Uma breve reflexão sobre as pessoas que “desistiram do Brasil” e estão indo para Miami

A designer Malu Guerra e seu marido, o consultor José Arnaldo Navarro, desistiram do Brasil.

Por: Do: DCM

Vão morar em Miami, decepcionados com a derrota de Aécio.

Tenho um certo problema com textos como o de Mônica, que não quantificam as coisas e apontam tendências com base em nada.

Um recurso clássico de jornalistas sem estatísticas é este: “Cresce o número de”.

Se entendi bem a coluna, “cresce o número” de pessoas de classe média alta que estão indo embora do Brasil, rumo ao “paraíso” americano.

Como a crise econômica nos Estados Unidos se arrasta desde 2008, sem dar mostras de que vá arrefecer, tenho dúvidas sobre as oportunidades que brasileiros desiludidos encontrarão lá.

Miami, por exemplo.

Num levantamento recente feiro pelo site 24/7 Wall St, Miami apareceu como a quarta cidade americana mais malgovernada.

A taxa de desemprego, de 10,3%, é uma das maiores dos Estados Unidos, apontou o site. E o índice de pobreza, 31%, é o dobro da média americana.

Aproximadamente um de cada dez empregos em Miami é relativo a construção, mais que a vasta maioria das grandes cidades americanas.

Empregos em construção requerem baixa qualificação, e não são exatamente promissores.

Mas não é sobre isso exatamente que quero falar.

Eu queria comentar a atitude de pessoas como o casal Malu e José.

Você não constrói um país decente com gente com este tipo de mentalidade.

Nas palavras de Darcy Ribeiro, o problema do Brasil é um pequeno grupo de pessoas que impede qualquer tipo de mudança que ameace os privilégios e mamatas de que desfrutam há décadas, séculos.

Aqueles que lutam contra isso são os indispensáveis.

O Brasil pode ser uma Escandinávia ensolarada, libertária, igualitária, em que as oportunidades sejam iguais para todos.

Mas para que isso ocorra a estrutura viciada de que Darcy Ribeiro falava tem que ser desfeita.

Desejo boa viagem e boa sorte ao casal Malu e José, mas francamente: não é com pessoas assim que seremos uma Escandinávia.

Leia a matéria  Americano cria lista de motivos pelos quais odiou ter morado no Brasil 

+ sobre o tema

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança...

para lembrar

Antes de assumir a presidência do STF, ministro Joaquim Barbosa passa por cirurgia na Alemanha

Joaquim Barbosa, relator do processo do mensalão, mira...

O Espelho de Lazaro Ramos e Leandro Karnal

Entrevistado pelo ator Lázaro Ramos, o professor e historiador...

Marquezine se posiciona contra Bolsonaro e fecha comentários para evitar ataques

Para evitar que fosse atacada pelos apoiadores do candidato,...

Na Grécia, a dignidade venceu a cobiça

Há momentos na vida de um povo em que...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...

Fome extrema aumenta, e mundo fracassa em erradicar crise até 2030

Com 281,6 milhões de pessoas sobrevivendo em uma situação de desnutrição aguda, a ONU alerta que o mundo dificilmente atingirá a meta estabelecida no...
-+=