“Se para você ela é só lésbica, o problema é seu”

Entre os carros alegóricos, cartazes e cânticos que inundavam as ruas de Madri no último fim de semana, uma camiseta levou o prêmio de melhor mensagem. Era branca com letras pretas, pouco chamativa entre tantas cores e bandeiras de arco-íris. Mas seu trocadilho conseguiu chamar a atenção de um tuiteiro (@juancarlosmohr) que a publicou em sua conta do Twitter.

no El País

Em dois dias, a foto da camiseta foi compartilhada mais de 18.000 vezes e recebeu mais de 30.000 likes. Se você só ficou com as letras maiores e com a ideia de que a filha dele é lésbica, aqui vai a mensagem completa. E preste atenção nas letras miúdas.

“Minha filha é inteligente, divertida, simpática, bonita, estudiosa, cheia de inquietações, risonha, agradecida, carinhosa, atenciosa, familiar, extrovertida e especial.

O problema é seu se para você ela é só lésbica”

A camiseta foi desenhada por Claudia Álvarez, conhecida como Claudia Limón, uma jovem de 26 anos natural de Cuenca. O homem que aparece na imagem é o pai de sua companheira, explica ela por email ao Verne. “Os pais da Meri queriam levar alguma mostra de apoio à manifestação”, conta. Para Álvarez, seu design não é a única razão do sucesso da camiseta nas redes. “O que verdadeiramente impressionou foi ver uma demonstração de amor e apoio tão incondicional a uma filha independentemente de sua orientação sexual”, acrescenta. “Todo o mérito é desses pais dispostos a usá-la com orgulho”.

Apesar de não aparecer na imagem que se popularizou no Twitter, a mãe de sua namorada também estava com uma camiseta parecida. Os quatro foram à celebração do Orgulho em Madri no sábado passado. Quem realmente mandou a mensagem foram eles. Os pais mais orgulhosos do Orgulho de Madri. “A comunidade LGTBIQ+ teve de apropriar-se de rótulos e apelidos que terceiras pessoas utilizavam como insultos até que decidimos torná-los nossos e usá-los com orgulho, nós e nossos pais”, diz Álvarez. “Se essa mensagem te provocar algo que não seja ternura, não acredito que o problema seja nosso”.

A designer gráfica detectou reações negativas sobre a mensagem da camiseta. “Tenho lido comentários de gente se queixando nas redes sociais: Não queremos saber se sua filha é lésbica! Deixe-nos em paz! e coisas do tipo, quando o que tentamos manifestar era justamente o contrário”, observa. “A camiseta é para aquelas pessoas que não querem ouvir falar do tema, mas quando ficam sabendo de sua condição não são capazes de olhar além”.

Álvarez diz que não tem planos de vender a camiseta, mas convida outras pessoas a usarem o design disponível em sua conta do Instagram. “Não acredito que deva lucrar com essa mensagem tão bonita”, diz.

+ sobre o tema

Elena Ferrante: “Mesmo hoje, depois de um século de feminismo, nós não podemos ser inteiramente nós mesmas”

Tudo tem sido codificado em termos da necessidade masculina — mesmo...

Recy Taylor, a mulher negra estuprada por seis brancos que nunca foram condenados

Vítima relata em documentário agressão que sofreu em 1944...

Para 1ª vez, USP irá distribuir kit oficial voltado para calouras

Material foi solicitado às universitárias integrantes da Marcha Mundial...

O embranquecimento do futebol brasileiro segundo a filósofa Sueli Carneiro

A entrevista que Mano Brown fez com a intelectual...

para lembrar

Ministras pedem no Senado ampliação dos direitos das mulheres

As ministras que participaram de audiência pública nesta terça-feira...

A paternidade ativa é um antídoto contra o patriarcado

Phumzile Mlambo-Ngcuka, diretora executiva da ONU Mulheres, costuma nos...

Aborto na Colômbia: ‘Enquanto abortava, mulheres davam à luz do meu lado’

"Sempre apoiei a legalização do aborto, mas interromper uma...
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=