Usina não será obrigada a dar comida a cortadores de cana

Fonte: Folha de São Paulo –

Acordo diz que será obrigatório fornecer recipiente para manter alimento aquecido

Apesar disso, compromisso é elogiado por entidades de usineiros e de trabalhadores; documento será lançado por Lula na próxima semana

Trabalhadores rurais durante blitz do Ministério Público do Trabalho em fazenda no interior de SP; fornecer comida será opcional
(Edson Silva/Folha Imagem)

Com avanços reconhecidos por governo, empresários e trabalhadores, o compromisso nacional para melhorar as condições de trabalho no setor sucroalcooleiro não mexerá na realidade de insegurança alimentar dos cortadores de cana.

A Folha teve acesso ao documento final, que será lançado na próxima quinta-feira pelo presidente Lula. No item alimentação, o compromisso dos usineiros para no fornecimento de recipientes a fim de manter o alimento aquecido.

Os trabalhadores e o próprio presidente esperavam que os empresários assumissem a responsabilidade pela comida.

Semanas atrás, em evento reservado no qual lhe foi apresentado o texto, Lula reclamou com os usineiros. “Você está dando uma marmita térmica, mas cadê a comida? Está vazia?”, teria dito, segundo relato de presentes ao encontro.

O fornecimento da alimentação, na prática, traria dois ganhos imediatos aos cortadores: uma refeição balanceada e, em consequência, menos problemas de saúde. “Esse assunto [da alimentação] continuará presente nas negociações e virá ao compromisso, sem dúvida”, diz Marcos Jank, presidente da Unica (União da Indústria da Cana-de-Açúcar). Ele cita a logística complicada e o alto custo como os empecilhos atuais.

Segundo os próprios trabalhadores, a ausência desse ponto não esvazia a importância do compromisso nacional, construído por dez meses numa mesa de diálogo entre governo, trabalhadores e empresários, sob a coordenação da Secretaria Geral da Presidência.

“Pela primeira vez no Brasil uma atividade produtiva faz uma discussão como essa. Por isso acreditamos no compromisso”, afirma Antonio Lucas, da Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura). “É um marco que merece ser enaltecido”, diz Elio Neves, presidente da Feraesp (Federação dos Empregados Rurais Assalariados do Estado de São Paulo).

Hoje, há 1,2 milhão de pessoas no setor. O foco do compromisso, porém, está nos 500 mil cortadores de cana, vítimas do ritmo exaustivo de trabalho e algumas vezes flagrados em situação degradante.

O lançamento desse compromisso é o primeiro passo para mudar essa realidade e evitar que a imagem do álcool brasileiro no exterior seja atrelado a esse tipo de denúncia. Em 2007, Lula chamou de “heróis” os usineiros brasileiros, o que provocou críticas de acadêmicos e de movimentos sociais.

A adesão será voluntária e, em troca, os empresários terão seus nomes incluídos numa espécie de “lista branca” das boas práticas. No Brasil, há 413 usinas, e, até ontem, ao menos 60 já haviam sinalizado pela assinatura do documento.

A mesa de diálogo será mantida para buscar ajustes no texto e fiscalizar as empresas signatárias por meio de auditorias independentes.
“As que optarem [pelo compromisso] servirão de modelo para as demais”, afirma Jank.

O compromisso é uma espécie de termo de ajustamento de conduta adotado pelo Ministério Público, só que sem multa. “Mas esse [termo] tem compromissos morais”, afirma Renato Cunha, do Fórum Nacional Sucroenergético, que reúne usinas de todo o país.

No texto, destaca-se o compromisso dos usineiros de apenas contratar os cortadores de forma direta, eliminado assim a terceirização e a participação do “gato” -o aliciador de mão de obra degradante.

Matéria original: Usina não será obrigada a dar comida a cortadores de cana

+ sobre o tema

Racismo e sexismo persistem no mercado de trabalho de Salvador

Segundo o estudo, o rendimento médio da mulher negra...

PNDH3: Interesses ocultos contra os direitos humanos

Carlos Tautz Claro que por trás da reação contra...

Racismo institucional e saúde da população negra

Institutional racism and black population health Por Jurema Werneck1  Do Scielo 1Universidade Federal...

Quando a segurança pública engole os direitos humanos

O presidente Michel Temer escolheu a militarização da segurança...

para lembrar

Índios poderão ter direito a nome de sua etnia em documentos

A população indígena do Brasil poderá conquistar o direito...

Brasil vai ao banco dos réus em corte internacional por crimes da ditadura

Corte de Direitos Humano julgará desaparecimentos durante Guerrilha do...

Petição de Lula à ONU ganha destaque na mídia internacional

Recurso do ex-presidente Lula apresentado ao Comitê de Direitos...
spot_imgspot_img

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...
-+=