segunda-feira, janeiro 25, 2021

Tag: lésbica

Pesquisadoras estiveram em Sorocaba (SP) para alertar sobre lesbocídio — Foto: Carlos Dias/G1

Dossiê sobre ‘lesbocídio’ aponta que SP é o estado que mais registra morte de lésbicas

Trabalho foi apresentado em Sorocaba (SP), durante palestra sobre 'invisibilidade de mortes de lésbicas no país'. Segundo as pesquisadoras, foram contabilizados 110 'lesbocídios' no país até agosto deste ano. Por Ana Beatriz Serafim* no G1 Pesquisadoras estiveram em Sorocaba (SP) para alertar sobre lesbocídio — Foto: Carlos Dias/G1 "Vocês fazem parte de uma população que está morrendo. São Paulo é o estado que mais mata lésbicas no Brasil." O alerta foi dado a uma plateia formada por cerca de 20 pessoas, a grande maioria mulheres, durante a apresentação de dados sobre mortes violentas de lésbicas no Brasil. A reportagem do G1 acompanhou as pesquisadoras Suane Felippe Soares e Milena Cristina Carneiro Peres, que estiveram no Sesc de Sorocaba (SP) para apresentar o dossiê “Lesbocídio – As histórias que ninguém conta”, primeira pesquisa do país que resgata informações de mulheres vítimas de "lesbocídio" - termo adotado para ...

Leia mais

Câmara do Rio de Janeiro rejeita projeto pela visibilidade lésbica

De autoria da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), o projeto foi construído com os movimentos e as coletivas de mulheres Por Camila Marins, do Brasil de Fato   Visibilidade lésbica foi tema de debate público na Câmara de Vereadores no mês passado, mas proposta foi rejeitada pelo Plenário da Casa / Ascom   Por 19 votos a 17, foi rejeitado na Câmara de Vereadores, na última quarta-feira (16), o projeto de lei que inclui o dia da visibilidade lésbica no calendário oficial do Rio de Janeiro. De autoria da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), o projeto foi construído com os movimentos e as coletivas de mulheres organizadas na Frente Lésbica do Rio de Janeiro. A rejeição acontece no mês da visibilidade lésbica, já que a data de 29 de Agosto foi eleita por militantes lésbicas brasileiras, durante o 1° Seminário Nacional de Lésbicas (Senale), em 1996, como o dia da visibilidade lésbica. Para Marielle, a não aprovação ...

Leia mais

“Se para você ela é só lésbica, o problema é seu”

Entre os carros alegóricos, cartazes e cânticos que inundavam as ruas de Madri no último fim de semana, uma camiseta levou o prêmio de melhor mensagem. Era branca com letras pretas, pouco chamativa entre tantas cores e bandeiras de arco-íris. Mas seu trocadilho conseguiu chamar a atenção de um tuiteiro (@juancarlosmohr) que a publicou em sua conta do Twitter. no El País Em dois dias, a foto da camiseta foi compartilhada mais de 18.000 vezes e recebeu mais de 30.000 likes. Se você só ficou com as letras maiores e com a ideia de que a filha dele é lésbica, aqui vai a mensagem completa. E preste atenção nas letras miúdas. “Minha filha é inteligente, divertida, simpática, bonita, estudiosa, cheia de inquietações, risonha, agradecida, carinhosa, atenciosa, familiar, extrovertida e especial. O problema é seu se para você ela é só lésbica” A camiseta foi desenhada por Claudia Álvarez, conhecida como ...

Leia mais

‘Sei que sou lésbica desde os 11 anos. Aos 14 anos, quis experimentar transar com homens. Fui estuprada’

Fechei os olhos e pedi pra Deus que acabasse logo. Falei que estava doendo, e ele disse que, se eu não relaxasse, ia doer mesmo’ no AzMina “Sou lésbica, e sei disso desde meus 11 anos. Mas aos 14 anos, comecei a questionar minha sexualidade, visto que nunca tinha tido relação com homens. Então resolvi experimentar. Tinha um amigo do terceiro ano do ensino médio, 17 anos, que tinha um crush em mim e logo se ofereceu para fazer parte dessa ‘descoberta’. Achei que, como éramos amigos, seria fácil lidar com aquilo. Combinamos um dia e ele foi lá em casa, transamos e foi ruim. Não senti nada além de dor. Pensei ‘ok, tenho certeza que não quero isso nunca mais’. Mas acho que ele não se conformou. Tentei seguir a amizade numa boa e achei que estava dando certo. Um dia, ele me chamou para dar um rolê na praça, ...

