16ª Parada LGBTI+ de Maceió acontece com expectativa de 40 mil participantes

Além do combate a homofobia, a parada deste ano tem como tema o turismo gay em Alagoas

Por Carolina Amorim , do Portal Gazetaweb

Natasha Wonderfull e Andreia Valois na 16ª Parada LGBTI+

FOTO: CAROLINA AMORIM

A 16ª Parada LGBTI+ de Maceió está acontecendo nesta tarde, 17, e tem como tema o Turismo Gay em Alagoas. A expectativa da organização do evento, o Grupo Gay de Alagoas (GGAL), é que o público que prestigia a parada chegue a 40 mil participantes. A concentração começou às 14h no Alagoinhas e por volta das 18h, shows acontecerão na praça Multieventos, na Pajuçara.

Apesar da resistência que a Parada LGBTI+ ainda sofre em Alagoas,  conta Cristiane Silva de França, uma das organizadoras do evento e membro do GGAL, a parada tem conquistado cada vez mais público durante os anos, afirma.

“Este ano o tema da parada é o turismo e, durante essas edições do evento, nós notamos que muitas pessoas de outras cidades, de outros estados, comparecem a nossa parada LGBT. A resistência ao nosso ato ainda é grande aqui em Alagoas, mas a gente luta para que a voz da comunidade LGBT seja ouvida”, frisa Cristiane.

Além do turismo gay como tema principal, Cristiane informa que a parada também não deixará de abordar temas como homofobia e mortes de LGBTs. E aponta que, uma forma que o GGAL encontrou para acolher as pessoas da comunidade que sofrem com violência em casa por serem LGBTs, foi a criação do projeto para a construção de uma casa de acolhimento.

“A parada também vai servir para que mais pessoas tomem conhecimento sobre esse projeto. Nós já conseguimos apoio jurídico e de profissionais da saúde através de parcerias com algumas universidades aqui de Maceió e estamos abertos a doações e mais parcerias para que em 2018 esse projeto crie forma”, explica.

A atriz e drag queen Andreia Valois conta que é a quinta parada LGBTI+ de Maceió que ela participa. Ela é de Recife e ressalta que a parada deve ser reconhecida, principalmente, como um ato político.

“Muita gente ainda acha que a parada é um carnaval e não é, ela serve para que a sociedade se lembre que nós existimos. Esse ato é para reivindicar o nosso direito de ir e vir e é nessa reivindicação que está a importância do evento”, expõe.

O estudante John Leite, também participante da parada, reforça o posicionamento de Andreia e lembra que o preconceito ainda é muito presente na vida dos membros da comunidade.

“A parada serve para expor a nossa causa e isso é muito importante visto que muitos sofrem preconceito dos próprios parentes. Eu cheguei a fugir de casa uma vez por causa disso, logo depois voltei e hoje permaneço na casa dos meus pais. Eles melhoraram nesse aspecto, mas ainda é preciso mostrar para a sociedade que situações como essas existem e que precisam ser combatidas”, relata.

A 16ª Parada LGBTI+ de Maceió conta com três trios elétricos que seguirão em direção a Praça Multieventos. Nos trios as atrações musicais serão a banda Forrozão do Baú, Michael Teófilo, Pati Lima, Mc Thiaguinho e discotecagem da produtora de festas, Cool. Já na Praça Multieventos, acontecerão os shows da banda Cheiro de Calcinha e da cantora Nana Martins.

A reportagem tentou entrar em contato com a Polícia Militar para saber número oficial de participantes do evento, mas, até o fechamento desta matéria, eles não foram contatados.

+ sobre o tema

Projeto Negressencia aprovado pela Funarte transforma histórias em performance de dança

O movimento negro de Santa Maria anda bastante presente,...

Selinah July, I am Somebody (Eu Sou Alguém)

A menina Selinah July recitou parte do poema “I...

Ataques levam Finlândia a oferecer aulas a imigrantes sobre como tratar mulheres

Preocupado com o aumento de abusos, o governo finlandês...

Maior ONG gay do mundo se torna membro consultivo das Nações Unidas

A ILGA – International Lesbian na Gay Association, com...

para lembrar

Debate sobre a presença da mulher na universidade e na política marca dia 8 de março na FFLCH

O evento terá a participação das professoras da FFLCH-USP...

Livro foca vida de mulheres vítimas do regime militar

Governo publica histórias de 27 sobreviventes e de 45...

Governo feminista assume o Chile e descriminalização do aborto é pauta central

Quando o presidente mais jovem da história do Chile,...
spot_imgspot_img

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...
-+=