Trabalho premiado reflete sobre a mulher negra no Brasil

Dedicada ao Ano Internacional dos Povos Afro-descendentes, a segunda edição do Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-brasileiras acaba de distinguir o projeto “Afro retratos”, de Renata Felinto, doutoranda do Instituto de Artes (IA) da Unesp, Câmpus de São Paulo. Ela venceu como o melhor trabalho apresentado por artistas da região Sudeste. O prêmio é oferecido pela Fundação Cultural Palmares (FCP) em parceria com o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Osvaldo dos Santos Neves (Cadon).

De acordo com Renata, o trabalho utiliza o auto-retrato como forma de auto-conhecimento e de fortalecimento da figura negra pensada nas grandes cidades. “Apresentei 12 pinturas em tinta acrílica sobre papel, todas desenvolvidas a partir de auto-retratos nos quais a constituição física e o fenótipo feminino de afro-descendentes são adotados como mote para refletir sobre quem é a mulher negra brasileira, hoje”, diz a artista.

O resultado, segundo ela, aponta para um caldeirão de etnias, diverso daquele em que predominavam o candomblé e a capoeira, por exemplo. “Já não é mais possível ignorar outras influências, sejam elas americanas ou européias”.

Fascinada pelo tema desde a graduação, também concluída no IA, Renata, de 34 anos, dedicou seu mestrado em Artes Visuais, “Herança africana na arte”, à análise da obra de três artistas brasileiros: Rosana Paulino, de São Paulo, Eustáquio Neves, de Minas Gerais, e Edson Barros, do Rio de Janeiro. “Cada um a seu modo, esses três criadores levantam questões seculares para, em seguida, investigar o que, de fato, permanece como verdade num mundo globalizado”.

“Africanofagias paulistas”

Ao longo do doutorado, Renata vem estudando o termo “afro-brasileiro” quando aplicado às artes. “Críticos e historiadores têm usado essa expressão a partir de sua raiz sociológica, sobrepondo a origem do artista, a cor da sua pele, à criação propriamente dita”, ela explica. “Mas ninguém chama, por exemplo, Portinari de pintor ‘ítalo-brasileiro’, e sim de ‘modernista’. E Tomie Ohtake é ‘abstracionista’, não ‘nipo-brasileira'”.

Com passagens pela Pinacoteca do Estado, onde foi responsável pela mostra “Africanofagias paulistas”, em 2011, e também tendo trabalhado no Instituto Cultural Itaú e no Museu Afro Brasil, onde se dedicou à arte-educação durante seis anos, Renata pretende perseverar nessa trilha de desmistificação da mulher negra.

“Entre os auto-retratos, há rostos com traços japoneses, vikings ou quéchuas”, diz. “No meio caminho entre a tendência à eugenia, ao ‘embranquecimento’ da raça negra, e a manutenção de estereótipos, vale a pena tentar ver as coisas como elas de fato são”.

O prêmio outorgado a Renata, de R$ 30 mil, será destinado à produção de uma exposição, que deve ser aberta até, no máximo, o dia 30 de agosto de 2012, em local a ser definido.

Além das 12 obras, a mostra será acompanhada por três atividades: a oficina “A presença da mulher negra e afro-descendente como protagonista da cena artística contemporânea”; a exibição de um documentário sobre dança, realizado pela bailaria da Unicamp Luciane Ramos; e performances da atriz Maria Gal, da USP.

 

Fonte: Portal Universidade

+ sobre o tema

Como resguardar as meninas da violência sexual dentro de casa?

Familiares que deveriam cuidar da integridade física e moral...

Bruna da Silva Valim é primeira negra a representar SC no Miss Universo Brasil

Bruna da Silva Valim, candidata de Otacílio Costa, foi...

Luiza Bairros lança programas de combate ao racismo na Bahia

O Hino Nacional cantado na voz negra, marcante, de...

Elizandra Souza celebra 20 anos de carreira em livro bilíngue que conta a própria trajetória

Comemorando os 20 anos de carreira, a escritora Elizandra...

para lembrar

Dona Zica Assis responde ao artigo: “Respeite nosso cabelo crespo”

Carta de Zica Assis - Beleza Natural   Oi Ana Carolina, Meu...

Descolonizar a língua e radicalizar a margem

Uma resenha sobre “Um Exu em Nova York” de...

Rita Bosaho é a primeira mulher negra eleita deputada em Espanha

O resultado das recentes eleições é histórico também porque...

Evento gratuito voltado à literatura afro-brasileira é realizado em Porto Alegre

12ª Festipoa Literária começa nesta segunda-feira (29) e segue...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=