Leia mais

Casal sofre homofobia de segurança do Museu Paranaense e são colocadas para fora

Um casal de mulheres decidiu visitar o acervo do Museu Paranaense, que fica no Alto São Francisco, em Curitiba, no domingo de Páscoa, por volta do meio dia. Ao entrar no museu, o casal trocou um beijo e prontamente foi repreendido por um dos seguranças que estava no local. A denúncia foi feita por Letícia na página do Museu no Facebook. A assessoria do estabelecimento se retratou e disse que vai tomar as medidas cabíveis. no Revista Lado A Leticia conta que a resposta do segurança foi homofóbica e que ele disse que as duas não poderiam demonstrar o amor que sentiam dentro do museu: “Um guarda se aproximou e disse que ‘se vocês quiserem namorar, tem que ser lá fora, pois tem crianças aqui.’ Ele continuou dizendo: ‘Vocês estão me constrangendo também. Se vocês acham que eu tô errado, a polícia está ali fora’. As duas saíram imediatamente do ...

Leia mais

Mulher relata caso de homofobia dentro do CCBB: ‘Fora lésbica’

Visitante era namorado de funcionária do espaço e casal foi ofendido e intimidado pelo homem. Instituição sofreu enxurrada de críticas Fonte: O Dia Rio - Um caso de homofobia ocorrido dentro do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), no Centro do Rio, está causando revolta na internet. Segundo uma mulher, que estava acompanhada da namorada, um homem escreveu em um espaço interativo, reservado para crianças na exposição Mondrian, "Fora Lésbica", para intimidar e ofender o casal. Antes disso, o homem, que seria namorado de uma funcionária do CCBB, também escreveu "Meu p...". Na postagem feita por uma das vítimas do insulto na página do centro cultural, ela afirma que a funcionária estava acompanhando o homem e ria a todo momento da situação. Até as 15h, a publicação tinha mais de 35 mil curtidas e 8,2 mil compartilhamentos. "Fui ao banheiro e já ia embora. Passamos em frente a sala das crianças ...

Leia mais

Mulher, negra e lésbica: Conheça MC Luana Hansen e seu rap feminista

Desde sempre, a cultura do hip hop tem um caráter libertário muito forte. No Brasil, as vozes do rap sempre colocaram suas rimas em favor do protesto, em prol da luta pelos direitos da população negra e periférica. Só que o grito por respeito infelizmente anda de mãos dadas com a opressão. Ser mulher no hip hop não é tarefa fácil, como já falou abertamente a empresária Eliane Dias, produtora dos Racionais MC's e esposa de Mano Brown. Do 24Horas "Num movimento machista como esse, quando se é mulher aí já fica tenso. Agora ser mulher feminista e lésbica é viver pisando em ovos. É luta constante pra se fazer visível, se fazer respeitada", diz Luana Hansen, rapper paulistana que é hoje uma importante voz combativa dentro do hip hop nacional. Aos 35 anos, Luana já tem 16 de carreira e dedica sua música ao protesto de cunho feminista, negro ...

Leia mais
Young family with baby boy

Ser mãe e lésbica é ser invisível duas vezes

Dia 29 de Agosto, celebra-se o Dia Nacional da Visibilidade Lésbica. E cada vez mais se faz importante que as mulheres lésbicas, que têm suas existências censuradas até na literatura, reivindiquem visibilidade. Por Natacha Orestes, do HuffPost Brasil Afinal, censura literária é metáfora pra censura histórica. Não à toa os livros da autora lésbica Cassandra Rios foram todos retirados de circulação na época da ditadura militar. São poucos os registros de literatura das mulheres que quebraram as regras do "heteropatriarcado" e afirmaram com orgulho sua sexualidade. Temos registro de Safo de Lesbos, de onde se originou a definição da palavra "lésbica", e algumas simbologias próprias como "As Amazonas" aqui no Brasil. Mas o acesso a estas informações é escasso. Isso não é uma coincidência infeliz, mas consequência de um projeto político inquisitório que começou com a materialidade dos corpos do sexo feminino queimados nas fogueiras da inquisição (o que acontece até hoje, inclusive no ...

Leia mais

Do luto à luta: não esqueceremos Luana Barbosa dos Reis, morta por PMs em Ribeirão Preto

LUANA  DOS REIS, PRESENTE ! Hoje completa 6 dias desde a  morte de Luana Barbosa dos Reis. Ela, mulher lésbica-mãe-preta-periférica, de Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Seis dias que sua vida foi roubada por polícias militares da cidade de Ribeirão Preto.  Sete dias que a dor e a indignação em busca de justiça se somaram, tornando combustível de luta para que  morte de Luana não caia no  esquecimento. Há sete dias que começou a ser trilhado o caminho em busca de aliados & reparação à família, em busca de investigação, punição para os assassinos. Por Jész Ipólito Do Racismo Ambiental Não há outra palavra a ser usada que não ASSASSINOS! Polícias militares abordaram Luana na rua, no caminho para levar o filho à um curso, no início da noite. Tudo que eles precisaram foi de uma recusa da parte dela em não permitir que fosse revistada por HOMENS. Vejam, Luana não era HOMEM e sabia do seu ...

