Ao lado da família, Glória Pires faz campanha contra a homofobia, transfobia, racismo e o machismo

A atriz Glória Pires postou na manhã de hoje, 07 de setembro, dia da Independência do Brasil, em seu perfil no Facebook,  uma foto ao lado da família sob a legenda “Viva a Independência” em protesto contra a homofobia, transfobia, machismo e o racismo, formas de preconceito ainda tão comuns no Brasil.

Por Tiago Minervi, no  VAMOS CONTEXTUALIZAR

Todos vestiam camisetas que combate um determinado tipo de preconceito:

Glória e Cléo Pires vestiam uma camiseta em combate à intolerância contra lésbicas: “Você não precisa ser lésbica para lutar contra a lesbofobia”, afirma;

Na de seu marido, Orlando Morais a luta é contra o racismo: “Você não precisa ser negro para lutar contra o racismo”;

Antonia Pires de Morais, que também é artista, vestia uma camiseta em apoio à luta das mulheres trans: “Você não precisa ser trans para lutar contra a transfobia“.

A filha mais nova da atriz com o músico Orlando, Ana Pires de Morais, faz campanha contra a homofobia: “Você não precisa ser gay para lutar contra à homofobia“.

Completa a imagem,Bento, filho mais novo da artista que também entrou no clima anti-intolerância: “Você não precisa ser mulher para lutar contra o machismo“, está escrito em sua camiseta.

Combate à homofobia

No começo do ano, Glória Pires participou ao lado de outros artistas de uma campanha nacional contra a homofobia, preconceito bastante recorrente no país e que faz, no mínimo, uma vítima fatal todos os dias, segundo dados liberados pelo Grupo Gay da Bahia.

É importante ressaltar também que o Brasil é o líder mundial na violência contra travestis, transexuais e um dos que mais agridem mulheres. Em relação ao racismo, o país figura entre os mais racistas do mundo.

 

+ sobre o tema

Racismo na Globo revolta alunos e professoras

Um comentário do jornalista Alexandre Garcia, ex-porta-voz da ditadura...

Especialistas avaliam relatório da CPI sobre violência contra jovens negros

Investigar as causas e consequências da violência contra a...

Do estereótipo do “bem dotado” à marginalização, o Brasil do país do escárnio e da violência

Pau grande, mas subjugado: vai ter preto humilhado sim por Djamila...

para lembrar

Um crítico no front

Tão logo meu exemplar de “Estética e raça: ensaios...

Homenagens e protestos marcam Dia de Martin Luther King Jr. nos EUA

NOVA YORK (Reuters) - Homenagens ao líder de defesa...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=