A África pode ser o próximo Bric

Por: JIM O’NEILL

O progresso do Egito e da Nigéria é crucial para o desenvolvimento do continente africano


A VISITA do presidente sul-africano, Jacob Zuma, à China, na semana passada, compreensivelmente atraiu muitos comentários. Ele sem dúvida está ávido por promover um relacionamento mais estreito com Pequim, já que a China no ano passado se tornou o maior parceiro comercial de seu país.

É diante desse cenário, em que vários países africanos parecem ter escapado aos efeitos mais adversos da crise, que me perguntam cada vez mais se o Bric não merece um “s” no final, para a África do Sul -e se a África como um todo não deve ser vista como dotada do mesmo futuro brilhante reservado aos brasileiros, aos russos, aos indianos e aos chineses que o formam.

Depois que a África do Sul sediou com sucesso a Copa do Mundo de futebol, mais e mais pessoas estão concentrando as atenções nas oportunidades que a África oferece.

O PIB (Produto Interno Bruto) combinado do continente é semelhante ao de Brasil e Rússia e ligeiramente superior ao da Índia.

Além disso, da lista dos “11 próximos” países -apelido que eu e meus colegas demos às nações populosas emergentes que vêm logo abaixo dos Bric em termos de perspectivas promissoras-, dois ficam na África: Egito e Nigéria.

Nesse contexto, e enquanto os dirigentes sul-africanos falam com entusiasmo sobre suas aspirações a uma situação como a dos Bric, decidi considerar mais a fundo o potencial da África para se tornar uma economia parecida com esse grupo.

Se considerarmos a África em termos coletivos, e a considerarmos sob os mesmos padrões que determinam nossos cenários para os Bric, os 11 próximos e as demais grandes economias em 2050, teremos uma economia tão grande quanto a de alguns dos Bric.

Se estudarmos o potencial das 11 maiores economias africanas para os próximos 40 anos (considerando fatores como demografia, mão de obra ativa e produtividade), seu PIB combinado em 2050 pode superar os US$ 13 trilhões, o que as tornaria maiores que o Brasil e a Rússia, mas não que a China ou a Índia.

Um aspecto interessante é que quase metade desse PIB se originaria do Egito e da Nigéria, de modo que o progresso desses países é crucial para o potencial do continente. Entre os 11, a África do Sul tem papel crítico, por ser mais desenvolvida e por servir de certa forma como portal para o sul da África.

A África do Sul, no entanto, não conta com população suficiente -tem só 45 milhões de habitantes- para ser um Bric de modo isolado.
Mas a Nigéria, com 180 milhões ou mais, está perto de abrigar 20% da população africana. Caso aja de maneira correta, sua economia pode superar as de Canadá, Itália e Coreia do Sul em 2050.

Caso a África deseje ser vista como equivalente aos Bric, a tarefa não seria tão difícil como se costuma imaginar. Mantemos um índice de 13 diferentes variáveis que são críticas para o crescimento sustentável e a produtividade. Designamos o método Boletim de Ambiente de Crescimento e estimamos dados anualmente para quase 180 países em todo o mundo.

As notas podem variar de 0 a 10; quanto mais altas, maior a produtividade ou o crescimento sustentável. Dos próximos 11 países, a Coreia do Sul tem nota 7,4, a mais elevada, e nível comparável aos melhores entre os países desenvolvidos. A Nigéria tem 3,5, a segunda mais baixa.

Isso pode parecer ruim, mas a nota das quatro economias do grupo Bric é de apenas 4,9. Para os 11 países africanos, a nota média é de 3,5. A fim de atingir seu potencial em 2050, os países africanos precisam elevar suas notas de maneira significativa. Políticas macroeconômicas estáveis, concentradas em baixa inflação e em evitar dívida pública e externa altas demais, talvez sejam as metas mais simples.

A África do Sul demonstrou ser uma anfitriã digna da Copa. Agora, cabe aos grandes países africanos e aos seus líderes avançar a partir dessa base. Transparência e fomento a um ambiente propício aos negócios são as tarefas em que Zuma e os demais líderes africanos deveriam se concentrar. De outra forma, o sonho de uma África em situação semelhante à dos Bric será apenas isso -um sonho.

 

JIM O’NEILL é economista-chefe do banco Goldman Sachs e cunhou a sigla “Bric”. Este texto foi publicado originalmente no “Financial Times”.

Tradução de PAULO MIGLIACCI

 

 

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

UA recompensa cientistas africanos

A União Africana (UA) identificou cinco cientistas africanos para...

A literatura engajada do Nobel de Literatura Wole Soyinka

Por: Nahima Maciel Wole Soyinka foi o primeiro e único...

Negros estrangeiros buscam Mama África paulistana

Segundo relatório da Polícia Federal de dezembro de 2013,...

para lembrar

Primeira usina solar que transforma água do oceano em água potável está no Quênia

Um relatório recente disponibilizado pela UNICEF e pela Organização...

Eto’o e Drogba detonam médicos que sugeriram teste para vacina contra a Covid-19 na África

Camaronês e marfinense apontam racismo na proposta dos pesquisadores Do...

‘Ela só queria nos humilhar’ conta estudantes africanos sobre racismo da polícia em Porto Alegre

Samir Oliveira Quando vieram ao Brasil em busca de aperfeiçoamento...

Medo do Ebola jogou 2 jovens africanos nas ruas de SP

Justiça negou acolhimento em abrigo e meninos foram colocados...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=