Leia mais

Homem é suspeito de tentar estuprar filha lésbica para fazê-la ‘virar mulher’

Garota de 14 anos contou a um professor sobre a tentativa de abuso sexual. Conselho tutelar acompanhou o caso e adolescente está em casa de abrigo. Do G1 Um homem é suspeito de tentar estuprar a própria filha adolescente em Araguaína, norte do Tocantins. Segundo um professor da menor, que pediu para não ter o nome revelado, a garota de 14 anos contou que no dia 6 de janeiro o pai tentou estuprá-la em um matagal. O caso está sendo investigado pela polícia e corre em segredo de justiça. O crime teria acontecido depois que o homem descobriu o relacionamento homoafetivo da filha. "Ela disse que a intenção do pai era fazê-la virar mulher. Seria uma espécie de estupro corretivo, para ela deixar de ser lésbica e aprender a gostar de homem", explica o professor. Ele conta que foi procurado pela adolescente, acompanhada da namorada dela, de 17 anos, após a ...

Leia mais

Entrevista com Ellen Oléria: “Sou mulher, negra, lésbica e da periferia”

Cantora relembra 2015, antecipa projetos por vir e não mede palavras para falar sobre nosso panorama social, político e cultural Por Diego Ponce de Leon, no UAI Em fevereiro próximo, ela estreia como apresentadora de tevê. Em março, invade rádios e o mercado com o novo disco. Em abril, deve subir aos palcos de brasilienses como atriz, algo que ela não encara desde 2008. O ano por vir promete para Ellen Oléria. E não foi lá muito diferente de 2015, embora ela tenha passado boa parte do tempo em terras estrangeiras. Participou de uma residência artística na Inglaterra, cantou no Japão e na Rússia, mas fecha o ano da maneira que prefere: cantando e militando. No último dia 10, Ellen encarou uma multidão no Parque Madureira, Rio de Janeiro, e soltou a voz em um evento feito em homenagem a cinco jovens mortos naquela região. Debates e provocações sobre a violência ...

Leia mais

“Minha mãe entendeu que somos iguais, diferentes apenas no quarto”, conta rapper

Negra, lésbica, filha de mãe loira, com sobrenome alemão, MC Luana Hansen sofreu violência, traficou drogas, fumou crack. Hoje vive da música, é vizinha da mãe e faz sucesso no hip hop Por Maria Carolina Gonçalves, do iG "Estou há 14 anos vivendo do hip hop". É com um sorriso no rosto que MC Luana Hansen, 34, diz essa frase. Entre uma música e outra, já precisou fazer "bicos" para se manter. "Periferia é o primeiro lugar onde falta tudo", diz a moradora da Vila Portugal, onde sua casa divide um terreno com várias outras casas simples. "Eu moro aqui na quebrada", diz ela. Apesar das dificuldades, a rapper conseguiu sua inserção na música, já gravou um CD e está com o segundo a caminho. Em 2005, ganhou o Prêmio Hutúz, reconhecimento aos melhores do hip hop brasileiro criado pela Central Única das Favelas (Cufa). Os primeiros versos foram parar ...

Leia mais

A resposta para “se é para pegar uma mulher ‘bofinho’, porque não pega um homem?”

Essa pergunta tão comum oculta uma série de preconceitos muito comuns entre heterossexuais e homossexuais; leia e repense suas atitudes por Marcio Caparica, do Lado Bi  Traduzido do artigo de Sara Alcid para o site Everyday Feminism Pode ser que você já tenha ouvido essa pergunta, já teve de respondê-la ou até mesmo teve de refletir sobre isso quanto a você mesma: Por que é que mulheres queer e lésbicas namoram mulheres com aparência masculina ao invés de simplesmente saírem logo com um cara cisgênero? Bem, vamos dividir essa questão em partes e respondê-la. E, mais importante ainda, vamos examinar por que essa questão é tão comum – e bolar algumas perguntas mais respeitosas e positivas que se pode fazer em seu lugar. 1. A masculinidade não pertence a qualquer gênero Masculinidade não é “propriedade” de um gênero único. Qualquer pessoa pode se identificar como masculina, ter tendências masculinas ou se apresentar de ...

Leia mais

Nicholas Sparks autor de Diário de uma Paixão é acusado de racismo

Escritor Nicholas Sparks é acusado de preconceito contra gays e lésbicas Nicholas Sparks, escritor de livros românticos como Querido John e Diário de uma Paixão, está sendo acusado de atos preconceituosos contra negros, gays e pessoas que não seguem o cristianismo pelo diretor da Epiphany School of Global Studies, escola fundada por ele em 2006, Saul Hillel Benjamin, que entrou com um processo contra o autor. Segundo informações do site Buzzfeed, em nota publicada nesta sexta-feira (3), Benjamin afirma que Sparks e os seus funcionários de maior confiança ameaça e tiram sarro com aqueles que representam e defendem a diversidade e a inclusão. Além disso, o diretor conta que o autor relaciona a ausência de negros na escola Epiphany pela sua “incapacidade intelectual e pobreza” e o acusou de ter manchado a reputação da instituição ao se unir a uma entidade que é a favor da inclusão racial. Ainda de ...

Leia mais

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist