Revista da comunidade negra lança primeiro exemplar de 2011

Márcio Brown, idealizador da revista “A Nossa Cara Preta”

 

Um espaço para a comunidade negra se expressar e divulgar seus eventos. “E o que é mais importante, com uma linguagem fiel à periferia”, salienta Márcio Brown, idealizador da revista “A Nossa Cara Preta”, confeccionada pelos integrantes do grupo homônimo e que terá o primeiro exemplar de 2011 lançado na próxima semana.
No ano passado, foram publicadas três edições da revista. Neste ano, conta Brown, a publicação está prevista para sair a cada dois meses, com tiragem de mil exemplares, distribuídos em bancas, salões afros e outros endereços.
“Essa é uma das únicas ações dessa natureza em Sorocaba e região, que não conta com uma publicação produzida e consumida pela comunidade negra”, explica Brown.Uma das propostas é que a Secretaria de Cultura de Sorocaba (Secult) deixe os exemplares na biblioteca Vai-e-Vem para que outras pessoas também possam conhecer a revista.
“É uma revista para ser lida e produzida por toda a comunidade”, adianta Brown.Impressa com dinheiro de patrocínio, a revista teve em seus primeiros números uma preocupação maior em divulgar a cultura Hip Hop.
Tanto que no primeiro número os principais assuntos discutidos eram: “Fórum de Hip Hop do Interior 2010”, “Prêmio Cultura Hip Hop”, entre outras reportagens sobre o movimento.
Para esse ano, informa Brown, a intenção é dialogar com outras frentes e fazer um trabalho mais democrático.Brown reitera que a revista manterá um diálogo estreito com a comunidade da periferia e por isso até a linguagem se adaptará a isso, usando gírias e outras expressões. “”Tamo junto!”, “Tamo envolvido!”, são expressões periféricas, que representam as ideias e a linguagem do movimento, então tem que manter no texto”, defende Brown.
A primeira edição do ano, que vai às ruas na próxima semana, terá uma reportagem com o grupo sorocabano X4, que estão com projetos novos, entre eles um clipe que, em dois dias disponível na internet, atingiu mais de dois mil acessos. Outra reportagem é sobre o ícone Mano Brown, que está produzindo programa para a televisão.
Há também um material que fala sobre a nova ministra de Estado Chefe da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros, que assumiu a pasta no último mês.
Para saber mais sobre a revista e o movimento: http://nossacarapreta.blogspot.com.

+ sobre o tema

Bebê morre durante parto e família acusa médica de negligência em Mangaratiba, no Rio

Segundo mãe da criança, obstetra falava ao celular durante...

Amazônia: mulheres negras protagonizam a luta popular

O capitalismo patriarcal e machista é um dos indicativos...

Unegro promove campanha publicitária de combate ao racismo

A União de Negros pela Igualdade (Unegro) completou...

Se Eike Batista tivesse ouvido a dona Laurinda – Por: Fernanda Pompeu

Leio que Detroit, a cidade que aprendemos a...

para lembrar

spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=