Spike Lee critica ausência de negros no poder na Bahia

João Pedro Pitombo

Na área externa da sede da Prefeitura de Salvador, duas câmeras apontam suas lentes em direção à Baía de Todos-os-Santos. De pé, ladeado por uma equipe formada por 25 profissionais, o cineasta norte-americano Spike Lee olha em direção ao mar. Mas seu olhar vai além do belo cenário captado no segundo plano pelas câmeras.

Seu interesse está no vereador Sílvio Humberto (PSB), fundador do Instituto Steve Biko e um dos poucos representantes do movimento negro na Câmara Municipal de Salvador.

Sentado num dos bancos da varanda do paço municipal, Sílvio é surpreendido já na primeira pergunta: por que Salvador, cidade de população predominantemente negra, nunca teve um prefeito, governador ou senadores negros?

“Ele achou absurdo o fato da diversidade racial do Brasil não se refletir também nas estruturas de poder. Isso mostra um racismo estrutural na sociedade brasileira”, contou o vereador Sílvio Humberto, que cumpre o primeiro mandato na Câmara.

Captando imagens e entrevistas para o documentário Go, Brazil, Go, Spike Lee veio à Bahia para discutir a questão racial. O filme, que tem previsão de entrar no próximo ano, no festival de Cannes, na França, tem como foco central o atual cenário de avanços do país e protagonismo brasileiro no panorama internacional. Mas também pretende mergulhar a fundo nas contradições de um país que tem como principal marca a diversidade de raças.

Entrevistas – Desde a sexta-feira, 8, em Salvador, o cineasta já entrevistou e vai entrevistar artistas como Margareth Menezes, Carlinhos Brown e Ivete Sangalo, o presidente do Olodum, João Jorge, o governador Jaques Wagner e o prefeito ACM Neto (DEM), que conversou ontem com o cineasta por cerca de 40 minutos. Na conversa com o prefeito, mais discussão sobre a questão racial na capital baiana.

“O documentário vem em boa hora porque vai mostrar um problema que existe, mas vai mostrar também que existem providências que estão sendo adotadas pela prefeitura e pelo governo. Mostramos que esta é uma questão cada vez mais tratada com seriedade”, disse Neto ao sair da entrevista com o  responsável por filmes clássicos como  Faça a Coisa Certa  e Febre da Selva.

Carnaval – Como pano de fundo da captação de imagens do filme em Salvador, está o Carnaval baiano. Para o vereador Sílvio Humberto, um cenário perfeito para discutir a segregação da sociedade baiana, que reflete em seus circuitos carnavalescos uma divisão de classes que se espelha na divisão racial.

“O Carnaval é um reflexo do que temos na sociedade. Os brancos ficam em cima, nos seus camarotes ou protegidos pelos blocos e os negros ficam embaixo, segurando as cordas”, critica.

O prefeito ACM Neto, por sua vez, garantiu que a partir do próximo ano, Salvador terá um Carnaval mais plural, com espaços para os diversos setores da sociedade. “Vamos democratizar a participação de vários movimentos nas ruas, nos momentos mais importantes, nos momentos de maior glamour do Carnaval. A festa não pode ser apenas de certos grupos que economicamente têm resultados. O Carnaval tem que ser de todos os baianos”, afirmou.

Esta não é a primeira vez que Spike Lee vêm à Bahia. Em 1996, ele dirigiu a gravação do videoclipe da música They Don’t Care About Us, de Michael Jackson. Na ocasião foram feitas imagens do artista cantando junto com o Olodum, no Pelourinho. Para as gravações de Go, Brazil, Go, a equipe dirigida por Spike Lee deve visitar ainda os bairros do Pelourinho, Itapuã e Liberdade – todos eles marcados por forte influência da cultura negra.

 

Fonte: A Tarde

+ sobre o tema

Convenção para a prevenção e a repressão do crime de genocídio (1948)*

As Partes Contratantes, Considerando que a Assembléia Geral da Organização...

Freud explica a ação dos justiceiros?

  Ana Cassia Maturano   Um homem acusado...

Secretário é acusado de cometer injúria racial contra servidora durante reunião com vereadores

“Aquela mais escurinha” foi o termo utilizado pelo secretário...

para lembrar

A violência policial contra a juventude negra de Pernambuco, por Laércio Portela

A violência policial contra a juventude negra de Pernambuco...

Branquitude acrítica: sem tempo, irmão

Não é de hoje a quantidade de mensagens, perguntas,...
spot_imgspot_img

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...
-+=