Senado discute participação mínima de mulheres em conselhos de empresas públicas

Brasília – Senadores, representantes de empresas privadas e especialistas em gestão discutiram hoje (24) mudanças no Projeto de Lei (PL) 112/2010, que pretende definir participação mínima de mulheres em conselhos de empresas públicas, sociedades de economia mista, ou controladas pela União. Em audiência pública no Senado, foi proposta a extensão dessa participação para empresas privadas.

Por: Carolina Sarres

No caso do serviço público, o percentual mínimo de mulheres em conselhos seria obrigatório. Para as empresas privadas, deverá ser opcional.

Caso seja aprovado, o projeto propõe que, até 2016, 10% do conselho administrativo das empresas públicas sejam ocupados por mulheres, percentual que irá aumentando. Em 2020 chegaria a 18%, em 2022 a 20%, e em 2030 alcançará 40%.

“Hoje talvez não haja contingente de mulheres para ocupar esses postos. Se o projeto entrar em vigor, no entanto, haverá prazo de dez anos para que essas mulheres sejam capacitadas”, disse a superintendente do Instituto Brasileiro de Governança Global, Heloísa Bedicks.

O projeto de lei já havia passado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) no Senado e chegou a ser discutido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) com caráter terminativo. Foram identificadas lacunas no projeto, que voltou a ser debatido na Comissão de Assuntos Sociais.

O PL não esclarece se as mulheres membros do conselho devem ser titulares ou suplentes, tampouco prevê punições caso o percentual mínimo não seja respeitado. As alterações estão a cargo do senador João Vicente Claudino (PTB-PI).

O projeto ainda deve voltar a CCJ, depois das alterações propostas na audiência, para então ir a plenário e seguir para a Câmara.

 

 

Fonte: Agência Brasil 

+ sobre o tema

A violência dentro da corporação: mulheres policiais relatam assédio moral e sexual

Em janeiro veio o primeiro assédio. “Quando eu estava...

Cerca de 60% das mulheres na Europa já sofreram sexismo no trabalho, diz pesquisa

Ainda de acordo com a pesquisa, 11% das entrevistadas...

Cardeal Turkson defende que homossexualidade é crime

Tido como um dos candidatos favoritos a suceder o...

para lembrar

Primeiras-damas ou damas decorativas com pimentões?

O banal programa para as esposas dos líderes na...

Curso de ‘desaprincesamento’ está empoderando meninas no Chile

Quem convive com crianças pequenas já está acostumado com...

A vida como não deveria ser

- Mamãe! Mamãe!- Que é minha filha?“- Nós não...
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=