Webinar debate violência de gênero e segurança de mulheres jornalistas

Resolução aprovada pela ONU para promover a segurança de jornalistas têm gerado algum impacto positivo sobre a integridade das mulheres na profissão

Do Portal Comunique-se 

Imagem: Divulgação

Um webinar sobre segurança de jornalistas mulheres será oferecido em 18 de dezembro de 2017 pelo Global Forum for Media Development (GFMD) em parceria com a International Women’s Media Foundation (IWMF) e a Associação Mundial de Jornais (WAN-INFRA). A atividade acontecerá às 12h do horário de Brasília.

O webinar terá um debate sobre temas como assédio, intimidação, ameaças e violência contra jornalistas mulheres, bem como os efeitos que a progressiva descrença nos meios de comunicação tem tido sobre o trabalho das repórteres. A discussão também deve abordar se medidas como a publicação de um relatório da IWMF sobre violência de gênero na imprensa e a resolução aprovada pela ONU em setembro deste ano para promover a segurança de jornalistas têm gerado algum impacto positivo sobre a integridade das mulheres na profissão.

Comparecerão à atividade a diretora-executiva da IWMF, Elisa Lees Munoz, e, como mediadora, a diretora do programa voltado a mulheres na mídia da WAN-INFRA, Melanie Walker. Jornalistas são convidados a participar. Para se inscrever, basta acessar este link.

Segundo levantamento da IWMF, realizado a partir de entrevistas com mil pessoas em todos os continentes, 47,9% das mulheres que atuam no jornalismo já foram assediadas no trabalho, 64,8% já ouviram ameaças e intimidações e 21,6% foram vítimas em alguma situação de violência física. Outra pesquisa divulgada neste ano pela Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) constatou que uma a cada duas mulheres já sofreu algum tipo de discriminação de gênero na profissão. Os tipos mais comuns de violência registrados foram assédio verbal (63%), violência psicológica (41%) e assédio sexual (37%).

45% dos assédios relatados pelas mulheres entrevistadas pela FIJ vieram de pessoas de fora das redações, como fontes, políticos, leitores ou ouvintes. Chefes e supervisores de trabalho protagonizaram 38% dos episódios. Além disso, dois terços das entrevistadas nunca registraram queixa formalmente ou denunciaram o abuso em alguma instância. Entre as que o fizeram, apenas 12,3% ficaram satisfeitas com o resultado.

No Brasil, a pesquisa “Mulheres na mídia”, realizada pela Abraji em parceria com a Gênero e Número, constatou que 86,4% das jornalistas passaram por pelo menos uma situação de discriminação de gênero e 70,2% presenciaram ou tiveram conhecimento de uma colega sendo assediada no ambiente de trabalho. Os dados foram obtidos com base em entrevistas com 500 mulheres que trabalham nas redações de todo o país. Para mais informações sobre a pesquisa, leia a reportagem da Gênero e Número.

Serviço

Webinar sobre segurança de jornalistas mulheres

18 de dezembro, às 12h;

Inscreva-se aqui.

+ sobre o tema

Não me chame de mulata

Por Jarid Arraes na Revista Fórum Eu começo este cordel Recorrendo ao dicionário Pois...

Justiça cobra ações para mulheres agredidas

Governos têm 90 dias para apresentar plano de melhoria...

Stalker: Perseguir uma mulher durante 10 anos não é crime no Brasil

Denúncia contra Adrilles, participante do BBB15, não dá cadeia...

Segunda edição do evento Mulheres Digitais acontece em março

Acontece no dia 12 de março a segunda edição...

para lembrar

‘Feminismo Intersecional’. Que diabos é isso? (E porque você deveria se preocupar)

Texto de Ava Vidal. Tradução de Bia Cardoso. Publicado...

Primeira vacina anticoncepcional para homens deve ficar pronta em 2023

Um contraceptivo masculino inédito em forma de vacina —...

Nísia Floresta: A feminista brasileira que você não encontrará nos livros de história

Pouco estudada, a escritora nordestina que viveu no século...
spot_imgspot_img

Brasil registra um crime de estupro a cada seis minutos em 2023

O Brasil registrou um crime de estupro a cada seis minutos em 2023. Com um total de 83.988 casos de estupros e estupros de...

Mortalidade materna de mulheres pretas é o dobro de brancas e pardas, diz estudo

Mulheres pretas têm quase duas vezes mais risco de morrer durante o parto ou no puerpério que mulheres pardas e brancas, segundo um estudo da Unicamp (Universidade Estadual...

Plataforma Mães Negras debate impactos do peso na vida profissional

A Plataforma Mães Negras do Brasil, startup (empresa emergente) de impacto social, cujo objetivo é a promoção do desenvolvimento socioeconômico de mães negras, promove nesta quarta-feira...
-+=