Sargento que gravou homens agonizando poderá ser expulso da PM

“A violência policial está fora de controle”, afirma advogado especialista em direitos humanos. O caso aconteceu no último mês de abril e, na época, o vídeo foi divulgado em uma página do Facebook que exalta a Polícia Militar de São Paulo

A Polícia Militar do Estado de São Paulo identificou o homem que teria gravado um vídeo que mostra dois suspeitos agonizando no chão, depois de serem alvejados por tiros disparados por policiais, no último mês de abril. Trata-se de um sargento do 29º Batalhão de Policiamento Militar Metropolitano.

Apesar do policial já ter sido identificado, o caso continua sendo investigado e pode acarretar ao sargento penas administrativas e até expulsão da corporação.

O vídeo foi divulgado no dia 8 de abril e, de acordo com a polícia, os três homens que aparecem agonizando no chão teriam tentado assaltar um caminhoneiro na Vila Curaçá, zona leste da capital. A PM foi acionada e teria se inciado uma troca de tiros entre as forças do Estado e os suspeitos. Dos três que aparecem agonizando nas imagens, um morreu.

Para Ariel de Castro Alves, advogado membro do Movimento Nacional de Direitos Humano e do grupo Tortura Nunca Mais, esse tipo de comportamento dos policiais, de filmar os alvos de sua violência, é uma forma de zombar da resolução que os proíbe de encostar nas vítimas.

“Desde o ano passado que se proliferam essas situações de policiais gravando vítimas agonizando. Esses comportamentos ocorrem como uma afronta à resolução da Secretaria de Segurança Pública (SSP), que impede os policiais de socorrer pessoas”, analisou Ariel. “Trata-se de uma conduta incompatível com a função dele”, adicionou.

A SSP implantou a norma no ano passado com o objetivo de preservar os locais dos crimes e garantir o atendimento adequado aos feridos.

O advogado acredita que esse tipo de atitude da polícia é uma “apologia ao crime” e que episódios assim vêm mostrando que “a violência policial está fora de controle”. Alves destaca ainda que a Polícia Militar é uma responsabilidade do Estado e que é ele quem precisa intervir nessa postura. “Próximo das eleições, o governo de São Paulo se mostra conivente com essas práticas”, afirmou.

O vídeo em que os policiais gravam os homens agonizando foi deletado pelos administradores da página no Facebook após a repercussão nas redes sociais, mas pode ser visto aqui.

 

Fonte: SpressoSP

+ sobre o tema

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

Nota de esclarecimento GRCSES VAI-VAI

Em 2024, a escola de samba Vai-Vai levou para...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO),...

para lembrar

OAB e Anistia Internacional criticam prisões de manifestantes no Rio

FABIO BRISOLLA LUCAS VETTORAZZO  A advogada Eloisa Samy foi uma das...

Justiça de São Paulo manda libertar PM que matou ambulante na Lapa

O Tribunal de Justiça de São Paulo de São Paulo concedeu...
spot_imgspot_img

Após vítima de agressão ser detida, motoboys fazem ato contra o racismo no RS

Após um homem negro ser ferido com uma faca e preso por policiais, o Sindicato dos Motoboys de Porto Alegre, no Rio Grande do...

Abordagem a homem negro no RS: o que se sabe sobre motoboy preso após ser ferido com faca, em Porto Alegre

Uma abordagem policial acabou com um homem negro detido, neste sábado, após denunciar ter sido ferido com faca por um idoso de pele branca, em...

Valores de sociedades tradicionais africanas são imprescindíveis para educar e humanizar

"Coube ao Ocidente avançar na militarização e na tecnologia, mas caberá à África humanizar o mundo." Pode-se dizer que a frase de Nelson Mandela, registrada...
-+=