Vereadora Juliana Cardoso prevê confronto com Telhada na Câmara de SP

Juliana-Cardoso

Juliana Cardoso: “O fato de o vereador Telhada vir fardado à posse é estar numa posição que não é a da Casa”. Fotos: Telhada (Facebook) e Juliana (arquivo pessoal)

por Conceição Lemes

Em 5 de fevereiro, começa a nova legislatura da Câmara Municipal de São Paulo. E, desde já, há dois fatos inusitados.

Primeiro: três dos 55 vereadores eleitos são egressos da Polícia Militar: o coronel Álvaro Batista Camilo (PSD), ex-comandante da PM, Conte Lopes (PTB), capitão aposentado das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), e o coronel Paulo Adriano Telhada (PSDB), ex-comandante da Rota.

É a chamada “bancada da bala”, que quer leis mais duras, redução da maioridade penal, acabar com baile funk e valorização da polícia.

Segundo: Telhada já comunicou ao vereador Floriano Pesaro, líder do PSDB, o desejo de integrar de integrar a Comissão de Direitos Humanos e Segurança Urbana da Câmara. Quinto vereador mais votado eleições de 2012, ele compareceu fardado à cerimônia de diplomação no dia 1 de janeiro.

Durante a campanha eleitoral, o ex-comandante da Rota usou a sua página no Facebook para fazer apologia à violência policial na periferia da capital paulista.

Em reação à reportagem Ex-chefe da Rota vira político e prega a violência no Facebook, de André Caramante, Telhada incitou seus seguidores na rede social contra o repórter. No início de setembro, o tom subiu: as ameaças de morte ultrapassaram o território da internet e foram estendidas também à sua família. O jornalista teve de sair do país.

“O fato de o vereador Telhada vir fardado à posse é estar numa posição que não é a da Casa”, diz a vereadora Juliana Cardoso (PT). “Aqui, a nossa relação é com o parlamento, com a vereança. Trabalhamos pela legalidade, para ajudar a construir políticas de qualidade para a cidade e não como uma instituição de segurança. Se ele tenciona representar a corporação a que pertenceu, poderia ter continuado como coronel da PM.”

Descendente de indígenas, nascida em Sapopemba, bairro da Zona Leste da capital, militante do movimento popular e educadora social, Juliana integrou na legislatura passada justamente a Comissão de Direitos Humanos, onde continuará atuando: “Pelo que já li e ouvi do vereador Telhada, teremos problemas, conflitos político-ideológicos com ele na Comissão de Direitos Humanos”.

Nos últimos tempos, os temas que tomaram conta da pauta da Comissão foram principalmente as denúncias de violência policial – justamente um dos grandes atores da violação dos direitos humanos no Brasil — e a Comissão da Verdade.

“As violações de direitos humanos que aparecem aqui são muito ligadas a policiais, e o vereador Telhada tem uma visão totalmente equivocada da questão”, reforça Juliana. “Assim, se ele vier com a visão de segurança urbana, para tratar a violação dos direitos humanos, vai ter confronto.”

Na avaliação da vereadora, não dá certo tratar de direitos humanos e segurança urbana numa mesma comissão. São focos antagônicos.

O ideal é que esses temas fossem tratados em comissões distintas. Tanto que vai solicitar isso à presidência da Câmara no início da legislatura, em fevereiro.

 

 

Fonte: Viomundo 

+ sobre o tema

Brizola e os avanços que o Brasil jogou fora

A efeméride das seis décadas do golpe que impôs...

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba...

Saiba os horários das provas do Concurso Nacional Unificado

Os mais de 2,5 milhões de candidatos inscritos no...

Aluno africano denuncia racismo em mensagem com suásticas nazistas na UFRGS; polícia investiga

Um estudante africano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul...

para lembrar

Ana Maria Gonçalves: A mídia, as cotas e o sempre bom e necessário exercício da dúvida

Fonte http://www.interney.net/blogs/lll Tenho escrito alguns artigos sobre racismo e, em todos,...

Aborto, maconha, gays, cotas: cadê as polêmicas na campanha?

 A propaganda eleitoral gratuita na TV deveria servir para...

Nem pós-moderno ou governista. Apenas Prounista

O PROUNI (Programa Universidade para Todos) foi criado pelo...
spot_imgspot_img

Um país doente de realidade

O Brasil é um país "doente de realidade". A constante negação da verdade me leva a essa conclusão. Enquanto parte dos indivíduos prefere alterar...

Inclusão não é favor

Inclusão não é favor. Inclusão é direito! Essa é a principal razão pela qual ações voltadas à promoção da equidade racial devem ser respeitadas, defendidas e...

Ações afirmativas sob ataque

O receio e o sentimento de ameaça sentidos por parcelas da população como reação à crescente presença negra em lugares antes considerados apenas para...
-+=