Sargento que gravou homens agonizando poderá ser expulso da PM

“A violência policial está fora de controle”, afirma advogado especialista em direitos humanos. O caso aconteceu no último mês de abril e, na época, o vídeo foi divulgado em uma página do Facebook que exalta a Polícia Militar de São Paulo

A Polícia Militar do Estado de São Paulo identificou o homem que teria gravado um vídeo que mostra dois suspeitos agonizando no chão, depois de serem alvejados por tiros disparados por policiais, no último mês de abril. Trata-se de um sargento do 29º Batalhão de Policiamento Militar Metropolitano.

Apesar do policial já ter sido identificado, o caso continua sendo investigado e pode acarretar ao sargento penas administrativas e até expulsão da corporação.

O vídeo foi divulgado no dia 8 de abril e, de acordo com a polícia, os três homens que aparecem agonizando no chão teriam tentado assaltar um caminhoneiro na Vila Curaçá, zona leste da capital. A PM foi acionada e teria se inciado uma troca de tiros entre as forças do Estado e os suspeitos. Dos três que aparecem agonizando nas imagens, um morreu.

Para Ariel de Castro Alves, advogado membro do Movimento Nacional de Direitos Humano e do grupo Tortura Nunca Mais, esse tipo de comportamento dos policiais, de filmar os alvos de sua violência, é uma forma de zombar da resolução que os proíbe de encostar nas vítimas.

“Desde o ano passado que se proliferam essas situações de policiais gravando vítimas agonizando. Esses comportamentos ocorrem como uma afronta à resolução da Secretaria de Segurança Pública (SSP), que impede os policiais de socorrer pessoas”, analisou Ariel. “Trata-se de uma conduta incompatível com a função dele”, adicionou.

A SSP implantou a norma no ano passado com o objetivo de preservar os locais dos crimes e garantir o atendimento adequado aos feridos.

O advogado acredita que esse tipo de atitude da polícia é uma “apologia ao crime” e que episódios assim vêm mostrando que “a violência policial está fora de controle”. Alves destaca ainda que a Polícia Militar é uma responsabilidade do Estado e que é ele quem precisa intervir nessa postura. “Próximo das eleições, o governo de São Paulo se mostra conivente com essas práticas”, afirmou.

O vídeo em que os policiais gravam os homens agonizando foi deletado pelos administradores da página no Facebook após a repercussão nas redes sociais, mas pode ser visto aqui.

 

Fonte: SpressoSP

+ sobre o tema

Novos emojis do iPhone fazem Apple ser acusada de racismo

A Apple está adicionando, ao iPhone, ao iPad e ao Mac, novos emojis que representem...

Assa-peixe

"Mas um punhado de folhas sagradas pra me curar,...

Quem vai protestar contra o assassinato de inocentes na Favela da Maré?

Polícia admite que inocentes morreram na Favela da Maré....

para lembrar

França: Discriminação de deputado franco-angolano choca comunidade lusófona

O episódio na Assembleia Nacional onde um deputado da...

Estudantes acusam professor da UFF de machismo e injúria racial

Duas alunas da Universidade Federal Fluminense (UFF) relatam ter...

Kanye West quer abandonar os EUA por causa do racismo

  Kanye West e o racismo Após...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=