Superior Tribunal Militar julga recurso de condenados pela morte do músico Evaldo Rosa e do catador de latinhas Luciano Macedo, no RJ

Enviado por / FonteG1, por Bruna Yamaguti

Mais de 257 tiros foram disparados contra carro de Evaldo; caso foi em abril de 2019, em Guadalupe, no Rio de Janeiro. Defesa dos militares afirma que eles agiram em legítima defesa.

O Superior Tribunal Militar (STM), em Brasília, julga nesta nesta quinta-feira (29) um recurso contra a condenação de oito militares do Exército pelas mortes do músico Evaldo Rosa e do catador de latinhas Luciano Macedoem abril de 2019, em Guadalupe, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Evaldo e Luciano foram baleados quando o grupo disparou um total de 257 tiros contra o carro onde estava a família do músico (veja detalhes mais abaixo)Em 2021, oito militares foram condenados pelas mortes, mas o caso chegou ao STM após um pedido da defesa dos militares, que afirma que eles agiram em legítima defesa.

Apesar de a sentença ter determinado a expulsão dos militares do Exército, os réus respondem em liberdade e puderam permanecer em seus cargos até o julgamento do recurso, nesta quinta-feira.

O STM é a última instância para recursos dentro da Justiça Militar. No total, 14 ministros — civis e militares — compõem o Tribunal. Após o julgamento, a defesa ainda poderá recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Família ia para ‘Chá de Bebê’milita

Cinco pessoas estavam no carro alvejado pelos militares e iam para um chá de bebê. O sogro do músico Evaldo foi hospitalizado após ser baleado. A esposa, o filho de 7 anos do casal, e uma mulher que também estava no veículo não se feriram.

O catador de latinhas Luciano Macedo, que passava no local, ficou ferido ao tentar ajudar. Ele morreu 11 dias depois, no hospital.

Segundo a perícia, 62 tiros perfuraram o veículo de Evaldo e nove projéteis atingiram o músico, que morreu na hora.

Condenações

Em depoimento, os militares disseram que perseguiam bandidos e que confundiram o carro. As penas aplicadas em 2021 foram as seguintes:

  • Tenente Ítalo da Silva Nunes que chefiava a ação: condenado a 31 anos e 6 meses
  • Outros sete militares: pena de 28 anos cada um

Durante o julgamento, a Justiça Militar absolveu outros quatro militares que também estavam na ação. Os 12 denunciados pelo Ministério Público Militar foram absolvidos do crime de omissão de socorro.

+ sobre o tema

Concurso unificado: saiba o que o candidato pode e não pode levar

A 20 dias da realização do Concurso Público Nacional...

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente...

Show de Ludmilla no Coachella tem anúncio de Beyoncé e beijo em Brunna Gonçalves; veja como foi

Os fãs de Ludmilla já estavam em polvorosa nas redes sociais...

Geledés faz em Santiago evento paralelo para discutir enfrentamento ao racismo nos ODS

Geledés - Instituto da Mulher Negra realiza, de forma...

para lembrar

PM divulga nota sobre mulher espancada dentro de ônibus

Vídeo flagrou o momento em que um policial militar...

Segunda mãe: “Matando, esculachando, batendo, xingando, forjando”

Por Tatiana Merlino, do Rio de Janeiro, especial para...

O que o racismo tem a ver com a violência policial?

Por: Monique evelle Preciso reforçar o quanto 2014 começou f*da!...

Polícia brasileira matou mais em 5 anos do que a dos EUA em 30

NO BRASIL, SEIS PESSOAS SÃO MORTAS DIARIAMENTE POR POLICIAIS,...
spot_imgspot_img

Instituto Odara lança dossiê sobre a letalidade policial que atinge crianças negras na Bahia

O Odara - Instituto da Mulher Negra torna público o documento “Quem vai contar os corpos?”: Dossiê sobre as mortes de crianças negras como consequência...

PM que agrediu mulher no Metrô disse que ela tinha de apanhar como homem, afirma advogada

A operadora de telemarketing Tauane de Mello Queiroz, 26, que foi agredida por um policial militar com um tapa no rosto na estação da Luz do Metrô de São...

“Perda de aulas por tiroteios na Maré agrava desigualdade”

Desde 2014 à frente da editora Caixote, a jornalista e escritora carioca Isabel Malzoni mergulhou no universo das violências sofridas por crianças e adolescentes que moram no complexo...
-+=