Um LGBTI+ sofre morte violenta a cada 34 horas no Brasil, aponta relatório

Enviado por / FonteEcoa, por Eduardo Carvalho

A cada 34 horas, uma pessoa da comunidade LGBTQIAP+ é vítima de morte violenta no Brasil. É necessário enfatizar: a cada quase dois dias no país, alguém, por sua condição e existência, morre justamente por suas características. Um tio, uma vizinha, um parente, uma amiga do filho, a mulher que foi sua babá, o condutor do trem, o artista ou também aquela alma passante que comprava pão mais cedo, recebia salário e pagava impostos até ontem – todos tinham uma vida e agora não estão mais aqui. Um cidadão ou cidadã brasileiro/a, mas que não é você. Ainda bem?

Na região Sudeste, onde estou enquanto escrevo, vemos o ápice da crueldade contra a população que mais sofre com o descaso das políticas públicas, que, quando existem, frequentemente não se tornaram efetivas para salvar 100 vidas. Era pra ser o contrário, mas não rola, e o que se vê no cenário é um empilhar de caixões. Enterramos possibilidades, descartadas como se não valessem o esforço para que pudessem ter o direito de ser e também de viver. Desperdiçamos soluções.

Os números são do mais recente relatório do respeitado Grupo Gay da Bahia (GGB), ONG que atua há 44 anos para compilar esses dados, e nos esfrega na cara uma de nossas maiores feridas. “Persiste o padrão de travestis serem assassinadas a tiros na pista, terrenos baldios, estradas, motéis e pousadas, enquanto gays e lésbicas são mortos a facadas ou com ferramentas e utensílios domésticos, sobretudo dentro de seus apartamentos”, diz o relatório que deveria fazer o Brasil parar, mas nem cócegas faz.

Das vítimas, o mais jovem tinha apenas 13 anos e foi morto em Sinop (MT) após uma tentativa de estupro. É a idade que fará minha sobrinha-filha daqui um tempo, e o coração de tio-pai aperta. Como pensar que alguém de 13 anos foi vítima da barbárie simples e desmedida? Como se não bastasse a revolta, as especificações ganham ainda mais contorno por explicitarem uma trajetória de ainda mais preconceito: 127 casos se referiam a pessoas travestis e transgêneros, 118 eram gays – sendo que nove foram identificadas como lésbicas, e três, como bissexuais.

Minha cabeça rodopia e penso: como esperar que alguém LGBT+ chegue, por exemplo, aos 60 anos? Como firmar esse pacto pela vida, colocando-o em prática? Há saídas? É o que me abraça o documentário ”LGBT+60” – dividido em pílulas – dirigido pelo jornalista Yuri Fernandes, com produção de Giulia da Graça, através da Vinte Poucos, e lançado na última semana pelo portal Colabora.

Trata-se de um sopro. Em cinco novos episódios, a série, premiada com suas duas temporadas anteriores, chega à terceira, brindando a vivência de quem burlou o sistema e reexiste, numa afirmação de certezas, apesar dos pesares.

“São histórias que nem todas as pessoas estão acostumadas a ouvir, seja na mídia ou em debates. São idosos LGBT+, de diferentes contextos sociais, que contam sobre suas experiências, muitas vezes dolorosas, mas também sobre conquistas e sonhos”, conta Yuri.

Realizações de uma geração cheia de desejos, sobretudo o de permanecer viva.

Será que é tão difícil assim?

+ sobre o tema

Vitória da bola preta – por ROSELI FISCHMANN

TJ de São Paulo obriga o Club Paulistano a...

Contra a violência, lésbicas e bissexuais realizam ato em SP

Marcha que ocorre neste sábado (3) percorrerá da rua Augusta ao...

#JogueComOrgulho: Youtube lança campanha contra homofobia com participação de Neymar

Faltando 8 dias para começar a  Copa do Mundo, o...

Demitida por ‘ser lésbica’

Professora se recusa a responder perguntas íntimas e é...

para lembrar

Mulheres denunciam violência de gênero crescente em todo o país

Mais de meio milhão de mulheres são estupradas todos...

Como se sente uma mulher

Aconteceu ontem. Saio do aeroporto. Em uma caminhada de...

Quando a violência de gênero promoveu mudanças na legislação brasileira

"Não tenho uma filha do teu nível, graças a...
spot_imgspot_img

Comitê irá monitorar políticas contra violências a pessoas LGBTQIA+

O Brasil tem, a partir desta sexta-feira (5), um Comitê de Monitoramento da Estratégia Nacional de Enfrentamento à Violência contra Pessoas LGBTQIA+, sigla para...

Assassinatos de pessoas trans vítimas do racismo crescem 15%

De 321 mortes de pessoas trans em 2023, quase três quartos (74%) foram registradas na América Latina e no Caribe e quase um terço...

Erika Hilton aciona Ministério dos Direitos Humanos para acompanhar caso de agressão a mulheres trans no Rio

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) acionou o Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania (MDHC), em ofício encaminhado nesta terça-feira, para acompanhar o caso de agressão a...
-+=