83% dos presos injustamente por reconhecimento fotográfico no Brasil são negros

Enviado por / FonteFantástico

Eles têm o mesmo perfil: jovens, pobres e negros. São cidadãos brasileiros que estudam, trabalham e sustentam a família. Mas existe outro ponto em comum. A reportagem especial do Fantástico deste domingo (21) investiga como funcionam os ‘catálogos de suspeitos’ em delegacias pelo Brasil. Em muitos casos, o reconhecimento por fotografia acaba sendo a única prova na hora de apontar um possível criminoso.

Para especialistas, reconhecimento por fotografia é uma prova sujeita a equívocos, falhas – que em alguns casos estão levando inocentes para a cadeia. Por isso, o reconhecimento fotográfico vem sendo motivo de debate. Um levantamento inédito feito pelo Condege, entidade que reúne defensores públicos de todo país, e também pela Defensoria Pública do Rio de Janeiro mostra que os negros são, de longe, as maiores vítimas desse tipo de erro: 83%. Na reportagem em vídeo, conheça histórias de vítimas de prisões injustas.

+ sobre o tema

Revendedora é condenada a indenizar por racismo

Fonte: Írohín - Jornal Online - Por Gabriela Galvêz O juiz...

Anitta e a deseducação política brasileira

Acantora Anitta respondeu publicamente, em suas redes sociais, às...

O mal que a mídia faz no caso da punição a adolescentes

25 anos de Estatuto da Criança e do Adolescente:...

para lembrar

A onça

Conto Karina esfrega as mãos. A água fria toca a...

Juiz chamado Hitler condena Casas Bahia por racismo

Empregado que foi vítima de discriminação racial será indenizado...

Mulher negra não é fantasia de carnaval

"Black face" é ferramenta de opressão e não desculpa...

Luiza Bairros defende cota para negros em todas pastas

A nova ministra da Secretaria de Políticas de Promoção...
spot_imgspot_img

Educação escolar de negros com deficiência é marcada por capacitismo e racismo

Apesar da acessibilidade ser um direito garantido por lei para as pessoas com deficiência, a falta de ambientes acessíveis foi um dos principais problemas...

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...
-+=