5 mulheres trans que fizeram a diferença na luta LGBTQIA+

Enviado por / FonteHypeness, por Roanna Azevedo

Resistência talvez seja a palavra que melhor define a luta das mulheres transexuais para garantir e proteger seus direitos. Lutar para sobreviver num mundo que não costuma acolher identidades de gênero diferentes da cis infelizmente é o cotidiano de muita gente.

Para celebrar a força do ativismo LGBTQIA+, reunimos cinco mulheres trans que você precisa conhecer. Pioneiras no combate ao preconceito, elas dedicaram as próprias vidas ao movimento para, assim, revolucionar a de outros. 

1. Marsha P. Johnson

Marsha P. Johnson (Foto: BETTYE LANE, C/O RADCLIFFE INSTITUTE)

Dedicada a lutar contra a perseguição que a comunidade LGBTQIA+ nova-iorquina sofria, Marsha P. Johnson foi um dos principais nomes da linha de frente da Revolta de Stonewall, em 1969. Foi uma das fundadoras do Gay Liberation Front e protestou contra o abuso de autoridades policiais e a prisão injusta de pessoas trans e homossexuais.

Ao lado da drag queen Sylvia Rivera, criou a Street Transvestite Action Revolutionaries (S.T.A.R), uma organização voltada ao acolhimento de jovens LGBTQIA+ em situação de rua. O coletivo oferecia moradia e alimentação, além de apoio no entendimento e afirmação da identidade trans.

Em 1992, Marsha foi encontrada sem vida nas águas do rio Hudson. Sua morte foi considerada suicídio pela polícia de Nova York, mas, para os amigos, é provável que ela tenha sido vítima de assassinato. Mais de vinte anos depois, a também ativista trans Victoria Cruz passou a investigar o caso por conta própria, resultando no documentário da Netflix “A Morte e a Vida de Marsha P. Johnson” (2017), que mostra um pouco do legado deixado por um dos maiores nomes da luta por direitos LGBTQIA+.

2. Miss Major

Miss major (Foto: Nickalene Thomas)

Assim como Marsha P. Johnson, Miss Major também desempenhou um papel fundamental durante a rebelião de Stonewall. Desde então, ela luta pela causa LGBTQIA+, principalmente pelas mulheres trans e negras dos Estados Unidos, compromisso que assumiu há 40 anos.

Major passou diversas vezes pela prisão ao longo dos anos 70, podendo ver de perto como os detentos eram submetidos a diferentes violações dos direitos humanos. Foi a partir daí que ela decidiu atuar em prol de pessoas trans encarceradas e oferecer meios para que elas retomassem suas vidas após se libertarem.

Em 2006, Miss Major se tornou diretora do Transgender Gender-Variant and Intersex Justice Project e, mesmo tendo se aposentado oficialmente em 2015, não abandonou o ativismo. Ela fundou e vive atualmente na House of GG, uma casa de repouso e acolhimento para a comunidade trans.

3. Lili Elbe

Lili Elbe, artista transsexual – Wikimedia Commons

Nascida na Dinamarca, em 1882, Lili Elbe é considerada por muitos pesquisadores como a primeira pessoa transgênero a passar por cirurgias de redesignação sexual no mundo. 

A descoberta de sua identidade aconteceu durante o relacionamento que teve com a ilustradora Gerda Wegener. Em uma ocasião, Lili precisou substituir a modelo que sua então esposa receberia para desenhar no estúdio, vestindo roupas tipicamente femininas e posando no lugar dela.

A partir desse dia, Lili percebeu que não conseguia se identificar como uma pessoa do gênero masculino e procurou a ajuda de especialistas que pudessem ajudá-la a manifestar sua identidade de forma livre. Ela passou por diversos procedimentos cirúrgicos, dentre eles, uma castração, mas acabou não resistindo às complicações geradas por um transplante de útero.

Sua luta e trajetória de vida são contadas nos livros “De Homem Para Mulher” e “The Danish Girl”. Esse último foi adaptado para o cinema em 2015 sob o mesmo título e indicado a quatro Oscars.

4. Indianara Siqueira

Indianara, que é fundadora da Casa Nem, ressalta a importância de realizar a denúncia (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

A ativista transgênero Indianara Siqueira é um dos grandes expoentes da luta por direitos das mulheres trans no Brasil. Presidente do grupo Transrevolução, ela decidiu fundar a Casa Nem em 2015, um abrigo voltado para o acolhimento de pessoas LGBTQIA+ em situação de vulnerabilidade social.

O trabalho de Indianara foi reconhecido em 2019 pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, que lhe concedeu o Prêmio à Diversidade, Direito e Respeito à Cidadania. Ela também concorreu ao cargo de vereadora da capital carioca em 2016 e, novamente, em 2020.

Sua história pode ser vista no documentário “Indianara”, dirigido por Aude Chevalier-Beaumel e Marcelo Barbosa. O filme funciona como um retrato da vida da ativista e foi premiado em três festivais de cinema.

5. Erica Malunguinho

A deputada estadual Erica Malunguinho (Imagem: Bruno Santos/Folhapress)

Deputada estadual de São Paulo desde 2018, Erica Malunguinho é a primeira mulher trans eleita para a Assembleia Legislativa no Brasil. Ela é mestre em estética e história da arte pela Universidade de São Paulo e costuma aliar seus conhecimentos acadêmicos às lutas que defende.

Além de ativista antirracista, também trabalha em prol da pauta LGBTQIA+. Suas prioridades a respeito dela são a garantia dos direitos de pessoas trans e a inclusão das mesmas na força de trabalho.

Em 2016, Erica transformou seu estúdio de arte no Aparelha Luzia, uma espécie de centro cultural para incentivar as criações intelectuais e artísticas paulistanas. O lugar foi pensado por ela como um “quilombo urbano” e hoje é um dos espaços culturais negros mais respeitados do país.

+ sobre o tema

Arthur, transexual de 13 anos: “Acham que só quero chamar atenção”

Mesmo enfrentando preconceito e incompreensão fora de casa, o...

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Sem alarde nem preconceito Vigor aborda homossexualidade em anúncio para Facebook

Pode até ser que abordar homossexualidade em 2014 já...

Expulso de casa por ser gay, jovem divulga vídeo de briga com os pais

Pais evocam argumentos bíblicos para dizer que filho gay...

para lembrar

Quem É Ouro no Brasil

As fotos revelam que a principal fonte de medalhas...

Diplomacia brasileira quer acabar com rótulo de masculina, branca e de pai para filho

Para tentar espelhar de forma mais representativa a realidade...
spot_imgspot_img

Criola seleciona nanoinfluenciadoras para contar histórias de mulheres negras

Criola, organização da sociedade civil com mais de 30 anos de trajetória na defesa e promoção dos diretos das mulheres negras, está com seleção...

USP oferece mais de 4 mil vagas em cursos gratuitos para público 60+

O programa USP 60+ completa 30 anos de sua criação e está com as inscrições abertas para o primeiro semestre de 2024. A abertura de vagas se...

Fundamentalismo não pode impedir políticas para a população trans e travestis

Neste ano, os desafios das defensoras dos direitos da população LGBTQIA+ serão a superação da instrumentalização do pânico moral em torno das nossas pautas e estabelecer...
-+=