Qual a sua cor? Por Fernanda Pompeu

Ser brasileira nem sempre é tudo de bom. Nem é só praia, rio, gozo, música, criatividade. É duro quando outros povos, não sem razão, associam o Brasil à leniência, corrupção, desorganização. Ressaltam nossas desigualdades imorais.

Sei que tais defeitos têm muito mais a autoria dos governantes e poderosos do que propriamente da massa que rala para produzir festas e riquezas. É assim desde que o senhor Cabral gritou: “Terra à vista.”

Mas há uma particularidade que me faz adorar ter nascido aqui. A vantagem de ser mestiça, independentemente da cor da minha pele e das minhas ascendências. Sinto que ao sabor da situação, escolho a minha cor.

Melhor ainda, não sou eu quem escolhe. É o DNA cultural quem o faz. Assim quando quero dançar, brincar, me transportar na alegria coletiva, opto por ser negra. Deixo que os tambores da África baixem em mim.

Evoco a resistência dos quilombos toda vez que a batalha me chama. Sou uma mulher negra na hora de conquistar com garra e inteligência espaços historicamente negados. Aí me torno peituda, abusada, insistente.

 quando quero transitar sem constrangimentos nos shoppings, passar sem alarme pelas portas dos bancos, entrar nos prédios sem questionários aplicados por porteiros, viro uma mulher branca. E flano altaneira com toda naturalidade.

É claro também, numa justa homenagem às verdadeiras donas da casa, me transformo em mulher indígena quando me encontro com a natureza e com os sentimentos pré-capital. Nos momentos em que ouço o que diz o vento e descubro para aonde vão as águas.

Essa mistura, a impureza racial, o almanaque de tradições e narrativas, a recusa em aceitar as desigualdades, são o que fazem eu gostar de ser brasileira. Gostar de ser uma branca com alma de preta.

Curto entrar no trem do metrô e ver o quanto encardidos somos. Um olho azul na pele morena. Um cabelo pixaim na pele branca. Olhos de índia na bisneta de uma polonesa. De repente, aí está a nossa força. O nosso passaporte carimbando o futuro.

Imagem: Régine Ferrandis.

 

 

 

Fonte: Yahoo

+ sobre o tema

Taxação dos super-ricos tem que ser encarada de frente, diz Neca Setubal

Maria Alice Setubal diz que não saiu ilesa daquele 2014....

Salário menor na advocacia é mais frequente entre mulheres e negros

A proporção de advogados na menor faixa salarial da...

Lei que implantou escola cívico-militar em SP fere modelo educacional previsto na Constituição, diz PFDC

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão...

para lembrar

Policial de folga mata adolescente após discussão em frente a escola

O corpo de um adolescente de 17 anos que...

Iniciativas dentro e fora dos partidos buscam fortalecer candidaturas negras

A onda de protestos antirracistas que se espalhou por...

Juventude negra e segurança pública

por Carlos Eduardo Dias Machado A carne ...

Lula assina lei que eleva pena para pedofilia e estupro

Fonte: UOL - Brasília - O presidente Luiz Inácio Lula...

Ação enviada ao STF pede inconstitucionalidade de escolas cívico-militares em SP

Promotores e defensores públicos encaminharam ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (5) um pedido para tornar inconstitucional a lei estadual que criou as...

Nova identidade tem CPF como número principal, QR code e abriga dados de outros documentos

O governo federal quer acelerar a corrida para digitalizar a identidade dos brasileiros. A nova CIN (Carteira de Identidade Nacional) representa o fim do RG e da impressão...

ONU pede que Brasil legalize aborto e denuncia ‘fundamentalismo religioso’

Alertando sobre o avanço do que chamou de "fundamentalismo religioso" no Brasil, um dos principais órgãos da ONU que lida com a situação da...
-+=