A África do Sul tem razão

O país sabe que genocídio não é um exercício teórico: é política de morte e um crime

O fato de o Hamas ter cometido crimes brutais —o sequestro de civis israelenses, ainda em curso, é um deles— não exime Israel de prevenir genocídio, tampouco autoriza o país a punir coletivamente Gaza. Dezesseis mil mulheres e crianças foram mortas em Gaza; 1,9 dos 2,3 milhões de habitantes deslocado; a cada 10 minutos, uma criança é morta.

Se Israel quisesse de fato que o Hamas fosse punido (como deveria sê-lo), aceitaria a jurisdição do Tribunal Penal Internacional (TPI) e com ele cooperaria —a única corte internacional hoje que poderia punir indivíduos, inclusive do Hamas. O fato de Israel não o fazer revela a hipocrisia que desdenha de qualquer supervisão internacional, enquanto reclama que ninguém pune o Hamas.

O ministro da Justiça da África do Sul, Ronald Lamola (à esq.), e o embaixador do país na Holanda, Vusimuzi Madonsela, em audiência na Corte de Haia – Thilo Schmuelgen/Reuters – REUTERS

A África do Sul não é uma novata irresponsável, embora os racistas de plantão queiram nos fazer crer que é. O país tem a melhor Constituição do mundo e um corpo de juristas de fazer inveja a qualquer um. As 84 páginas da petição sul-africana mostram que não se trata de amadorismo nem antissemitismo, que sempre deve ser combatido. A África do Sul começa se solidarizando com as vítimas israelenses do dia 7 de outubro, como deveria.

O país sabe que genocídio não é um exercício teórico: é política de morte e um crime. E tem razão em questionar por que Israel falha em prevenir genocídio e por que não pune quem os incita. Se a parte mais difícil de provar genocídio é demonstrar a sua intenção de destruir um grupo, a África do Sul lista falas e atos de autoridades israelenses que a mostram. Ou Israel mentiu ou falou a verdade: nas duas hipóteses deveria ser responsabilizado.

Perguntar se Israel está fazendo tudo ao seu alcance para prevenir que se mate ou deixe morrer palestinos não deveria ofendê-lo. O ato sul-africano é corajoso porque faz uso do sistema internacional construído para calar os países colonizados. A solução estrutural recai em dois Estados iguais em direito e dignidade. Como ninguém, a África do Sul sabe ver um apartheid quando há um.

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

O que nos ensina Shakespeare sobre tirania

Livro de cabeceira de Angela Merkel nos diz como...

Thiago Amparo: Na prática, STF decidirá se a lei vale para pessoas negras

O plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) retoma hoje o julgamento sobre...

A infância lá e cá

Na mais contundente nota emitida até aqui sobre o...
spot_imgspot_img

Capitalismo é incompatível com democracia, afirma escritor Achille Mbembe

Um dos mais importantes pensadores do mundo, o camaronês Achille Mbembe, de 66 anos, rejeita simplificações ao falar sobre as ruínas da geopolítica contemporânea. Ele recorre...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Um samba de cor e de protesto

"Eu aprendi o português, a língua do opressor / Pra te provar que meu penar também é sua dor." Com versos tão cortantes quanto...
-+=