A cerveja, a comida e um corpo estendido no chão

Nada pode ser mais preocupante que a indiferença diante da morte. É o principal sintoma de uma sociedade deteriorada

Por: Fábio Campos

Há poucos dias, um jovem foi assassinado a tiros na praça da Gentilândia (Fortaleza-CE). A repercussão na cidade não foi grande. Apenas mais um homicídio. O caso virou notícia de rodapé de jornal. Do tipo que tem todo santo dia. Também deve ter saído nos programas policiais que servem defuntos na hora do almoço.

O noticiário informa que foi mais um homicídio de um tipo que se tornou muito comum. Possivelmente, segundo a PM, o caso se relaciona com o tráfico de drogas. A área foi isolada pela PM. Coberto por um lençol, o corpo passou horas estendido no chão.

No dia seguinte, alguém colocou nas redes sociais uma foto retratando uma exdrúxula situação. Na imagem, mesas e cadeiras fora da área isolada. Gente comendo, bebendo, se divertindo. Há poucos metros, o corpo.

Notem que o defunto sob o lençol é apenas um componente a mais da paisagem. Ninguém parece incomodado com o intruso e sua poça de sangue. Desconfiei da imagem. Não acreditei que as pessoas fossem tão frias a ponto de continuar em suas mesas, tomando cerveja, comendo sanduíche e mirando a vítima.

Sim sei que a morte a vida estão banalizadas em Fortaleza e adjacências. Vez ou outra, vejo na TV as crianças se divertindo para as câmeras diante de mais um assassinato na vizinhança. Mas, adultos impassíveis, serenos, comendo e bebendo indiferentes diante do corpo que jazia é um quadro que eu não queria crer como real.

Desconfiado, pesquisei e encontrei outras fotos de outros ângulos. Ficou claro que não era montagem. Sim, já é possível comer um salgado, tomar uma cerveja e bater um papo diante de um corpo a espera da perícia e do rabecão. Chegamos a esse terrível e triste ponto.
O assassinato em questão se deu no início da noite de quinta-feira da semana passada. Na segunda-feira seguinte, o noticiário dizia que ocorreram 34 homicídios na Grande Fortaleza entre a noite de sexta-feira e a noite de domingo. É provável que cenas similares tenham se reproduzido outras vezes.

Nada pode ser mais preocupante que a indiferença diante da morte. É o principal sintoma de uma sociedade deteriorada. No vácuo da autoridade pública, que nem sequer lamenta a montanha de mortos, muitos naturalizam a violência. Outros passam a incentivar os linchamentos.

E assim caminhamos. Não sei exatamente para onde, mas não pode ser um bom futuro se a vida, bem maior da humanidade, não vale o preço se um salgadinho frio.

 

Fonte: Pragmatismo Politico

+ sobre o tema

Pharrell Pede Desculpas Por Usar Cocar em Capa de Revista

O cantor posou para a Elle UK usando o...

A mente de Pelé ainda está presa numa senzala

Por: Marco Antonio Araujo Mais uma obra pode ser incorporada...

COTAS RACIAIS: Thomaz Bastos sai em defesa de política na conferência da OAB

  Curitiba (PR), 24/11/2011 - O membro honorário vitalício da...

Itália: jogos podem ser suspensos por racismo

  Presidente da Federação Italiana de Futebol diz que instituição...

para lembrar

Polícia Civil vai mapear todos os agentes envolvidos em mortes em São Paulo

O DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa),...

Sociólogo analisa caso de racismo com aposentada de Mogi

por DANILO SANS "Eu me senti envergonhado como cidadão...

Arrependimento não serve para anular indenização por ofensas

Acórdão foi assinado pelo desembargador Theodureto Camargo, da 8ª...

Daniel Echaniz é expulso do BBB 12

  BBB: Daniel é eliminado por comportamento inadequado...
spot_imgspot_img

Racista é condenado a oito meses de prisão por ataques a Vini Jr

O Real Madrid anunciou, nesta quarta-feira, que um racista foi condenado a oito meses de prisão por ataques a Vinicius Junior e Rüdiger. As agressões foram...

Da neutralidade à IA decolonial

A ciência nunca esteve isenta das influências e construções históricas e sociais do colonialismo. Enquanto a Revolução Industrial é frequentemente retratada como o catalisador...

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...
-+=