A cruzada contra as mulheres brasileiras

Em um primeiro momento, as forças que sustentam movimentos ultraconservadores parecem ser heterogêneas e dispersas. Um olhar atento revela que essas forças estabelecem articulações inusitadas, como as alianças do Brasil com Arábia Saudita, Bahrein, Qatar, Paquistão, Egito, Afeganistão e Sudão no Conselho de Direitos Humanos da ONU. Único país ocidental nessa articulação, o Brasil, que professa majoritariamente o cristianismo, aliou-se a países islâmicos e ultraconservadores onde as mulheres são, ainda, cidadãs de segunda categoria.

É importante que as mulheres brasileiras, cidadãs com plenos direitos, saibam que, na esfera das Nações Unidas, é com esses países que o Brasil se alia em temas relativos aos seus direitos humanos. Em nome de quem fala o Brasil ao adotar tal posição na ONU?

Em reunião do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, cujo tema principal era a aprovação de resolução proposta pelo México sobre a discriminação contra mulheres e meninas, o Brasil, aliado a esses países, se colocou contra a inclusão de parágrafos inteiros que recomendavam o acesso a informações e métodos contraceptivos —e a direitos e à saúde sexual livre de coerção e discriminação, assim como a textos relativos à prevenção e ao tratamento de infecções sexualmente transmissíveis e ao aborto legal. Nessa reunião, a delegação brasileira ainda se posicionou contra a inclusão do direito ao acesso universal à educação sexual.

Em nosso país, milhões de brasileiras exercem direitos assegurados na Constituição e em legislações nacionais relativos à sua vida sexual e reprodutiva. Utilizam métodos contraceptivos, recorrem a serviços de saúde para tratar infeções sexualmente transmitidas e podem optar por recorrer ao abortamento seguro, realizado em condições médicas e sanitárias adequadas, se são vitimas de estupro, correm risco de vida ou o feto é anencefálico.

Em nome de quem fala o Ministério das Relações Exteriores ao se colocar contra os direitos assegurados às cidadãs brasileiras? Será que fala apenas em nome de radicais fundamentalistas, como os que negaram a uma menina de dez anos o direito de interromper uma gestação resultante de estupro?

É importante aproximar essas posições do governo em foros internacionais do cotidiano das mulheres e meninas brasileiras, alertar para o fato de que política externa e políticas públicas nacionais se entrelaçam atualmente em uma coreografia perversa de negação de direitos.

O silêncio do Brasil no Conselho de Direitos Humanos ao se abster junto com Qatar, Líbia e Afeganistão de votar, e aprovar a resolução, aceita pela maioria dos governos, contra a discriminação de mulheres e meninas e pelos seus direitos sexuais e reprodutivos, não é neutro. É um silêncio que ecoa marcando sua parceria com países que se caracterizam pela submissão das mulheres. É um silêncio que nos envergonha.

Em nome de quem o Brasil se empenha em destruir o que foi assegurado em documentos internacionais e regionais assinados em outros governos, contrariando inclusive leis e políticas públicas vigentes no país?

Trata-se de uma cruzada contra os direitos e a saúde sexual e reprodutiva das mulheres. Em nome de quem cavalgam esses cruzados?

Jacqueline Pitanguy
Socióloga, é ex-presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (1986-1989) e ex-professora da Universidade Rutgers (EUA)

+ sobre o tema

Exploração sexual de crianças e adolescentes só tem 20% dos casos denunciados

Denúncias de exploração sexual de crianças e adolescentes representam...

Internet impulsionou surgimento de um novo feminismo

Redes sociais ajudaram a divulgar campanhas que chegaram às...

Arquitetura dos direitos reprodutivos e ameaças ao aborto legal e seguro

Iniciamos esta reflexão homenageando a menina de 10 anos,...

para lembrar

Brasil tem quarta maior população carcerária do mundo

Com cerca de 500 mil presos, o Brasil...

UBM repudia a indicação de Marco Feliciano para presidir CDHM

  A UNIÃO BRASILEIRA DE MULHERES – UBM, manifesta sua...

Rubens Paiva exige pedido de desculpas de Alckmin

Escritor Marcelo Rubens Paiva, que teve o pai morto...
spot_imgspot_img

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU em Genebra, na Suíça, com três principais missões: avançar nos debates...

Tempo para início de tratamento de câncer de mama é 3 vezes maior que o previsto em legislação

O tempo médio para o início do tratamento de câncer de mama no SUS (Sistema Único de Saúde) é quase o triplo do período previsto pela Lei...

Conselho de direitos humanos aciona ONU por aumento de movimentos neonazistas no Brasil

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), órgão vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, acionou a ONU (Organização das Nações Unidas) para fazer um alerta...
-+=