Thomas Sankara, o Che Africano

Quando eu tinha 14 anos, o professor de Geografia (que muito apropriadamente se chamava Mr. Mount) decidiu que tínhamos que saber de cor todos os países africanos e suas capitais. Desde então mais de dez anos se passaram e apesar de ter feito viagens ao norte de África, ter feito amigos de vários países Africanos nunca mais me esqueci que a capital de Burkina Faso é Ouagadougou. Na altura lembro de ter achado a sonoridade da capital algo muito memorável.

Este ano (que passa) fui convidada a assistir um filme da mostra de filmes Africanos que estavam sendo exibidos no Instituto Moreira Salles, e qual não foi a minha surpresa quando já atrasada chego na sala e descubro que o filme é sobre Burkina Faso, mais especificamente sobre Thomas Sankara. Talvez uma das pessoas mais interessantes do continente Africano, que eu nunca tinha ouvido falar.

Burkina Faso é um país sem acesso ao mar que tem como fronteiras seis países; Mali, Níger, Benin, Togo, Gana e Costa de Marfim. Em 1983, o ano em que Thomas Sankara, por meio de um golpe de estado se tornou presidente, o país era um dos mais pobres do mundo e tinha parado o seu desenvolvimento desde a sua independência em 1960. Thomas Sankara de 33 anos que era um jovem idealista, impaciente, com ideias muito progressistas e uma veia marxista, decidiu rebatizar o seu pais (que se chamava Alto Volta) de Burkina Faso – Terra dos Homens Íntegros.

Thomas é ainda hoje conhecido pela juventude local como o “Che Africano”. As suas ideias tiveram repercussão por todo o continente, o que assustou vários lideres de outros países. Em especifico da França e da Costa do Marfim. A Costa do Marfim utilizava mão de obra barata de Burkina, e a França retirava grande parte da riqueza da Costa do Marfim (e de outras de suas ex-colonias) por meio de contratos que mantinham o espirito neocolonialista.

Sankara era avidamente anti-imperialismo e anti-neocolonialismo, para isso ele sentia que era necessário autonomia em todos os sentidos (principalmente não depender de importações). Ele era também muito a favor de uma África Unida, “produire en Afrique, transformer en Afrique et consumire en Afrique”, produzir e consumir produtos africanos. Ele era a grande antítese do que se chama de afro-pessimismo: “Devemos aceitar o modo de viver Africano, que é a única maneira de viver livre e dignamente”.

Como presidente ele tomou várias decisões e medidas inéditas a um chefe de estado Africano. Começou por diminuir o seu salario, dos ministros e de outros altos funcionários do governo. Vendeu os Mercedes (carros oficiais do estado) e comprou Renault 5s (na altura o carro mais barato em Burkina Faso). Anulou todos os privilégios dos membros do governo, incluindo que ninguém voava em 1ª classe. Julgou os ex-membros do governo por desvio de verbas e corrupção. Pôs fim ao imposto colonial, e acabou com a distribuição feudal de terras (distribuindo a terra aos camponeses).

Um dos seus feitos mais impressionantes foi ter atingido a autonomia alimentar de Burkina em apenas 4 anos (a produção de trigo aumentou de 1700kg/ha para 3800kg/ha). Na sua ânsia de alojar, alimentar e cuidar da população, vacinou 2.5milhões de Burkinabés em apenas uma semana, começou vários programas de alojamento social, e construção de estradas e ferrovias – tudo sem dinheiro, e sem apoio de grandes empresas ou outros países. Ele via estes projetos como oportunidades do povo fazer parte da construção de Burkina Faso.

Ele foi o primeiro chefe de estado Africano a reconhecer os direitos das mulheres, e de ativamente tentar mudar a cultura Burkinense (onde a mulher era vista como inferior). Ele foi o grande catalizador da emancipação feminina no seu pais, criando trabalhos, introduzindo mulheres na formação militar e elegendo varias mulheres como suas Ministras.

Muito preocupado com a educação do seu país, ele educava a população com slogans e inseria-os na construção do pais, criando assembleias gerais, tribunais populares da revolução, e o movimento pioneiro – onde crianças até aos 12 eram formadas ideologicamente e politicamente contra a voracidade, egoísmo e egocentrismo. Ele era acreditava também na formação politica dos militares “um militar sem formação politica e ideológica, é um criminoso em potência.”

Ele começou programas de esporte coletivos, onde ele e o seu número dois (Blaise Comparoe) participavam assim como ministros, cidadãos e camponeses. E começou também os bailes populares, onde se encontrava todo tipo de gente de todos os extratos sociais, incluindo o Thomas em pessoa. Mas como guitarrista exímio, ele ia só para tocar na banda.

Mas nem tudo era tão cor-de-rosa, os sindicatos e oposição não tinham efeito no seu governo, e durante uma greve de professores, ele prendeu 1400 professores. (As greves eram vistas como movimentos contra a revolução porque quem era a favor da revolução resolvia-se nas assembleias).

Sankara tinha muito carisma, algo muito evidente nas suas entrevistas e seus discursos, (que se encontram facilmente no youtube). As suas ideias progressistas como acabar com o dever de pagar a divida fizerem com que tivesse apoio de vários (Fidel Castro, Jerry John Rawlings, a juventude Africana) mas também que se tornasse inimigo de outros, principalmente lideres de países africanos com conexões fortes com os seus ex-colonizadores. Os mais preocupados eram François Mitterrand (o então presidente da França), e o presidente da Costa do Marfim.

A 15 de Outubro de 1987, o número 2 e melhor amigo de Sankara, Blaise Comparoe (com o apoio do presidente da Costa do Marfim) assassinou Thomas e se elegeu presidente. Apesar da população chorar a sua morte, traços do seu governo foram apagados e acusaram Thomas de ter enriquecido a custa da população. Ao invadirem a sua casa a procura de provas não encontraram nada a não ser suas guitarras e bicicletas. Blaise começou a partir de então uma politica de cooperação e se manteve no poder 27 anos. Em novembro deste ano devido a uma revolta dos jovens Burkinabés, ele renunciou do poder e fugiu para a Costa do Marfim.

Thomas que nas suas próprias palavras se sentia “mal amado e mal compreendido” em África acabou por aceitar morrer (ele foi avisado que Blaise preparava um golpe, mas insistiu que a amizade não se trai), mas vive ainda hoje na memória de todos os Burkinabés como símbolo de esperança.

Respeitou o seu lema até ao fim. A pátria ou A morte. Venceremos.

+ sobre o tema

Morre a poeta Tula Pilar, seguidora de Carolina Maria de Jesus

Uma poeta negra, mineira, que trabalhou como doméstica e...

Rapper Sharylaine luta para abrir caminho para mulheres no hip hop

Ao longo de 38 anos de carreira, a rapper Sharylaine não...

APAN promove 2ª Mostra do Audiovisual Negro em São Paulo

Evento amplia número de salas e exibe mais que...

Quilombos contemporâneos: Coletivo Malungo fortalece resistência negra nas quebradas

No velho continente, um passado de grandes impérios, dinastias...

para lembrar

Exclusão ou inclusão precária? O negro na sociedade brasileira

Fonte: Revista Ibict - Por Mário Lisbôa Theodoro  ...

Rael: “A minha autoestima me defende”

Um dos artífices de uma original fusão entre rap e reggae conta como...

Roberto Carlos é um detalhe na falsificação da biografia de Tim Maia pela Globo

Tim Maia era um gênio complexo e contraditório. “Preto,...
spot_imgspot_img

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...
-+=