Fundo Municipal de Valorização da Comunidade Negra. A ofensa partiu da área do público, mas ninguém foi detido durante a reunião que teve a segurança reforçada pela Guarda. 

Quem é a suspeita?

A suspeita, diz a polícia, negou na oitiva ter praticado injúria contra a parlamentar, e ela não estava acompanhada de advogado. Embora o depoimento estivesse previsto para as 14h, ela foi à delegacia por volta das 8h para evitar contato com a imprensa. A mulher não tem antecedentes criminais.

A DIG confirmou que ela é filiada a um partido político de direita, mas optou por não informar qual é a sigla. A polícia também não revelou outros dados da suspeita, como a idade e local onde ela mora.

A expectativa da DIG é relatar o caso nos próximos dias à Justiça para que, depois disso, o Ministério Público analise se oferece ou não denúncia contra a suspeita pelo crime de injúria racial.

“Espero que, com a enorme quantidade de provas e testemunhos colhidos pela Polícia, a Justiça trabalhe com a verdade dos fatos, com as provas e puna a pessoa responsável pelos gritos racistas. O racismo brasileiro é cruel com mulheres e homens pretos há séculos. Nas periferias, isso se traduz em violência física, simbólica e exclusão social. Quando um de nós consegue chegar aos espaços de poder, o racismo se traduz em xingamentos e humilhações, como os que vimos na Câmara Municipal. Essa lógica perversa só poderá ser mudada quando a Justiça tomar para si o compromisso de fazer deste país uma nação diversa e antirracista de verdade, intolerante com racistas flagrantes”, destacou Paolla, em nota, após a polícia confirmar o indiciamento da suspeita.

O caso

A DIG é a unidade especializada em apurar casos de racismo ou injúria racial de autoria desconhecida. Em 10 de novembro, manifestantes fizeram um ato antirracista em frente à Câmara para prestar solidariedade à Paolla. Além disso, a sessão daquele dia foi marcada por discursos sobre o caso.

Investigação na Câmara

Além da apuração da Polícia Civil, o presidente do Legislativo, vereador Zé Carlos (PSB), solicitou que as imagens gravadas pela TV institucional durante a sessão sejam analisadas para verificar quem estava sem máscara para prevenção contra Covid-19, ou ofendeu outros parlamentares na reunião. O objetivo é proibir a entrada destas pessoas nas próximas sessões do Legislativo.

As ofensas aos vereadores ocorreram em meio às manifestações de um grupo que se opõe ao “passaporte da vacina” e sinalizou apoio ao discurso do parlamentar Nelson Hossri (PSD), contrário à medida do Executivo. As exceções na metrópole valem para cinemas, teatros, cultos e missas.

Embora parlamentares indiquem que o grupo era de apoiadores de Hossri, incluindo Paolla, ele chegou a trocar farpas com Zé Carlos e afirmou que não “levou ninguém” ao plenário. A Câmara informou que o jurídico interno deve ser acionado, caso sejam identificados visitantes que ofenderam os vereadores.

O que diz a prefeitura?

Questionada sobre a atuação da Guarda durante a sessão, a prefeitura destacou que a corporação foi acionada pela direção da Casa para prestar apoio na segurança, mas não houve solicitação para que ela agisse e retirasse os manifestantes do plenário durante a sessão.

“Não foi possível identificar quem teria proferido a injúria racial no momento. Se tivesse havido a identificação, a pessoa teria sido encaminhada pela GM para o distrito policial imediatamente. A comandante da Guarda Municipal conversou com a vereadora durante a sessão e ofereceu para acompanhá-la para registrar a ocorrência, mas a mesma preferiu fazê-lo posteriormente”, diz trecho.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench