terça-feira, agosto 16, 2022
InícioQuestão RacialCasos de RacismoTribunal de Justiça absolve sacerdote Tata Katuvanjesi acusado injustamente por fiscal federal

Tribunal de Justiça absolve sacerdote Tata Katuvanjesi acusado injustamente por fiscal federal

Vítima de intolerância religiosa e racismo, Tata Katuvanjesi acabou tornando-se réu pelo simples fato de ter reclamado da conduta de uma servidora pública que deveria tratar todas as pessoas com respeito e urbanidade

por  Hedio Silva no Revista Raça

advogado Hédio Silva
Hédio Silva – Arquivo Pessoal 

No último dia 20 de fevereiro a 5ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo absolveu, por unanimidade, o Tata Nkisi Katuvanjesi, jornalista Walmir Damasceno, acusado injustamente por uma fiscal federal agropecuária.

Em março de 2015 o Tata Katuvanjesi, Presidente do ILABANTU – Instituto Latino Americano de Tradições Afro-Bantu, desembarcou no aeroporto de Guarulhos, vindo de Luanda/Angola, trazendo em sua bagagem um símbolo religioso talhado em madeira bruta.

Na alfândega, a funcionária do portal de raio-x acionou uma Fiscal Agropecuária que terminou por ofender o Sacerdote e apreender o símbolo religioso alegando que a madeira não estaria polida.

Em resposta à arbitrariedade e truculência da fiscal federal, o Tata Katuvanjesi enviou ofício ao Ministério da Agricultura, solicitando providências e a devolução do símbolo religioso.

Revoltada com o ofício, a fiscal federal ingressou com uma ação judicial reivindicando o pagamento de R$ 30.000,00 (trinta mil reais) por danos morais porque teria sido acusada injustamente de racismo.

Vítima de intolerância religiosa e racismo, Tata Katuvanjesi acabou tornando-se réu pelo simples fato de ter reclamado da conduta de uma servidora pública que deveria tratar todas as pessoas com respeito e urbanidade.

Por decisão unânime, o Tribunal de Justiça concluiu que o sacerdote nada mais fez do que exercer o direito de reclamar (direito de petição) e ainda determinou que a fiscal pague os honorários dos seus advogados.

O Sacerdote foi representado pelos advogados Dr. Hédio Silva Jr., Dra. Haydée Paixão, Dr. Antônio Basílio Filho e Dr. Jader Freire de Macedo Júnior.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench