Realidade x Imaginário: o que é ser mulher na atualidade

Artigo produzido por Redação de Geledés

Cá estava eu refletindo sobre um maravilhoso artigo que acabei de ler, “Mulheres, vivências e mercado de trabalho”. A autora, Elisabete Vasconcelos, professora e Mestre em História, nos leva a refletir sobre a situação da sociedade patriarcal e os impactos que ela sobrepõe a situação de trabalho de mulheres.

Mas, é claro que, durante a fala dela, quando a autora menciona a mulher empreendedora de classe média ou baixa, negra e periférica, meus olhos ficaram vidrados e ávidos por soluções que sabemos que estão longe de alcançarmos.

Como eu disse, o artigo é incrível, a autora escreveu muito bem, trouxe dados estatísticos e nos apresenta um cenário que muitos conhecemos, mas que decidimos ignorar por ser mais conveniente, afinal, quem liga para a boleira, para a decoradora, para a manicure, para a designer? Quem liga para a faxineira, passadeira ou a “secretária do lar”?

Tivemos um exemplo bem claro que a vida dessas pessoas importam menos quando se fala em estatística, vide a doméstica que morreu porque a patroa estava infectada com um vírus contagioso, porém, não se permitiu ao luxo de fazer ela mesma os afazeres de casa, afinal, tempo para isso ela teria visto o tal isolamento.

Mas, em contrapartida, talvez ela nem se lembre como dar conta de suas coisas.

Não me leve a mal, todos precisam de emprego e não é pecado ter empregada, mas é necessário que se recorde com maior frequência que empregado é gente como você e que o que os diferencia na prática são os cargos, os salários, o bairro nobre ou o subúrbio e, é claro, a dignidade com a qual sobrevivem.

E quando há criança envolvida na realidade?

“Como assim, ‘fulana’ não tem com quem deixar o filho e vai precisar faltar no trabalho? Que absurdo!”.

Absurdo é ser julgado por ser obrigado a cuidar do bem-estar dos seus, sim, bem-estar, pois se em tempos de crise e isolamento a doméstica sai de casa, não é para passear e ao passo que se expõe à contaminação, expõe também aos seus familiares.

Eu poderia finalizar pedindo mais empatia, mas a palavra está ficando esgotada, então, termino com um sonoro: OLHE ALÉM DO SEU UMBIGO!

Quem sabe, assim, não damos mais um passo rumo à sociedade que eu acredito que mereço e quero acreditar que você também.

Até a próxima!

+ sobre o tema

para lembrar

Como a necropolítica e o coronavírus condenam o sistema carcerário

As políticas voltadas ao sistema carcerário são essenciais para...

Mulheres em isolamento: quando a própria casa é o espaço inseguro

A Justiça do RJ já registrou um aumento de...

Coronavírus: Racismo impede que alguns negros usem máscaras feitas em casa

A pandemia do novo coronavírus tem levado muitas pessoas...

Morreu Sarah Maldoror, pioneira do cinema africano

Morreu Sarah Maldoror, que ajudou a fazer renascer o...

Em meio à alta de casos de Covid, apenas 5,5% das crianças de 3 a 4 anos tomaram duas doses da vacina, diz Fiocruz

Apenas 5,5% das crianças de 3 a 4 anos receberam as duas doses da vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (16) pela Fundação...

As faces do isolamento social no Brasil

No primeiro trimestre do ano de 2020 em decorrência da pandemia gerada pela Covid-19 o Estado brasileiro, através das unidades federativas e seguindo as...

Veja como vai funcionar a vacinação de crianças contra Covid

O Ministério da Saúde incluiu nesta quarta-feira (5) crianças de 5 a 11 anos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19. Durante o anúncio,...
-+=