A ostentação negra incomoda

ostentação

Ostentar significa “alarde, exibição vaidosa, vanglória”. Qualquer um pode ostentar. Mas o sentido da palavra ganha novas texturas quando analisamos à questão simbólica da ostentação das pessoas negras. E ela incomoda.

Por Silvia Nascimento no Mundo Negro

ostentação2

Escravidão. Palavrinha tão esquecida quando falamos de racismo, mas tão fundamental para contextualizar a “ostentação negra”. A avó da minha avó foi escrava, ou seja, ela não era livre (tem que frisar porque tem gente que romantiza escravidão). Ela comia restos, não tinha folga, rezo para que ela nunca tenha sido espancada e estuprada, mas muitas foram, e provavelmente, ela nunca comprou nada, já que não recebia salário ou qualquer tipo de benefício.

12-years-a-slave-de-steve-mcqueen
Cena do filme “12 anos de escravidão

Os anos se passaram, pessoas negras trabalham, ganhando menos, mas trabalham e o poder de compra, para nós negros, é o que nos torna visível. A publicidade não nos reconhece como povo que representa metade da população, mas qualquer ameaça a boicote à uma marca, fazem os publicitários correrem para redes sociais para esparramar o mais “sincero” senso de diversidade étnica. Somos visíveis de acordo com a conveniência (deles).

Dinheiro é poder. Se é certo ou errado não é a proposta desse texto, mas é assim desde que o mundo é mundo. Beyoncé na canção Formation profetiza “a melhor vingança é o dinheiro”, o que me retorna à memória da minha tataravó que possivelmente via suas donas todas elegantes e cheirosas e ela provavelmente nunca comprou um sabonete.

ostentação3
Taís Araújo e Lázaro Ramos. Dentro de fora das telinhas não ostentam mas não escondem que gostam das boas coisas da vida

Correntes de ouro, diamante nos dentes, Givenchy, Prada, Louis vuitton. Comprar e ostentar essas marcas para nós negros, significa que apesar da dívida história que a humanidade tem conosco, nós vencemos. Eu compro porque eu trabalho. Eu compro porque eu posso. E eu uso porque meus antepassados foram privados do consumo. Eu ostento para mostrar aos meus pares menos afortunados, de que assim como eu consegui, eles também conseguem.

 

Silvia Nascimento
Silvia Nascimento é jornalista e diretora de conteúdo do site Mundo Negro. Ela foi considerada umas das negras mais influentes da Internet em 2013 pelo coletivo Blogueiras Negras. Em 2015 ganhou o prêmio EmpregueAfro de Valorização da Diversidade Étnico-Racial. O que a move é a consciência de que ela tem o poder de fazer os que seus antepassados foram impedidos: usar a informação para combater a desigualdade racial.

+ sobre o tema

Misoginia e racismo na renúncia em Harvard

Muitos têm sido os desdobramentos da guerra em Gaza, cujos...

Protestos por George Floyd: em seis áreas, a desigualdade racial no Brasil e nos EUA

A eclosão de manifestações nos Estados Unidos e no...

Cotas para negros em concurso público ficam para 2013

O projeto ainda está em análise no Ministério do...

para lembrar

Extra é condenado por abordagem contra cliente negra: “questão racial”

Uma decisão em primeira instância da Justiça condenou o Extra por...

QUERO (QUEREMOS) FICAR: nota sobre respiração no litoral-periferia

Resumo: O presente texto visa explicitar reflexões sobre a...

Racismo a Balotelli gera revolta; fãs pedem saída da seleção

O novo episódio de racismo no futebol europeu,desta vez...
spot_imgspot_img

Mbappé, a extrema direita e a pergunta: quem tem direito de ser francês?

Quando Mbappé concedeu uma coletiva de imprensa, há poucos dias, um repórter pegou o microfone para fazer uma pergunta ao craque da seleção francesa....

Qual o impacto do racismo nas desigualdades?

Para a polícia de São Paulo, a diferença entre um traficante e um usuário de drogas pode estar na cor da pele, aponta uma...

Igualdade racial como estratégia de desenvolvimento

A desigualdade racial no Brasil é enorme, qualquer que seja a dimensão considerada –renda, educação, vitimização ou saúde, para citar algumas das mais importantes. Elas...
-+=