Praça da Liberdade, em SP, tem nome alterado para Liberdade África-Japão

Justificativa é reparação histórica pela presença negra na região

A praça da Liberdade, localizada entre a avenida Liberdade, a rua Galvão e a rua dos Estudantes, no centro de São Paulo, passa a se chamar praça da Liberdade África-Japão. O objetivo é resgatar e celebrar a memória negra na região.

A lei que instituiu a mudança foi sancionada pelo prefeito Ricardo Nunes (MDB) e publicada na edição desta quinta (1º) do Diário Oficial.

Na justificativa do projeto —apresentado em 2020 pelo então vereador Paulo Reis (PT) e pela vereadora Luana Alves (PSOL)— consta que, em julho de 2018, o espaço foi batizado de praça Japão-Liberdade em justa homenagem à imigração japonesa, mas que é injusto ignorar a presença do negro escravizado na cidade, cujas marcas foram cravadas no bairro que abrigou, por exemplo, local conhecido como Largo da Forca, exatamente onde está a praça.

No Largo da Forca, acrescenta o projeto, negros escravizados acusados de crimes eram mortos por enforcamento público, algo que durou até o século 19.

Praça da Liberdade África-Japão nesta quinta (1º) (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

A Liberdade também abriga a Capela dos Aflitos, que vai ganhar novo restauro. A construção é o que sobrou do Cemitério dos Aflitos, a primeira necrópole pública da cidade de São Paulo, inaugurada em 1774 e desativada em 1858 com a inauguração do cemitério da Consolação.

O altar carece de pintura, e a escadaria que leva até o sino foi corroída por cupins. A porta onde devotos colocam bilhetinhos para agradecer a Chaguinhas, um santo negro popular, está desgastada pela infiltração que vem do teto. O forro tem marcas de mofo, e as paredes têm rachaduras, além de tinta descascada.

Chaguinhas, como era conhecido Francisco José das Chagas, foi um militar negro condenado à morte em 1821 por ter liderado um motim em Santos pelo pagamento de salários. No ano da Independência, foi levado ao Largo da Forca.

Segundo relatos registrados pelo Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, a corda que mataria Chaguinhas arrebentou duas vezes. O público que assistia à execução pediu clemência às autoridades, acreditando que a salvação seria obra divina.

O pedido foi negado e Chaguinhas morreu na terceira tentativa de enforcamento. Embora não tenha sido canonizado, o ex-militar é dito milagreiro e sua história tem se popularizado.

+ sobre o tema

Bahia – Atividades marcarão comemorações do Mês da Consciência Negra

A programação inclui a realização de palestras, seminários, exposições,...

Manaus celebra o Dia da Consciência Negra com música e teatro

Manaus - O Dia da Consciência Negra, comemorado na...

Lideranças quilombolas agradecem governo do Estado pela entrega das patrulhas mecanizadas

Campo Grande (MS) – As lideranças das comunidades remanescentes...

Manifesto de Negros e Negras organizados lutando pelos seus direitos

TEXTO RESULTADO DO ACÚMULO DE DEBATES DO POVO NEGRO...

para lembrar

Saracura Vai-Vai luta por memória negra no metrô e museu no Bixiga

Não dá para escavar lugares de fundamentos (religiosos), sem...

Fome e crise estão abrindo ‘hiperperiferias’ em São Paulo

Todo destino é incerto na Terra de Deus. Onde...

CNDH denuncia trabalho escravo em oficinas de costura em São Paulo

Uma comitiva do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH)...
spot_imgspot_img

Capoeiristas farão censo para mapear grupos na capital paulista

O Fórum da Capoeira do Município de São Paulo e o Instituto Caifazes Ação Social vão fazer uma pesquisa censitária na capital paulista para mapear os...

Bloco em homenagem a Marielle Franco vai abrir o carnaval de SP

O carnaval de rua de São Paulo começará, na sexta-feira (9/2), com a saída do Bloco Afro Ilu Obá De Min, que comandará o...

Alagamentos aumentaram 57% na temporada passada de chuvas em São Paulo

A cidade de São Paulo teve um aumento na quantidade de alagamentos na temporada de chuvas entre novembro de 2022 e abril do ano passado. Segundo...
-+=