Projeto do Banco Mundial vai ampliar apoio a quilombolas no Rio Grande do Norte

Minifábrica de lingerie, marca de moda e artesanato com identidade afro surgem de demandas das comunidades quilombolas do estado e devem beneficiar 1 milhão de pessoas até 2019

Do Rede Brasil Atual 

Um projeto financiado pelo Banco Mundial, denominado RN Sustentável, vai instalar no Rio Grande do Norte uma minifábrica de lingerie e uma marca de moda, além de artesanato com identidade afro. Os dois projetos surgiram de demandas das comunidades quilombolas do estado e devem beneficiar 1 milhão de pessoas até 2019.

“O projeto prioriza as comunidades tradicionais e grupos mais vulneráveis como afrodescendentes, indígenas, mulheres e jovens, favorecendo os recursos e a assistência técnica necessária para viabilizar atividades produtivas”, explica a gerente do projeto, Fátima Amazonas, do Banco Mundial.

O projeto deve significar mais um passo para a valorização das comunidades quilombolas, como acontece em Negros Felicianos do Alto, que ganhou do governo brasileiro, em 2007, a certificação de reconhecimento como quilombola. Isso deu aos moradores a titularidade da terra, uma luta constante para os descendentes de escravos fugidos, e abriu as portas para que projetos sociais atendessem os moradores.

Atualmente, como muitos adolescentes de comunidades tradicionais na América Latina, as estudantes Maria Paula Teixeira, Juliana Bezerra e Edivânia Costa se equilibram entre dois mundos. Nasceram em um quilombo – nome dado aos assentamentos remanescentes dos tempos da escravidão –, mas estudam na cidade de Portalegre a 20 minutos dali.

Até a conquista da titularidade, os moradores da comunidade viviam quase esquecidos pela sociedade. Agora, aos poucos, buscam os objetivos das Nações Unidas para a recém-lançada Década de Afrodescendentes (2015-2024): reconhecimento, justiça, desenvolvimento e fim da discriminação.

Desenvolvimento, em particular, é um tema que mobiliza os quilombolas deste pedaço do Nordeste brasileiro. Quase todos os 80 lares da comunidade rural são apoiados por programas como o Bolsa Família, mas os moradores querem mais. Além da transferência de renda, eles vivem com o pouco que obtêm da agricultura e do artesanato. “O Bolsa Família é um incentivo importante, mas não tem o peso de um emprego, que te dá uma autoestima especial”, comenta a artesã Maria Joseília da Silva, 34 anos.

Foto: MARIANA KAIPPER CERATTI

+ sobre o tema

Coletivo Luiza Bairros: conheça grupo que atua no combate ao racismo institucional na UFBA

A principal estratégia utilizada é na exigência do cumprimento...

Após reivindicação do movimento negro, sítio arqueológico no centro do Rio será preservado

Diferente das ossadas humanas descobertas durante escavações próximas à...

Agenda única de eventos em novembro celebra a consciência negra na UFMG

Iniciativa, que une comunidade e gestão, integra formação, informação...

para lembrar

As resistências dos Quilombos no Brasil

Ultrapassando a ideia de que quilombo se configura meramente...

IFTO destina cotas para indígenas e quilombolas

Fonte: Jornal O Girassol -   Mais uma...

Festa do Quilombo de Tigre movimenta a Comunidade

A comunidade Quilombola do Tigre vivencia de amanhã (24)...
spot_imgspot_img

Quilombolas de Marambaia lutam por melhorias nos serviços públicos

Mesmo após a titulação, a comunidade quilombola da Ilha da Marambaia, em Mangaratiba, no Rio de Janeiro, visitada pelo presidente Luiz Inácio Lula da...

Morre o escritor Nêgo Bispo, referência da luta quilombola

A Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Quilombolas, Conaq, confirmou a morte, neste domingo, 03, do escritor e ativista Antônio Bispo dos Santos, conhecido...

Quilombolas vão à COP28 cobrar justiça climática

Comunidades tradicionais do Brasil estão presentes na COP28, conferência do clima da ONU que começou na quinta-feira (30), em Dubai, nos Emirados Árabes. Apesar disso,...
-+=