Justiça manda Governo do RJ pagar R$ 80 mil a Cacau Protásio por ataques em gravação em quartel dos bombeiros

Enviado por / FontePor Cristina Boeckel, do g1

Em 2019, durante a produção do filme 'Juntos e Enrolados', ela foi vítima de ataques racistas, homofóbicos e gordofóbicos por parte de agentes; corporação diz que puniu dois bombeiros.

A Justiça do Rio de Janeiro determinou, em segunda instância, que a atriz Cacau Protásio seja indenizada em R$ 80 mil por ataques e ofensas racistas que sofreu durante a gravação de um filme em um quartel do Corpo de Bombeiros no Centro do Rio.

A decisão foi antecipada pelo blog Ancelmo Gois, no jornal O Globo.

O caso aconteceu em novembro de 2019, durante a produção do filme “Juntos e Enrolados”. Após a gravação, começaram a circular áudios e vídeos em que bombeiros reclamam da gravação no lugar e faziam comentários racistas, homofóbicos e gordofóbicos em relação à Cacau e ao elenco.

Na época, o Corpo de Bombeiros afirmou que não compactuava com qualquer ato discriminatório contra a atriz ou qualquer pessoa. O g1 entrou em contato nesta terça-feira (26) com a corporação e aguarda posicionamento.

A atriz e o Governo do Estado do Rio de Janeiro recorreram da primeira decisão judicial do caso, que determinava o pagamento de uma indenização de R$ 30 mil.

A gravação do filme no quartel aconteceu com a autorização da corporação e contou com o acompanhamento de um bombeiro responsável. A atriz contou, na época do ocorrido, que não teve problemas e que foi bem tratada pelos profissionais.

Após o trabalho, Cacau recebeu mensagens dizendo que imagens dos bastidores haviam se espalhado pela internet com os comentários preconceituosos.

O Corpo de Bombeiros afirmou no processo que identificou os dois agentes responsáveis pelas filmagens e que eles foram punidos. Um deles, que gravou e compartilhou as imagens foi detido por 3 dias. O outro, que gravou e compartilhou um áudio com ofensas, foi detido por 10 dias.

A relatora do caso, desembargadora Ana Cristina Nacif Dib Miguel, afirmou que o valor da ação leva em consideração que o Estado é responsável pelas ações de seus funcionários, a gravidade das ofensas e a repercussão do caso.

O g1 entrou em contato com o Corpo de Bombeiros e a atriz Cacau Protásio, mas nenhum dos dois se manifestou até a última atualização desta reportagem.

+ sobre o tema

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico...

MG lidera novamente a ‘lista suja’ do trabalho análogo à escravidão

Minas Gerais lidera o ranking de empregadores inseridos na...

para lembrar

Mulheres negras concorrem a vaga no conselho curador da ebc

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) realiza este ano...

Show Por Uma Vida sem Violência – Margareth Menezes

    Assessoria de Comunicação Secretaria de Promoção da Igualdade do Estado...
spot_imgspot_img

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...

SP: Vigilante que sofreu racismo religioso no trabalho deve ser indenizado

Uma empresa de segurança e um shopping foram condenados a indenizar um funcionário que foi alvo de racismo religioso por colegas de trabalho. A...

Brasileiras denunciam racismo em palestra, em Harvard: ‘Tem piolho nas tranças?’

Duas brasileiras relataram ter sofrido racismo em uma das palestras da Brazil Conference no último sábado, na universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Naira...
-+=