Sisu: Para MEC, rodada única aprimora sistema de seleção

Maria Paula Dallari Bucci, secretária de Educação Superior do MEC, diz que Sisu será mais ágil agora

Principal queixa dos reitores era o atraso no início das aulas em razão das convocações tardias de candidatos

 

 

Se toda instituição aprimora seu vestibular anualmente é normal que a segunda edição do Sisu também venha com alterações. Quem diz isso é Maria Paula Dallari Bucci, secretária de Educação Superior do MEC (Ministério da Educação).

A principal alteração é ter apenas uma rodada, em vez das três da primeira edição do sistema. Consultados pela Folha, alguns pró-reitores de graduação de instituições que aderiram novamente ao sistema reclamaram da demora nas convocações após o Sisu do início do ano.
A crítica foi confirmada por Maria Paula e motivou a mudança no sistema, que deve encurtar o processo de convocações e acelerar o procedimento de chamada e matrícula. Veja trechos da entrevista exclusiva a seguir.

Folha – Transformar o Sisu em rodada única visa acelerar o processo, por se tratar do vestibular de meio de ano, ou veio em resposta a críticas das universidades?
Maria Paula Dallari Bucci-
É normal que um processo dessa magnitude sofra aprimoramentos. Aliás, até nos vestibulares das instituições, e a gente tem convivido com eles de perto, há uma série de alterações. Isso é normal.

Então era uma crítica?
A principal crítica das instituições era em relação ao adiamento do calendário [com a remarcação do Enem para dezembro, as convocações pelo Sisu foram adiadas]. É uma solução para encurtar a duração do processo.
E para usar melhor o que foi a grande inovação do processo, que é a lista de espera.
Concentrando as três etapas de inscrição em uma só, a gente antecipa o momento de uso da lista de classificação e da lista de espera. Essa lista é o maior instrumento para eliminar vagas ociosas.

O Sisu é capaz de selecionar alunos tão bem preparados quanto exames tradicionais?
Temos alunos mais preparados. Isso me foi dito pelo fórum de pró-reitores de graduação. O fórum colheu as opiniões dos pró-reitores e eles acham que o projeto é muito bom. É um aluno mais envolvido, tem mais capacidade de leitura, de compreensão. Além disso, o Sisu aumentou a visibilidade dos cursos, aumentou a procura por cursos que não eram conhecidos e aumentou as notas de ingresso em geral.

Para o próximo Sisu, serão aceitas as edições 2009 e 2010 do Enem?
É cedo para falar do próximo Sisu. Vamos esperar rodar esse aqui. Aí vamos fazer um balanço e decidir em conjunto com as instituições.

Tanto o Sisu quanto o Reuni -programa do governo federal de expansão das universidades federais-, que são iniciativas do governo federal, ao mesmo tempo em que aumentaram a mobilidade estudantil, trouxeram especulação imobiliária aos arredores das instituições. Isso faz com que o aluno tenha mais dificuldades para se estabelecer. O MEC está atento a isso?
Está. Tanto que ele dobrou o recurso para assistência estudantil. Hoje o programa, que é novo, tem recursos de R$ 300 milhões. O fato de que o estudante tem muitas opções é uma coisa a ser comemorada. (PG)

Fonte: Folha de São Paulo


+ sobre o tema

Fuvest divulga prova e gabarito da primeira fase do vestibular

Exame foi aplicado neste domingo (28). Lista de aprovados será...

STJ suspende todas liminares do Enem e Sisu

As liminares concedidas em todo o país garantindo...

Cai qualidade das escolas estaduais do Grande ABC

Por: Camila Galvez     O Idesp (Índice de Desenvolvimento da Educação...

Sancionada lei que prevê apoio a indígenas na educação superior

O apoio ao acesso de povos indígenas ao ensino...

para lembrar

Projeto leva carimbós a alunos da rede pública

A Amazônia é quase uma entidade. Estende-se por...

Prazo para pedir correção invertida do Enem termina nesta sexta-feira

Sistema ficará no ar até as 23h59. Cabeçalhos do...

ProUni encerra inscrições nesta terça para 123 mil bolsas de estudo

Programa oferece mais de 123 mil bolsas em universidades...
spot_imgspot_img

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...
-+=