Um quilombo político possível

Iniciativas dos movimentos negros e de mulheres negras tornam possível uma outra cultura política

São um atrevimento e um privilégio negro a memória e as lutas do presente que expressam a experiência de existência e resistência coletivista, inclusiva e solidária dos quilombos no Brasil. Quilombo é tanto o módulo de resistência que dá musculatura ao movimento de rebeldia permanente e organizada da quilombagem, como diz Clovis Moura no livro “História do Negro Brasileiro”, como, também, território político de sociabilidade disruptiva, diverso e complexo, nutrido por ética, afetividade, justiça e equidade, alicerçado em formulações pragmáticas de bem-viver e responsabilidade comunitária.

Tanto libertário e altivo quanto habilidoso politicamente para seguir em paralelo ao paradigma dominante, o quilombo sustenta a preservação do conjunto de saberes e fazeres comunitários ancestrais enquanto incide engenhosamente no Estado, compelindo as instituições a um deslocamento em direção ao reconhecimento de humanidade e cidadania dos que estão fora da métrica da universalidade.

Conflitos e contradições existem nos quilombos, pois a similitude comunitária não é sinônimo de uniformidade: há sólida compreensão da pluralidade de indivíduos e de coletividades. Os conflitos presentes em toda composição social heterogênea proporcionam crescimento do quilombo, pela afirmação de outras formas organizativas de cultura política, que aproveitam o conjunto tenaz de potencialidades reunidas. O aprofundamento das relações nos desafiará a permanecer e a seguir até onde deveríamos estar, não fosse pelo racismo. A gente se amplia em movimento, se desenvolve, atrita e repactua quando necessário.

O quilombo é um lugar para não esquecer que as opressões que sofremos na base da categorização social são frentes de lutas inseparáveis e que nossas jornadas, ainda assim, podem ser vibrantes e emancipatórias, se enquanto indivíduos e coletividades nos comprometermos a sermos “acendedores de sóis” uns dos outros e do nosso povo, como ensina Aza Njeri.

A iniciativa Quilombo nos Parlamentos é uma caixa amplificadora, melhor dizendo, um grande paredão para expandir a participação, o alcance e o poder decisório de nossas vozes, vozes negras, na vida política de nossas cidades, estados e país.

O voto antirracista é o voto que muda as regras do jogo e mexe com a flagrante e constrangedora predestinação artificial de candidaturas que representam o poder econômico, branco, masculino, cisgênero, heteronormativo, conservador, religioso e territorializado.

O voto antirracista é o voto em lideranças e representantes dos movimentos negros cuja tradição nos trouxe até aqui vivas, como destacaram Vilma Reis, candidata a deputada federal (PT-BA) e Douglas Belchior, candidato a deputado federal (PT-SP), no encerramento do lançamento da iniciativa Quilombo nos Parlamentos, quando foram apresentadas mais de cem candidaturas negras de todo o país.

É possível contribuir para a mudança da fotografia do poder, como propôs Milton Santos, o que implica a própria reorganização do poder e transformação compulsória dos espaços de poder pela presença de pessoas negras ativistas e comprometidas com pautas afirmativas, especialmente mulheres negras, que seguem escandalosamente sub-representadas em todos os parlamentos.

Por meio de iniciativas dos movimentos negros e de mulheres negras, que vêm estimulando e subsidiando intelectual e materialmente novas metodologias e práticas políticas, será possível uma outra cultura política, marcada por coletivismo e horizontalidade, suprapartidária, e comprometida precipuamente com a equidade racial e de gênero. Em um país submerso em ódio racial e autoritarismo, oxigenamos a disputa eleitoral.

Por um Brasil livre, justo e solidário, por uma democracia que respeite todo o povo brasileiro, como um quilombo, nós faremos Palmares de novo. Para isso, precisamos de oportunidades. Sem aquilombamento político e uma bancada dirigida pelos movimentos sociais negros e de mulheres negras, continuaremos a ter poucas chances. A maré vai subir e vamos subir com ela!


Maíra Vida

Advogada, professora, integrante da Coalizão Negra por Direitos, cofundadora do Aganju (Afrogabinete de Articulação Institucional e Jurídica) e coordenadora do Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela/Sepromi

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

Saiba como denunciar o trabalho escravo

Uma só denúncia é suficiente para iniciar uma investigação...

Laboratório deve começar a vender vacina contra a gripe suína na semana que vem

Anvisa diz que preço máximo ao consumidor deve ser...

India Arie & Raúl Midón – Back to the middle

Raúl Midón (14 de março,...

Google confirma suspensão de polêmico programa de reconhecimento facial

O Google confirmou à Agência Efe, nesta segunda-feira, que...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=