Professor do Instituto Federal de Brasília é preso após dizer que mulher parecia com uma macaca

O homem foi conduzido à delegacia, pagou fiança de R$ 1 mil e foi liberado

No R7

A Polícia Civil do Distrito Federal autuou um professor do IFB (Instituto Federal de Brasília), lotado no Campus de Samambaia, na noite desse domingo (30), por injúria racial. O docente Rones Borges chamou uma mulher de macaca em uma bar, em Águas Claras (DF).

A confusão teve início às 23h30, quando a mulher conversava com amigos no estabelecimento. O professor se aproximou do grupo e começou a conversar com uma das meninas. Incomodada com as cantadas, a mulher chamou a atenção do homem. Ao revidar, ele disse que ela não deveria estar naquele lugar.

— Ele se aproximou de mim e perguntou se eu já havia me olhado no espelho. Eu ignorei e ele perguntou novamente. Depois ele disse “você é feia, você é uma macaca, não deveria estar neste lugar, conta Claudenice Chagas.

Outros clientes chamaram a polícia e, conduzido à 21ª DP, o homem foi autuado em flagrante, pagou fiança de R$ 1 mil e foi liberado.

Em nota, a reitoria do IFB informou que que nenhum caso de racismo aconteceu nas dependência do Instituto ou foi cometido pelo servidor no exercício da função e que as devidas respostas devem ser obtidas com o advogado do professor.

O diretor do Campus de Samambaia, Luis Diogo, afirmou ao R7 que vai consultar a Procuradoria Federal para saber se o homem pode responder a processo administrativo interno. Como o ocorrido foi fora do ambiente e horário de trabalho, pode ser que o fato seja apurado apenas na esfera judicial.

+ sobre o tema

Terceira edição da Semana da Consciência Negra debate cotas raciais para as Universidades

 Diversas palestras, sessões especiais e atividades estão programadas para...

Reflexão sobre o racismo

Depois da grande mobilização do #somostodosmaju o que mudou,...

Instagram e a liberdade de expressão na rede: o caso @teresacristinaoficial

Durante a pandemia do COVID-19 o Instagram virou uma...

As algemas de plásticos e o controle estético social no carnaval de Salvador

Ontem (28/02/17) foi o último dia de carnaval em...

para lembrar

Redes e coletivos ganham força na luta contra o racismo

A semana que passou do 13 de maio externou...

Artigo: Mulheragem

Expressão ao ato público como mostra de admiração a...

35 anos em marcha contra a discriminação racial

A história e os desdobramentos da passeata que definiu...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=