África do Sul abre a Copa com música e campanha por educação

Por: Zé Gonzalez

 

Em três horas de show, homenagens e apelos, os sul-africanos mostram, no distrito de Soweto, aquilo que darão ao planeta nos próximos 31 dias


Os sul-africanos, com toda a sua alegria, adoram festa. Os sul-africanos, por si só, já são uma festa. E nada melhor que uma grande celebração para marcar o início da 19ª Copa do Mundo de futebol, a primeira realizada na África. Nesta quinta-feira, um dia antes de a bola rolar nos gramados, o Orlando Stadium, em Soweto, viu o que o planeta vai ver nos próximos 31 dias: muita alegria! Num show com três horas de duração, repleto de astros da música internacional, a Copa começou prometendo deixar como maior legado a educação e exaltando o líder Nelson Mandela.

Um continente que passou séculos convivendo com os olhares desconfiados do resto do mundo estava em êxtase ao saber que de 11 de junho a 11 de julho o mundo estará com os olhos voltados para ele.

 

Diante de um público estimado em 36 mil pessoas, o presidente sul-africano, Jacob Zuma, e o presidente da Fifa, Joseph Blatter, abriram as cortinas do espetáculo.

– Estou muito feliz em estar aqui. O futebol conecta os povos. A meta de toda essa festa é a educação para todos – disse Blatter, dando o primeiro aviso sobre “educação”.

 

Zuma agradeceu à Fifa por ter escolhido a África do Sul, seis anos atrás, como sede da Copa do Mundo de 2010 e poder dar a quase 50 milhões de pessoas a oportunidade de viver um sonho que talvez fosse impensado para a esmagadora maioria delas.

– Hoje conseguimos provar que a África tem capacidade de organizar um evento de proporção mundial. E peço que todos vocês mostrem esse calor aos visitantes até o dia em que eles forem embora daqui. A África é a sede. A África é o palco. A África é “cool” (legal) !!!

 

Seguindo o protocolo, os telões do Orlando Stadium exibiram um filme com diversas personalidades do futebol. Entre tantos craques da bola, foi o brasileiro Pelé, tricampeão do mundo, quem encerrou o clipe “Um Gol. Educação Para Todos!” (sendo que, em inglês, a palavra goal também significa “objetivo”). Hora da festa! E sem as vuvuzelas, barradas na porta para que o barulho não atrapalhasse os artistas e suas músicas.

 

Perguntando “onde está o amor?”, com versos do hit “Where Is The Love?”, o Black Eyed Peas entrou no palco para abrir o show. Na voz de Fergie, a banda norte-americana animou o público com quatro dos seus maiores sucessos: “Pump It Up”, “Meet Me Halfway”, “Boom Boom Pow” e “I Gotta Feeling”.

abertura_copa_reu.jpg620

Depois, foi a vez de Amadou & Mariam, uma dupla de cegos do Mali, com duas músicas. Novamente, uma pausa para outro filme. Novamente, sobre educação. Com a tela dividida em duas, o curta mostrou a caminhada de Mary e Susan do nascimento até os 24 anos. A primeira, sem nenhum acesso aos estudos. A segunda, criada num mundo de livros, apostilas e escolas. O fim das duas não seria difícil de prever e o filme termina com ambas num hospital: Mary, miserável, acaba de perder o seu bebê; Susan era a médica de plantão. “Um Gol. Educação Para Todos!”.

 

Quando chega a vez de Desmond Tutu. Todo paramentado de Bafana Bafana, o prêmio Nobel da Paz de 1984 roubou a cena. Dançando, cantando, rindo e fazendo rir, o arcebispo parecia não acreditar no que estava acontecendo. Por mais de uma vez ele disse “estou sonhando, alguém pode me acordar?”. E não poupou elogios àquele que é o grande responsável pelo país estar respirando alegria depois de tanto tempo de sofrimento.

