AmarElo – É tudo pra ontem: um olhar reflexivo sobre o Brasil

Desde o lançamento do álbum AmarElo, o rapper Emicida realiza um projeto que é simultaneamente artístico e intelectual de leitura e criação de projetos do Brasil. O documentário “AmarElo – É tudo para ontem”, lançado pela plataforma de streaming Netflix no dia 8 de dezembro, é mais uma realização dessa face do trabalho do artista. A mescla da narrativa pessoal da construção do álbum com a memória de marcos históricos e culturais do Brasil incita um exercício cada vez mais necessário: a conciliação entre o conhecimento, a política e o afeto. Esse movimento é o que permite que o disco seja um encontro entre passado, presente e futuro, revisitando a história brasileira, os conflitos e possibilidades apresentados pelo presente e os futuros que o reconhecimento da coletividade e da interdependência permitem. “Tudo, tudo, tudo que nóiz têm é noiz.”.

Emicida propõe uma expressão da brasilidade que parte das cosmopolitas margens do Brasil. Se acompanharmos a diferenciação que ele mesmo faz entre um brasil, com letra minúscula, que ainda carrega os fardos, cicatrizes e feridas francamente abertas do período colonial, e o Brasil cultural, social e politicamente múltiplo e potente que espreita sempre como possibilidade de resistência, é do centro desse último que saem tanto o disco como o documentário. Retomando a história do samba junto à do hip-hop, o músico une duas expressões do pensamento negro complementares. O samba tem olhado para as realidades das periferias – físicas e sociais – desde a sua origem, contado a sua história e expressando o seu valor, misturando a melancolia e a alegria que marcam a capacidade de agência dos sujeitos desses lugares. O hip-hop, surgido como um gênero de denúncia e contestação é capaz de mobilizar gerações em defesa de direitos e da retomada da autoestima. Combinar esses dois ritmos é, como ele afirma, uma forma de devolver a alma para cada um dos seus irmãos. Isso significa, em primeiro lugar, um olhar mais complexo para a população negra e pobre do Brasil.

Como fica claro em seu documentário, esses grupos não são massas a serem educadas na direção da sua libertação, mas desde sempre foram agentes dela, tanto por meio das interpretações de sua própria realidade e da sociedade de uma forma mais ampla, como pela sua atuação política. “Permita que eu fale, não as minhas cicatrizes.”. Por outro lado, não são heróis e heroínas sobre-humanos, mas pessoas que quotidianamente sofrem os impactos da estrutura de hierarquias de raça, gênero e classe. “A merendeira desce, o ônibus sai, dona Maria já se foi, só depois é que o sol nasce.”. Trabalhos como os de Emicida são um avanço no projeto humanista do mundo porque destacam as formas de desumanização a que diversos grupos estão sujeitos, os projetos de defesa da sua humanidade e a sua capacidade de agência no mundo. O sujeito de Emicida não é só dor nem só alegria, não tem só uma face e é, de fato humano na conciliação de suas contradições.

Outro feito do artista é uma reflexão sobre o próprio status da arte na ação política. Mais do que apenas um meio para a conscientização ou para a promoção de um projeto, o documentário explicita a vontade de utilizar a música para construir em conjunto projetos sociais, sendo ela, em si, tão teórica e complexa quanto um livro de filosofia e história. “A música é só uma semente”, mas é uma semente que propõe o pensamento conjunto, o cuidado quotidiano e a política de afetos. Não é atoa que lideranças políticas que tem conseguido projetar outra forma de fazer política tenham laços com o movimento hip-hop, como Áurea Carolina, deputada federal de Minas Gerais pelo Psol.

Finalmente, Emicida reposiciona a música brasileira no mundo. Mais que uma expressão do Brasil, AmarElo é um manifesto para que observemos como as nossas formas locais de expressão e a nossa história se conectam com diversas outras no globo. “Meu cântico fez do Atlântico um detalhe quântico” porque as suas influências, desde o hip-hop (original da Jamaica e popularizado pelos Estados Unidos), o samba brasileiro, a colaboração com artistas da diáspora lusófona e da América Latina estabelecem pontes não para dizer que nossas trajetórias são as mesmas, mas que podemos contribuir com nossas semelhanças e diferenças para a criação de uma potência global de resistência contra os impactos do racismo.

A obra de Emicida é uma expressão de esperança. O filósofo americano Cornel West diz que a esperança não deve ser confundida com otimismo: “A esperança vai contra a maré, a esperança e participativa, um agente no mundo. O otimismo olha para as evidências de forma a observar se devemos fazer x ou y. Esperança diz ‘eu não ligo, vou fazer de qualquer jeito’.”. É assim que o artista olha para os contextos global e brasileiro e propõe uma liberdade humana de fato, por completo, para todos e todas.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Ucrânia – Black Colorful Beauty: a mulher negra em toda sua plenitude de beleza

Nas páginas da Playing Fashion Magazine Ucrânia, belos retratos...

Alberto Guerreiro Ramos

Alberto Guerreiro Ramos (Santo Amaro da Purificação, Bahia, 13 de...

Negra Li está em produção

Completando 20 anos de carreira,NEGRA LI está em pré-produção do...

Maju causa ciumeira nos bastidores da Globo

Maria Júlia Coutinho, 37, a Maju, não é uma...

para lembrar

Há 6 anos, Beyoncé lançava o aclamado álbum “Lemonade”

Há exatos 06 anos atrás, Beyoncé parava o mundo com o...

Iza lança clipe que exalta a força da mulher negra

'Dona de Mim' leva o nome do álbum homônimo...

Miscigenação não leva à democracia racial, diz sociólogo

Fonte: BBC Brasil A miscigenação no Brasil não leva...

Projeto fotográfico tocante registra a escravidão moderna que fingimos não ver

Jaque Barbosa, Hypeness Facilmente caímos na tentação de pensar que a...
spot_imgspot_img

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13 de maio deste ano. Em 1888, a princesa Isabel, filha do imperador do Brasil Pedro 2º,...

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta pela primeira vez no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

Iza anuncia que terá uma menina e o nome será Nala

O primeiro bebê de Iza e Yuri Lima já teve o sexo revelado: será uma menina. A cantora contou a novidade aos fãs na noite desta segunda-feira (13),...
-+=