Um crime quase perfeito

O racismo tem a capacidade de fazer com que as pessoas se sintam menores e indignas quando estão a receber uma ajuda que lhes é devida

Um dos traços mais perversos do racismo é o fato de minar a confiança das vítimas que, em muitos casos, são responsabilizadas pelo crime que sofreram. Para piorar, por vezes o agredido se culpa pela condição de desvalia que lhe foi socialmente imposta.

Quando isso acontece, a pessoa tende a aceitar como natural a infindável batalha contra obstáculos difíceis de transpor e até a condenar medidas que servem para concretizar direitos básicos que podem reduzir desigualdades históricas. No caso dos negros, é como se só houvesse mérito baseado no sofrimento pessoal e na superação.

Esse tipo de coisa ajuda a entender um homem preto que usufrui de oportunidades criadas por uma ação afirmativa que lhe permitiu ingressar numa prestigiada universidade e defende o fim de políticas étnico raciais, como vem fazendo o juiz Clarence Thomas, da Suprema Corte dos EUA.

Ao justificar sua posição contra o uso da cor da pele e da etnia como critérios de admissão nas universidades de Harvard e da Carolina do Norte, semana passada, ele afirmou que, na década de 1970, “outros alunos o viam como um estudante simbólico” na Faculdade de Direito de Yale.

Por essas e outras, pode-se dizer que o racismo é um crime quase perfeito. Trata-se de uma ideologia que tem a capacidade de fazer com que as pessoas se sintam menores e indignas quando estão a receber uma ajuda que lhes é devida. Para fazer frente a um desequilíbrio dessa magnitude, “apenas” educação não basta. É necessário educação antirracista.

O Brasil construiu um programa de ação afirmativa que foi reconhecido pelo STF em razão da permanente desigualdade da população preta e parda. Felizmente prevalece o entendimento de que é necessário instituir formas de superar o racismo institucional para garantir igualdade material entre os cidadãos.

Todos são iguais perante a lei, mas a igualdade formal é insuficiente. Sobretudo num ambiente racista e preconceituoso.

+ sobre o tema

Diretor da OMS revela ter sido alvo de ameaças de morte e insultos racistas

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS (Organização Mundial da...

Participante de comunidade racista é denunciado pelo Ministério Público

05/05/2009 - Fonte: Pernambuco.com - Um participante de uma comunidade...

para lembrar

spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=