‘Vá para sua terra’: xenofobia portuguesa é fruto de colonização inconclusa

Enviado por / FonteUOL, por Jeferson Tenório

aumento significativo da xenofobia contra brasileiros em Portugal demonstra que os lusitanos ainda têm um acerto de contas a fazer com sua própria história. Especificamente em três temas: colonização, língua e racismo.

Enxergar brasileiros como invasores é bastante sintomático para um país que ainda não resolveu as feridas e os traumas coloniais.

A literatura portuguesa, aliás, já se debruça sobre essa questão há bastante tempo. Nos livros de autores como Lídia Jorge, Valter Hugo Mãe e Antônio Lobo Antunes, por exemplo, é possível identificar reflexões que trazem à tona as consequências das guerras coloniais em Portugal.

A lógica da colonização ainda opera no subterrâneo da sociedade portuguesa. É ainda uma ferida aberta e que muitos portugueses se recusam a olhá-la com honestidade.

É preciso reconhecer que a mentalidade colonial está inconclusa e que, talvez, olhar para os brasileiros e tratá-los como invasores seja um reflexo da própria autoimagem.

Ou seja, a ideia de alguém que invade pode ser a projeção portuguesa de colonizadores e suas práticas violentas e traumáticas nas ex-colônias.

É fácil encontrar relatos de brasileiros em Lisboa que tenham sido maltratados por taxistas, por exemplo, ao ouvirem o sotaque brasileiro, pois a língua é a outra preocupação dos portugueses.

É bastante comum ouvirmos dos lusitanos que os brasileiros não falam o português “correto”. Ou que falamos “brasileiro”, e não português.

Há um receio de que a língua seja “corrompida” por uma ex-colônia que, em termos populacionais, se tornou maior que Portugal.

O idioma é importante como um elemento de pertencimento identitário, mas é preciso reconhecer que a língua é viva, feita de muitos falares e sotaques, portanto, não existe um português correto, mas variações dele. Não existe uma língua portuguesa, existem muitas. Ao contrário de um pensamento xenofóbico, tais variações enriquecem a própria língua.

Há ainda as questões raciais que não são devidamente enfrentadas em Portugal como se esse debate não pertencesse à cultura portuguesa, como se o racismo fosse um problema dos imigrantes africanos e brasileiros, e não dos portugueses.

A discussão racial no Brasil me parece muito mais avançada, o que não significa que estamos conseguindo vencer o preconceito. É possível dizer que estamos mais conscientes das dinâmicas do racismo e sua estrutura.

Segundo o Conselho Econômico e Social de Portugal, 400 mil brasileiros moram atualmente no país, sem levar em consideração os que vivem ilegalmente – o que pode fazer este número chegar até a 800 mil brasileiros. São números expressivos se considerarmos uma população de pouco mais de 10 milhões de pessoas em Portugal.

A convivência com brasileiros é constante e o número tende a aumentar.

+ sobre o tema

Site Minas Mais espalha preconceitos contra ‘nordestinos’ no site Reclame Aqui

Empresa de internet chama nordestinos de "vagabundos" em site...

“Mapa da Intolerância Religiosa 2011″, por Márcio Alexandre M. Gualberto

“Mapa da Intolerância Religiosa 2011″ O “Mapa da intolerância religiosa...

Elba Ramalho: “Imagine o Nordeste independente”

Imagine o Nordeste independente Na voz de Elba Ramalho, uma...

Após ser provocada, Pitty dá uma aula de igualdade a seguidor no Twitter

"Não volto pra cozinha, nem o negro pra senzala,...

para lembrar

“É preciso reagir aos nazistas”

Jornalista Fernando Brito comenta o vídeo em que "um...

Medidas de combate ao terrorismo alimentam racismo e xenofobia, alerta especialista da ONU

Os governos devem fazer mais para combater o racismo,...

Suspeitos de integrarem grupo neonazista são presos em SC

Seis pessoas de 20 a 30 anos foram presas...
spot_imgspot_img

Carta aos brasileiros: somos de fato um país acolhedor aos estrangeiros?

Fomos criados escutando vários mitos. O de que somos o país mais alegre do mundo é apenas um deles. Há também o da democracia...

Portugal se ressente da invasão de brasileiros mas não nos devolve o ouro

Pela segunda vez neste ano estou em Lisboa, e desta vez pude rever com mais tempo os meus irmãos portugueses –luso-africanos de origem cabo-verdiana, guineense,...

Jeferson Tenório defende papel da literatura como direito humano

O escritor e pesquisador Jeferson Tenório, que se consagrou com o premiado O Avesso da Pele, obra de ficção de teor antirracista, defende uma literatura capaz...
-+=