Saberes ancestrais precisam estar nas estratégias climáticas

Povos tradicionais, indígenas, periféricos e quilombolas têm muito a contribuir

Como sabemos, ao longo dos anos o desenvolvimento predatório do capitalismo foi removendo comunidades e desmatando as florestas e outros biomas do Brasil. Mas as florestas e as cidades ainda abrigam uma diversidade imensa de povos tradicionais, indígenas, periféricos e quilombolas que desenvolveram conhecimentos que contribuem para a conservação dos biomas, produzem alimento e remédios e mantêm o clima equilibrado, garantindo a existência dos serviços ecossistêmicos dos territórios.

Presentes nos quintais, nas roças e em pequenos espaços urbanos que resistem ao concreto, estão os esforços empreendidos —sobretudo por mulheres negras de comunidades quilombolas, agricultoras, ribeirinhas e nas periferias das cidades— para manter a vida. Lideranças em diversos territórios, especialmente mulheres negras, vivem do artesanato, da agricultura familiar e da preservação do solo a partir de saberes historicamente usados para salvar vidas e adaptar formas de subsistência. Se hoje há floresta em pé, é porque comunidades desenvolveram tecnologias ancestrais e de sobrevivência.

Pensar em um meio ambiente saudável envolve, por exemplo, considerar como se colhe e se prepara a comida que vai à nossa mesa. As mulheres pantaneiras e chiquitanas entendem que o preparo da comida pode ser um ato de cuidar de seus territórios e do meio ambiente. Em encontros semanais, elas juntam retalhos para construir colchas e compartilham receitas com ingredientes locais que são passadas de geração em geração em suas famílias.

Já a Associação das Crioulas do Quilombo Branco de São Benedito desempenha um papel importante ao refletir e dialogar com os jovens da comunidade sobre o papel da colheita correta. Atua ainda na reciclagem sustentável, desenvolvendo, com esse trabalho, artesanato que gera renda para as famílias da comunidade.

Também a produção das roupas que vestimos pode ser feita em harmonia com o meio ambiente. A Casa Memória da Mulher Kalunga, que é um espaço de fortalecimento comunitário de mulheres quilombolas do território kalunga, em Goiás, desenvolve formas de confeccionar peças com a água do rio e de tingir o algodão com substratos de árvores e sementes.

Também nas cidades é possível utilizar conhecimentos ancestrais na preservação do ambiente. Um exemplo disso é a Cartilha de Metareciclagem produzida pelo Coletivo JACA, que considera a arte e o conhecimento científico como bens coletivos e dissemina conhecimentos ancestrais populares com o intuito de desenvolver as potencialidades da juventude negra periférica. Suas reflexões incluem temas como o descarte de resíduos eletrônicos e estratégias para combater o racismo ambiental quando faltam regulamentações ambientais.

Esse desenvolvimento tecnológico e essas ações políticas, porém, não são levadas em conta no desenho de políticas públicas. Sua ausência nas mesas de decisão é ainda mais gritante pelo fato de que, apesar de serem as comunidades tradicionais as que mais usam saberes históricos para manter a vida no seu território e no planeta, são justamente as mulheres negras, indígenas e periféricas —a base da pirâmide social — as mais impactadas pela crise climática.

Infelizmente, espaços como a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP28), que ocorrerá em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, na próxima semana, são liderados por pessoas brancas e não reconhecem a população afrodescendente e indígena como atores fundamentais na discussão de estratégias para que se garanta a segurança climática.

Em 2025, o Brasil receberá em Belém (PA), na Amazônia, a COP30. É fundamental que movimentos, organizações locais e comunidades quilombolas e indígenas sejam ouvidas na preparação da conferência.

A preservação de territórios, o respeito às tecnologias ancestrais e o desenvolvimento sustentável são cruciais para um país e um mundo mais equitativo e ambientalmente responsável. Em meio a desafios globais relacionados às mudanças climáticas e à preservação ambiental, as vozes e ações dessas comunidades tornam-se uma esperança e um exemplo a ser seguido.

Só teremos justiça climática com um debate sério sobre justiça racial e preservação da memória.

+ sobre o tema

Após anos de queda, taxa de homicídios volta a crescer em SP

Índice caía desde os anos 90, mas em 2012...

Motorista de ônibus discrimina passageiro catador de latinha no Rio

"Ele não tá errado, não. Ele está trabalhando e...

Diretor de escola ameaça suspender estudante por usar penteado afro

Uma estudante negra foi ameaçada de suspensão por um...

para lembrar

Do Racismo cordial ao Genocídio simbólico

Em setembro de 2012, após a chacina de seis...

Blogueira enumera as cinco cantadas racistas mais comuns

"Você é uma morena muito bonita." "Você tem os...

Apresentador é demitido após fazer comentário racista sobre Michelle Obama

Um apresentador de TV foi demitido nos Estados Unidos...

MPL nega ser o responsável pela queda da tarifa: “foi o povo”

O Movimento Passe Livre (MPL), que tem organizado...
spot_imgspot_img

Caça aos livros

Está aberta a temporada de caça aos livros no Brasil! Mas atenção. A perseguição restringe-se à indicação pedagógica de certas obras capazes de promover o debate e a...

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...
-+=