Universidade Estadual de Londrina se prepara para avaliação da política de cotas em agosto

A Universidade Estadual de Londrina (UEL) está discutindo modificações para o sistema de cotas, existente desde 2005. Na resolução de criação da política, a instituição definiu que depois de sete anos iria avaliá-la e ver o que era necessário para aprimorá-la. Em agosto, o Conselho Universitário se reúnirá para votar a questão e até lá a universidade fará reuniões para debater as cotas.

 

A coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-Asiáticos (NEAA) da UEL, Rosane Borges, afirmou em entrevista à rádio CBN, que o sistema não será extinto, mas avaliado. “Oficialmente, não está em jogo se as cotas permanecem ou não, mas como será a nova fisionomia da política. O objetivo é propor avanços de uma política que possa contribuir para que a UEL seja uma universidade inclusiva”, contou.

Para ela, o sistema de cotas na educação é uma maneira de diminuir as desigualdades que são observadas no Brasil. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) mostra uma diferença entre os índices da população branca e negra, mostrando que os afro-descentes foram historicamente prejudicados dentro da evolução do país, segundo Rosane.

Pela resolução da UEL, até 40% das vagas de qualquer curso são reservadas para estudantes de escolas públicas. Deste percentual, até a metade pode ser destinado aos alunos negros. Para que a discussão das cotas não fique restrita aos setores administrativos, o NEAA está provendo vários eventos, como o Fórum Sobre Política de Cotas na UEL, realizado em abril.

 

Fonte: Londrina. O diario

+ sobre o tema

Papai Noel de shopping em SP faz declarações racistas a crianças, relata família

Uma mãe e seus quatro filhos ouviram declarações racistas...

Racismo não é “mal entendido”, é crime: O que o ‘caso Le Biscuit’ tem a nos ensinar?

  Racismo não é “mal entendido”, é crime! Antes mesmo...

Policial mata caminhoneiro após briga de trânsito na BR-101, no ES

Após uma briga de trânsito, um policial militar matou...

“Gosto muito de negros, tenho amigos negros e tal. Só fico triste porque pararam de vender”.

Piada racista de universitário no Facebook poderá gerar responsabilização...

para lembrar

Djamila Ribeiro: “Somos um país que nunca aboliu materialmente a escravidão”

Em entrevista, a filósofa fala de seu livro ‘Pequeno...

Manifesto de repúdio à violência da política de segurança em São Paulo

Nos últimos 20 anos, São Paulo testemunhou uma expansão...

Pesquisa expõe o racismo estrutural nas instituições de saúde

O racismo está bastante enraizado na cultura brasileira, tanto...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=