Vai gritar Lula na África, agora!

Enviado por / FontePor Cidinha da Silva

Naqueles dias de intervalo entre o primeiro e o segundo turno da eleição presidencial, todo o tipo de coação, desmando e autoritarismo sobre os opositores do presidente do fim do mundo se verificava.

Pelo menos dois indígenas foram assassinados a cada semana nos últimos meses, uma liderança e um mais novo, na deliberação de atingir os faróis da tropa e a esperança dos que estavam se formando para tomar a dianteira na luta. Às meninas e adolescentes indígenas, os homens do garimpo ilegal e os capangas do agronegócio estupravam antes de matar. Depois, jogavam os corpos nos rios ou os amarravam na floresta com o intuito de disseminar o horror quando encontrados. Cada detalhe era planejado para minar as forças dos povos originários.

Pessoas de roupas vermelhas eram acossadas e espancadas pelas milícias; tiros eram dirigidos a casas que tivessem símbolos da oposição. A mentalidade miliciana de perseguição e extermínio do contraditório e da oposição tomaram conta do mundo, nas redes sociais, nas relações de trabalho, no mais trivial das relações humanas.

As polícias há muito tinham lado, o do genocida, e tratavam de intensificar o massacre ao povo. Aos negros, como sempre, destinavam a maior carga de violência e balas mortais. Sociedade escravocrata rediviva, com a diferença de que na vigência do sistema escravista o corpo negro era violentado, mas procurava-se preservá-lo em algum nível para a continuada exploração do trabalho escravizado. Na engrenagem racista atual, os corpos negros são alvo de tortura e eliminação física.

Se gritarem “Lula”, que isso seja considerado perturbação da ordem pública, que sejam espancados e presos; se resistirem, que sejam mortos, não pega nada.

Canalhas racistas! É Lula 13! São Érika Hilton e Duda Salabert legislando por nós e para nós.

+ sobre o tema

Que escriba sou eu?

Tenho uma amiga que afirma que a gente só prova...

Grupos de periferia se articulam em São Paulo para defender democracia e Dilma

Após violência contra militantes de esquerda em manifestações, Cooperifa...

Vox/Band/iG: Dilma cai de 56% para 54%

Candidata petista varia para baixo pela primeira vez dentro...

para lembrar

A PEC das Domésticas, os grilhões e as madames – Por Cidinha da Silva

As madames estão indômitas. Como diz o povo da...

A aula sobre racismo no Brasil da consulesa francesa em SP. Por Cidinha da Silva

Alexandra Loras, consulesa da França em São Paulo quebrou...

Os negros nos protestos democráticos

“O morro desceu e não era carnaval. Foi um...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim como Lélia Gonzalez e Sueli Carneiro, autora importante para entendermos o Brasil de hoje e...

“O Retorno” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.6

Minha irmã, tu não conhecerias Luanda se não tivesses passado pela corrupção institucional, te faltaria um pedaço importante de percepção desta terra de mártires...

“Inácia” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.5

— Senhora, senhora! Eu corri atrás da zungueira para entregar-lhe um galho seco e sem cheiro que caíra da bacia que carregava na cabeça....
-+=