Abolição inacabada

Três especialistas sobre escravidão e abolição falam sobre o 13 de Maio e de como esta data ainda carece de análise e compreensão da sociedade brasileira

A praça estava uma agitação só, e o menino Afonso Henrique, então com sete anos (ele, que nascera em 13 de maio de 1881, comemorava aniversário naquele dia – 13 de maio de 1888), observava tudo aquilo num misto de medo e deslumbramento, apertando ainda mais a mão do seu pai, João.

A cena, carregada de simbolismo, seria escrita anos mais tarde pelo escritor Lima Barreto, em seus diários, lembrando do que foi para ele o dia em que a população comemorou, no centro do Rio de Janeiro, a libertação dos escravos por meio da Lei Áurea, e que extinguiu a escravidão no Brasil.

Mas não só o episódio ficaria nas memórias de infância do escritor, como também o fato de que aquela a Lei pouco tinha feito para os negros e mestiços na ocasião, idos de 1910.

Poder-se-ia argumentar que naquele momento ainda era muito cedo para que a tal lei pudesse trazer alguma mudança significativa para os ex-escravos e seus descendentes.

“Mas uma lei, por mais desejada que ela seja, não tem a força de jogar por terra o passado histórico”, explica Wlamyra R.de Albuquerque, professora de história da Universidade Federal da Bahia (UFBA), autora de O Jogo da Dissimulação, abolição e cidadania negra no Brasil (Companhia das Letras).

E o que foi esse nosso passado histórico de escravidão que moldou, segundo a autora, as relações de subordinação sócio-racial brasileira e que perdura até hoje em nossa sociedade; passados 122 anos da Abolição da Escravidão? “Como considerar que todos eram cidadãos numa sociedade tão assentada de relações raciais assimétricas?”, indaga Wlamyra.

Abolição inacabada
Abolição inacabada

Para se compreender o problema da inserção do negro na sociedade e da questão racial brasileira com o fim da escravidão, segundo qualquer historiador sério que se preze, é necessário entender como se deu o processo que culminou com a abolição. “A abolição em 1888 foi o desfecho de um longo processo de desmantelamento da escravidão.

Desde pelo menos 1850, quando o tráfico atlântico de escravos foi proibido, a questão servil, como se dizia na época, preenchia a pauta política. Até a escravidão ser finalmente extinta no Brasil, em 1888, muitos escravos já tinham conseguido – por seus próprios meios e esforços – suas cartas de alforria.

Isso significa que bem antes de 1888, boa parte da população (negra) brasileira já era formada por libertos. Uma gente que trabalhava, se divertia, estabelecia e resolvia seus conflitos, construía vínculos familiares e religiosos a partir do longo aprendizado no cativeiro, mas também vislumbrando as mudanças decorrentes da abolição”, explica Wlamyra.

Fonte: Raça Brasil

+ sobre o tema

Os Lanceiros Negros e a Revolução Farroupilha

No dia 30 de abril de 1838, durante a...

Graça Machel inaugura universidade pan-africanista

O primeiro campus da African Leadership University (ALU) está...

Comunidade quilombola de Cairu (BA) é ameaçada por fazendeiro

Batateira, quilombo situado numa ilha no município de...

para lembrar

Morre, José Marmo, coordenador da Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde

Perde-se um grande ativista, incansável na busca por respostas...

TERREMOTO HAITI:Mundo prepara envio de ajuda para vítimas do terremoto no Haiti

Vários países e instituições internacionais já prometeram ajuda...

Representatividade: Uma música especialmente para as cacheadas e crespas

Representatividade para cacheadas e crespas: Uma música especialmente para as...

‘Agora pai do Thiago’, Mazinho vibra com sucesso do filho na Espanha

Ex-jogador, no entanto, lamenta falta de chances para revelação...
spot_imgspot_img

‘Está começando a segunda parte do inferno’, diz líder quilombola do RS

"Está começando a segunda parte do inferno", com esta frase, Jamaica Machado, líder do Quilombo dos Machado, de Porto Alegre, resumiu, com certo desânimo, a nova...

Spcine marca presença no Festival de Cinema de Cannes 2024 com ações especiais

A Spcine participa Marché du Film, evento de mercado do Festival de Cinema de Cannes  2024 e um dos mais renomados e influentes da...

Inéditos de Joel Rufino dos Santos trazem de volta a sua grandeza criativa

Quando faleceu, em 2015, Joel Rufino dos Santos deixou pelo menos dois romances inéditos, prontos para publicação. Historiador arguto e professor de grandes méritos, com...
-+=