Absurdo: Deputada tenta justificar por que homens agridem e matam mulheres

Ainda tem gente que acredita que a natureza é responsável pela violência contra a mulher. A deputada Keiko Ota (PSB-SP), vice-presidente da Comissão Mista de Combate à Violência contra a Mulher, é uma dessas.

 Grasielle Castro

Em uma conversa com o Brasil Post e a relatora da comissão, deputada Luizianne Lins (PT-CE), Keiko tentou justificar por que homens agridem mulheres.

Ela explicou que está lendo um livro que fala sobre sobre as diferentes características entre pessoas do sexo masculino e feminino: “Se os dois fazem a mesma função, não dá certo. Briga e leva até a morte.”

“A mulher tem uma característica toda arredondada. Pode ver: os seios, o quadril, de envolver. O homem é todo rígido, força, razão, entendeu? Quando eles se casam e a mulher quer fazer o mesmo papel que ele, entra em conflito.”

Neste momento, Keiko foi interrompida por Luizianne que perguntou “qual papel?”.

A vice-presidente da comissão, então, respondeu: “Papel… Tem mulher que levanta a voz e fala, fala. O homem, por natureza, não gosta disso aí”.

Novamente, Keiko é interrompida por Luizianne. “Não pode esperar da gente baixar a voz para não apanhar”, disparou a petista.

Para finalizar a conversa, a socialista emendou: “Se não deu certo, cada uma para um canto, não tem que matar. Mas se sair com raiva e ódio, ele vai e mata“.

O semestre terminou e, por falta de quórum, a comissão não aprovou o plano de trabalho. As primeiras visitas do colegiado só serão realizadas a partir de agosto.

*Keiko não revelou em que livro se inspirou para opinar sobre violência contra a mulher.

+ sobre o tema

A nova propaganda machista e manipuladora da Avon – Por Jarid Arraes

Muito se fala sobre como as propagandas manipulam a...

Anne Quiangala, que não tem medo de dizer que é ‘ok ser mulher, negra e nerd’

"Se você coloca ‘nerd’ no Google a imagem não...

Feminismo para leigos

É comum escutar: "Não sou feminista, sou feminina"; "Não...

Número de mulheres que fazem doutorado no exterior ultrapassa o de homens

Mulheres são maioria entre os doutores brasileiros titulados no...

para lembrar

Queens negras de RuPaul lançam show pra celebrar beleza e cultura afro

A performance celebrará a excelência negra e estrelará algumas...

Mais de 714 mil mulheres podem ser vítimas de violência nas universidades em 2016

Trotes podem ser momentos de risco e vulnerabilidade para...

De Jean Wyllys a Marina: “Você mentiu a todos nós”

O deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) reagiu, indignado, ao recuo...

Michelle Bachelet quer combater a violência doméstica

 Nomeada em 14 de setembro para chefiar a ONU...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=