Como a falta de mulheres negras na inovação pode aumentar a desigualdade social

Com equipes formadas predominantemente por homens brancos, a área da tecnologia ainda é um setor que parece quase fechado à diversidade.

Do Hypeness

Mulheres são minoria e mulheres negras ou indígenas são praticamente invisibilizadas no campo, como aponta uma pesquisa realizada pelo Olabi, uma organização que busca democratizar a produção tecnológica em prol da diversidade.

Para alertar sobre o tema, a instituição lançou o estudo Pretalab. São entrevistas, dados e vídeos que mostram o panorama excludente do setor bem aqui no Brasil, um país em que metade da população é negra. Seria difícil de acreditar se não percebêssemos essa realidade todos os dias, né?

Foram reunidas 570 histórias de mulheres negras e indígenas entre 17 e 67 que trabalham com tecnologia nas cinco regiões do país. Entre elas, o machismo e o racismo sofrido já se tornaram rotina e a dificuldade de acesso a meios formais de educação parece ser uma constante.

Foto: Safira Moreira/Olabi

Só 22% das entrevistadas começou a trabalhar com tecnologia por meio de uma instituição formal de ensino – como escolas ou universidades. Em compensação, mais da metade delas acredita que a internet e grupos informais de apoio são a melhor maneira de aprender sobre a área.

Quase tudo relacionado a esse campo é caro, em inglês e são raras as políticas (públicas ou privadas) destinadas ao nosso ingresso e permanência nesses espaços. A falta de referência é outro fator determinante: se ser uma mulher nas tecnologias já é um desafio, imagina para nós, negras. A ausência de referências positivas sobre mulheres negras e indígenas é uma questão social que perpassa não apenas o mundo das tecnologias, mas os mais variados campos profissionais e de poder”, lembra Silvana Bahia, diretora do Olabi e coordenadora do Pretalab.

Silvana Bahia, diretora de projetos do Olabi e coordenadora do PretaLab. Foto: Safira Moreira/Olabi

Sem referências ou estímulo e encarando dificuldades na hora da contratação devido ao preconceito, as mulheres negras poderiam ser deixadas de fora do campo tecnológico, mas se recusam a aceitar esse tipo de segregação. Em um tempo em que os aplicativos refletem as mais diversas necessidades de nosso dia a dia, deixar uma parcela da população de fora destas decisões não é só discriminatório, mas perigoso.

Espia só o teaser do projeto no vídeo abaixo e clica aqui para ver a pesquisa na íntegra.

 

+ sobre o tema

Uma Assembleia de Mulheres se faz com milhares de vozes

O canto das mulheres agricultoras do Malawi, país localizado...

Musas das comunidades roubam a cena, ganham visibilidade nas escolas e sonham em posto de rainha

Elas são lindas, carismáticas e, claro, arrasam quando o...

A jornada contra o racismo de uma mulher negra nascida na elite da Bahia

Nasci em Salvador, na Bahia, tenho 34 anos e...

Cabelos crespos ganham protagonismo em projeto fotográfico que combate racismo

Responder às palavras racistas com a beleza do cabelo...

para lembrar

O vocabulário feminista que todos já deveriam estar dominando em 2017

O que é sororidade? E cultura do estupro? Solucionamos...

Turista brasileira é sequestrada e torturada na Austrália

Enfermeira de 23 anos e uma amiga alemã dizem...

Ananda Hilgert: Em busca de novos apelidos para a vagina

VAGINA NÃO É BACALHAU por Ananda Hilgert, no Noo, sugerido...

Carol Dartora, 1ª vereadora negra de Curitiba, recebe ameaça de morte

A 1ª mulher negra eleita vereadora de Curitiba, Carol...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=