– Estamos em Soweto e ele está em Joanesburgo (separados por poucos quilômetros). Mas se a gente gritar ele escuta: “Mandeeeeeela!!!”, “Viva, Madibaaaaaaa!” – ordenou Tutu, o chamando pelo apelido carinho e obviamente atendido por todos.

 

Sem dúvida nenhuma que Mandela, morador do bairro de Houghton, escutou. Escutou e com certeza se emocionou. Aos 91 anos, o ex-presidente sul-africano e grande ícone pelo fim do apartheid, não foi ao show. Raramente ele faz aparições públicas, mas nesta sexta-feira Madiba irá ao Soccer City para a partida de abertura da Copa, entre África do Sul e México, a partir das 16h (11h pelo horário de Brasília). Antes de se despedir, Desmond Tutu gritou um dos slogans do Mundial.

– Ke Nako !!! (“Chegou a hora”) – despediu-se o arcebispo, chamando mais um clipe.

 

Na tela, Mandela. Um rápido vídeo mostrou momentos do grande líder: “advogado, boxeador, marido, pai, revolucionário…”. Alguns na platéia foram às lágrimas. Para quem assistia era difícil sequer tentar se colocar no lugar de um sul-africano e entender o que se passava naquele exato momento ou buscar traduzir tal sentimento.

mont_abertura_620

O show seguiu com atrações nacionais e internacionais. Juanes levantou o público com seu ritmo latino, Alicia Keys e John Legend embalaram todos com suas canções, e o somali K´Naan, anunciado pelo ex-jogador brasileiro Sócrates (com um gorrinho cheio de estilo), fez a multidão explodir em bandeiras com o seu “Wavin’ Flag”, um dos hinos desta Copa do Mundo e música que você ainda vai ouvir muito durante os próximos dias.

 

Chega o gran finale. Cheia de curvas e rebolado, a colombiana Shakira fechou com chave de ouro a cerimônia. E todos se despediram, com fogos de artifício no frio céu de Soweto (eram 10 graus), ao som de mais um tema do Mundial: “Waka Waka (This Time For Africa)”.

 

Nesta quinta-feira, a África do Sul deu apenas um aperitivo do que está por vir. Na sexta, a bola rola. E até dia 11 de julho o país será de alegria. O continente será um sorriso só.

 

Ke Nako! Chegou a hora!

 

 

Fonte: Globoespote

+ sobre o tema

São Paulo: Encontro Estadual dos Quilombolas “nenhum direito a menos”

O Encontro Estadual dos Quilombolas " nenhum direito...

Mestre Moa do Kantendê é morto a facadas após discussão política em Salvador

O mestre de capoeira e compositor Romualdo Rosário da...

Banzo: Um estado de espírito negro

As palavras de origem africana que nos negros(as) conseguimos...

para lembrar

Leontyne Price

Mary Violet Leontyne Price nasceu em 10 de fevereiro...

No Brasil, todo mundo ama o ‘Chris’. E ele não aguenta mais isso

Parece que o ator Tyler James Williams, o Chris da...

Nem LeBron James: veja lista de recordes “impossíveis” de bater na NBA

LeBron James se tornou o maior pontuador da história...

Depoimentos de Escravos Brasileiros

Em julho de 1982, o estudante de história Fernando...
spot_imgspot_img

Mel Duarte celebra cinco anos do álbum “Mormaço – entre outras formas de calor” com apresentações gratuitas em São Paulo

A cantora, escritora, poeta, compositora e produtora cultural Mel Duarte, conhecida por sua brilhante performance de "spoken word", celebra o quinto aniversário do seu...

 Interprete da trilha sonora da novela Renascer, Xenia França participa do disco de José James

Vencedora do Grammy Latino de 2023 com seu disco "Em nome da Estrela" e intérprete da canção “Lua Soberana”, trilha sonora da novela Renascer...

NICHO 54 lança publicação inédita que investiga a história do Cinema Negro no Brasil 

Pesquisa que mapeou e consolidou dados sobre filmes produzidos por pessoas negras no Brasil de 1949 a 2022 encontrou 1.104 obras; 83% de toda...
-+=