Morte de fazendeiro branco reaviva tensão racial na África do Sul

Por: FÁBIO ZANINI

Assassinato de líder de organização supremacista AWB é uma declaração de guerra dos negros, afirma porta-voz do grupo

Homicídio, entretanto, não estaria vinculado a questão racial, indicam investigações; episódio causa preocupação a poucos meses da Copa


O assassinato do líder direitista branco Eugene Terreblanche, 69, anteontem em sua fazenda na África do Sul ameaça reacender as dormentes tensões raciais no país.

Terreblanche era o principal representante de uma ala diminuta, mas ainda influente, de radicais africâners (descendentes de colonizadores holandeses) que nunca aceitaram o fim do apartheid. O regime de segregação racial perdurou entre as décadas de 40 e 90 no país.

Ele presidia o Movimento de Resistência Africâner (AWB, na sigla em africâner), que se inspirava no nazismo, inclusive no símbolo, uma referência à suástica.

Terreblanche foi morto no sábado na cidade de Ventersdorp (a 100 km de Johannesburgo), e a polícia suspeita que o crime tenha sido cometido por empregados negros de sua fazenda em razão de disputas trabalhistas. Ainda que tudo indique que a morte não tenha tido conotação política, um porta-voz do grupo radical ameaçou ontem com retaliações.

“A morte do sr. Terreblanche representa uma declaração de guerra da comunidade negra da África do Sul contra a comunidade branca, que vem sendo morta nos últimos dez anos”, afirmou Andre Visagie.

É uma referência aos assassinatos de fazendeiros no campo, sobretudo brancos. A quase totalidade dos crimes, no entanto, não tem caráter político e pode ser debitada na conta do aumento da violência no país.

De qualquer maneira, o assassinato do líder branco vem num momento delicado para as relações raciais sul-africanas. Há duas semanas, o líder da ala jovem do partido governista, o Congresso Nacional Africano (CNA), Julius Malema, foi proibido por ordem judicial de cantar uma música da época da resistência ao apartheid que diz, em um dos versos, “atire no boer [sinônimo para fazendeiro em africâner]”.

A canção, dizem líderes brancos, incita ao ódio. Malema e o CNA estão recorrendo da decisão, afirmando que a música é parte do legado histórico da luta contra a discriminação.

Há outros exemplos. O próprio presidente da África do Sul, Jacob Zuma, tem como seu “hino pessoal” uma música cujo título é “traga-me minha metralhadora”, que ainda hoje costuma entoar em eventos políticos. É uma referência à época em que ele liderava o serviço de inteligência do braço armado do CNA, nos anos 70.

 

Zuma, ontem, pediu calma à população. “É nossa responsabilidade denunciar esse crime e nos distanciar de declarações que possam reverter os processos de construção nacional e coesão racial”, declarou. O governo está preocupado também porque em pouco mais de dois meses a África do Sul sediará a Copa do Mundo -ontem, o porta-voz do AWB chegou a dizer que seu movimento instaria as seleções a não virem disputar a competição.

O país tem cerca de 10% de sua população formada por brancos. Desses, dois terços são africâners como Terreblanche, e o restante tem ascendência inglesa. A esmagadora maioria hoje aceita o fim do apartheid, mas há franjas radicais que ainda não se conformam com a democracia racial.

 

 

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

Ele se inspirou na série favorita para bolar o jeito mais criativo de procurar estágio

O forte do brasileiro, sem dúvida, é a criatividade....

[Afrofuturismo] O futuro é negro o passado e o presente também

Muito mais que uma estética da moda, Afrofuturismo é,...

LADÁRIO: Semana da Consciência Negra

Fonte: Correio do Estado -   A Semana...

para lembrar

Chega de Intolerância – Não toquem em nossos terreiros

Respeitem nosso direito de crença Conheçam nossos...

Capa da Rolling Stone Brasil com Taís Araújo e Lázaro Ramos concorre a prêmio

A edição 113 da revista Rolling Stone Brasil –...

Você precisa conhecer os desenhos do nigeriano Arinze Stanley que parecem fotografias

O jovem Arinze Stanley, artista baseado na Nigéria, levou a pintura...

Senado celebra Dia Nacional da Consciência Negra

Fonte: Agência Senado- A partir de solicitação do senador...
spot_imgspot_img

Livro sobre Luiz Gama o consagra como o maior advogado negro da abolição

Impossível não ficar mexido, ou sair a mesma pessoa, com a mesma consciência dos fatos narrados, depois da leitura de "Luiz Gama Contra o Império",...

Exposição e seminário em São Paulo celebram legado de Nelson Mandela

No dia 18 de julho é celebrado o Dia Internacional Nelson Mandela, data estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em reconhecimento à contribuição...

Oito em cada dez quilombolas vivem com saneamento básico precário

De cada dez quilombolas no país, praticamente oito vivem em lares com saneamento básico precário ou ausente. São 1,048 milhão de pessoas que moram...
-+=