Senado americano já discute proposta para substituir o Obamacare

Senadores republicanos apresentaram nessa segunda-feira (23) uma proposta para substituir o Obamacre, o plano de assistência médica aprovado pelo ex-presidente Barack Obama. De acordo com os senadores  Bill Cassidy, de Louisiana, e Susan Collins, de Maine, autores da proposta, o novo plano prevê que os estados, e não o governo federal, devem passar a cuidar das políticas de saúde. O objetivo da proposta é tornar os planos de saúde acessíveis a milhões de famílias americanas ainda não cobertas por assistência médica.

Por José Romildo, da Agência Brasil

O Obamacare é uma lei de cuidados de saúde acessíveis às famílias de baixa renda, que se tornou um ponto de discordância do eleitorado norte-americano durante as últimas eleições. O então candidato Donald Trump criticou duramente a lei e prometeu revogá-la se ganhasse as eleições. Antes da posse de Trump, o Senado e a Câmara dos Deputados se adiantaram e aprovaram o início do processo de desmantelamento do Obamacare, apesar das preocupações dos parlamentares com o fato de não haver ainda um projeto para substituir a lei.

Instabilidade nos mercados

Embora a intenção seja aprovar um plano superior ao Obamacare, os senadores estão porém com receio de criar uma instabilidade nos mercados de seguros de saúde dos Estados Unidos. Se houver uma instabilidade, os resultados seriam contrários ao desejado pelos autores da proposta, uma vez que, em vez de melhorar a situação da assistência médica das famílias norte-americanas, o sistema provocaria uma situação em que milhões de pessoas teriam a cobertura interrompida ou retirada.

A senadora Susan Collins disse que os republicanos não devem revogar as partes principais do Obamacare até que tenham certeza sobre o que querem colocar no lugar. Ela chamou a atenção dos parlamentares de seu partido para que não deixem “lacunas desnecessárias e evitáveis na cobertura” do sistema de saúde, que possam trazer prejuízos aos pacientes.

Susan Collins informou que a proposta encaminhada ontem é “ainda é um trabalho em andamento”. Disse esperar que os senadores possam melhorar o plano. “Estamos completamente abertos a isso”, afirmou. Ela chamou a atenção, no entanto, para o prazo das modificações a serem feitas. “Se não colocarmos uma legislação específica sobre a mesa que possa ser debatida, refinada, alterada e promulgada, então falharemos [em relação] à expectativa do povo americano”, afirmou.

+ sobre o tema

Lewandowski apresentará normas para uso de câmeras corporais por policiais

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Ricardo...

Defensoria Pública de SP recorre ao STF contra flexibilização nas câmeras corporais na PM

A Defensoria Pública do estado de São Paulo entrou...

Imposto de renda: como apoiar projetos sociais na sua declaração

Pouca gente sabe, mas parte do seu imposto de renda devido...

para lembrar

Domenico De Masi: Lula é o mais importante líder político do mundo

O sociólogo italiano esteve com o ex-presidente em Curitiba...

Marina Silva defende veto à reforma do Código Florestal

A presidenciável do PV, senadora Marina Silva, voltou a...

Justiceiros pró-impeachment tentam linchar menor em Copacabana

Manifestantes pró-impeachment de Copacabana no último domingo tentam espancar...

Brasil investe pouco em prevenção de desastres

Separada por duas ruas da margem do rio dos Sinos, a casa onde mora Ana Carolina Dutra da Silva, em São Leopoldo (RS), tem...

Ações para a cidadania

Testemunhamos casos de guerras, violências, feminicídios e racismo diariamente. Em quase todos eles, inúmeras vozes nas redes sociais prontamente assumem posicionamentos com verdades absolutas...

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram preocupação com o novo edital para contratação de 12 mil câmeras corporais para a Polícia...
-+=